Supremo Tribunal Federal declara constitucional o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração

0

A decisão  permite a terceirização da atividade-fim pelas Empresas Transportadoras de Cargas (ETC) e estabelece regras para que não haja o vínculo empregatício

Em decisão proferida na Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADC) nº 48, no dia 14 de abril do corrente ano, o Supremo Tribunal Federal (STF) declarou a constitucionalidade da Lei nº 11.442/2007, que regulamenta a contratação de Transportadores Autônomos de Carga (TAC) e autoriza a terceirização da atividade-fim pelas Empresas Transportadoras de Cargas (ETC).

A ADC nº 48 foi proposta pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) diante do cenário de insegurança jurídica gerado às ETC pela Justiça do Trabalho, que sempre foi refratária à aplicação da Lei nº 11.442/2007.

Até aqui, as decisões proferidas pela Justiça do Trabalho reconheciam o vínculo de emprego entre os TAC e as ETC, sob o fundamento de que a terceirização de atividade-fim era considerada ilícita, à luz da Súmula 331 do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Contudo, levando-se em conta que a Constituição Federal (CF) não veda a terceirização de atividade-meio ou fim, vez que consagra a livre iniciativa e a concorrência como valores fundamentais da ordem econômica, na decisão proferida na ADC 48, o STF, por maioria dos votos, fixou tese no sentido de que “a Lei nº 11.442/2007 é constitucional”.

Frise-se que, neste tipo de contratação, a Lei nº 11.442/2007 prevê em seus dispositivos uma série de requisitos para a contratação de TAC entre eles que o motorista deve exercer suas atividades em veículo próprio, assumindo os custos da operação de transporte, sem exclusividade na prestação dos serviços.

Assim, o STF também fixou entendimento no sentido de que “uma vez preenchidos os requisitos dispostos na Lei nº 11.442/2007, estará configurada a relação comercial de natureza civil e afastada a configuração de vínculo trabalhista”.

Por esta razão, também considerou que “o prazo prescricional estabelecido no art. 18 da Lei nº 11.442/2007 é válido porque não se trata de créditos resultantes de relação de trabalho, mas de relação comercial, não incidindo na hipótese o art. 7º, XXIX, CF.”

A celeuma, a partir de agora, certamente versará sobre o preenchimento dos requisitos estabelecidos na Lei nº 11.442/2007.

De acordo com a advogada Carolina Razera, especialista da área contencioso trabalhista do escritório Finocchio & Ustra, se não cumpridos os requisitos da Lei nº 11.442/2007 e uma vez presentes os elementos configuradores da relação de emprego delineados no artigo 3º da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), poderá o vínculo empregatício entre o TAC e a ETC ser reconhecido pela Justiça do Trabalho.  “A análise casuística, portanto, será imprescindível nesse novo cenário”, acrescenta a advogada.

Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais