SUSEP estipula novas diretrizes para controle de prevenção à lavagem de dinheiro

0

Seguradoras, resseguradoras, empresas de capitalização, entidades abertas de previdência complementar e corretoras têm até dia 1º de março de 2021 para aderirem às novas políticas de prevenção e combate ao crime de lavagem de capitais

Em recente Circular (Circular nº 612), a Superintendência de Seguros Privados – SUSEP estabeleceu políticas, procedimentos e controles internos destinados à prevenção e combate à lavagem de capitais, que devem ser adotadas por sociedades seguradoras e de capitalização, os resseguradores locais e admitidos, as entidades abertas de previdência complementar, as sociedades cooperativas autorizadas a funcionar pela SUSEP, as sociedades corretoras de resseguro, as sociedades corretoras e os corretores de seguros, de capitalização e de previdência complementar aberta.

As novas regras entram em vigor no dia 1º de março de 2021 e tem como objetivo estabelecer diretrizes para que tais empresas desenvolvam e implementem políticas, procedimentos e controles internos efetivos e consistentes de acordo com a complexidade e riscos de suas operações relacionadas à lavagem de dinheiro.

Dentre os principais pontos determinados pela SUSEP destacam-se a necessidade de elaboração e implementação de uma Política de Prevenção à Lavagem de Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo, avaliação interna de risco, procedimentos destinados a conhecer os clientes, registros das operações, monitoramento das operações e das relações de negócios, análise e comunicação de operações, avaliação de efetividade de controles internos e responsabilização.

De acordo com Guilherme Cremonesi, advogado especialista em direito penal e sócio do escritório Finocchio & Ustra advogados, a norma prevê a necessidade das empresas indicarem expressamente o diretor responsável pelo cumprimento das obrigações da Lei de Lavagem de Capitais (Lei nº 9.613/98), bem como das ações determinadas na Circular.

“A necessidade de qualificação expressa do diretor com tais atribuições, o coloca em posição bastante sensível e de risco de ser responsabilizado criminalmente por eventuais falhas das políticas e controles estabelecidos ou mesmo em razão de eventual omissão, uma vez que o diretor possui, neste caso, a função de garantidor estabelecida na norma”, explica cremonesi.

Portanto, embora ainda exista um prazo para implementação das novas regras, é importante que as empresas se atentem a essas questões e já comecem a colocar em prática as obrigações determinadas na Circular nº 612 da SUSEP.

Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais