TJSP cumpre decisão do STF: TCO não é ato exclusivo do delegado de polícia

0

Cel PM Elias Miler da Silva, presidente da DEFENDA PM

O portal de notícias Consultor Jurídico (www.conjur.com.br) noticiou hoje que o corregedor-geral da Justiça do Tribunal de Justiça de São Paulo, Ricardo Anafe, decidiu no último dia 14 que a lavratura do Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) pode ser feita por um juiz de direito. Entrevistada, a presidente do Sindicato dos Delegados, Raquel Gallinati, comemorou a decisão afirmando que “a Constituição determina que o delegado de Polícia é autoridade competente para o registro da ocorrência, garantindo o correto andamento do inquérito”.

A presidente do Sindpesp distorce a decisão do corregedor-geral e induz o leitor a erro, mesma estratégia utilizada no julgamento da ADI 3807. Na ocasião, os delegados ingressaram com ação contra o Poder Judiciário tentando impedir um juiz de conhecer diretamente, sem passar pelos delegados, a infração penal praticada por usuário de entorpecente.

Os delegados foram derrotados no Supremo Tribunal Federal. Em decisão de Plenário, o STF pacificou que o Termo Circunstanciado não é privativo dos delegados, confirmando a decisão anterior do ministro Gilmar Mendes no Recurso Extraordinário 1.050.631, Sergipe, com Repercussão Geral válida para todo o país. Neste recurso, o ADEPOL-SE alegava que era inconstitucional a lavratura do TCO pela Polícia Militar, sob o fundamento de que isso viola o artigo 144, §§ 4º e 5º da Constituição Federal, sustentando a tese vencida de que o delegado é a única autoridade policial.

“A interpretação restritiva que o recorrente (Associação dos Delegados de Polícia) quer conferir ao termo ‘autoridade policial’, que consta do art. 69 da Lei nº 9.099/95, não se compatibiliza com o art. 144 da Constituição Federal, que não faz essa distinção. Pela norma constitucional, todos os agentes que integram os órgãos de segurança pública – polícia federal, polícia rodoviária federal, polícia ferroviária federal, policiais civis, polícias militares e corpos de bombeiros militares –, cada um na sua área específica de atuação, são autoridades policiais”, escreveu o relator.

Cel PM Elias Miler da Silva, presidente da DEFENDA PM

E o que fez agora o Corregedor da Justiça do Estado de São Paulo? Afirmou, interpretando a decisão do STF, “que na falta de juiz, a autoridade policial pode lavrar o termo circunstanciado” e devido à falta de juízes nas comarcas, e “tendo em vista que todo o procedimento está no sistema eletrônico, nada há que ser alterado em decorrência da decisão”.

A comemoração da presidente do Sindicato dos Delegados não tem razão de ser, a não ser tentar induzir o leitor a erro.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais