Transição para o digital: o papel da tecnologia na implementação do e-commerce

0

Mais do que cumprir uma função de suporte imediato para lojas virtuais, setores de TI devem assumir o protagonismo na execução de projetos que aprimorem essa relação à distância com o público consumidor

A consolidação do e-commerce no Brasil não é uma novidade. Afinal, trata-se de uma tendência potencializada pela transformação digital e a própria globalização, fenômeno responsável por conceder novas possibilidades de comunicação e relações interpessoais. O grande desafio repousa na forma que a empresa recebe essa inovação no processo de vendas. Não basta oferecer um serviço ou produto de qualidade, a complexidade imposta às jornadas de compra é crescente e acompanha as exigências de uma população cada vez mais atenta às novidades do mercado.

É justamente visando preencher essa lacuna que a adoção tecnológica surge como uma alternativa imprescindível. Investir na estruturação do departamento de TI é o mesmo que se mostrar preparado para otimizar procedimentos e conceder uma abordagem estratégica inovadora, totalmente embasada na análise de dados. Em outras palavras, o gestor ganha a seu favor os benefícios de uma visão tecnológica ampla, sobre o comportamento dos consumidores, tendências no segmento e melhores decisões para o andamento do negócio.

Resposta eficaz à pandemia e realidade para o futuro

Com as adversidades impostas pelo período de pandemia, muito antes de se pensar na normalização das atividades, a utilização do e-commerce tornou-se a única opção para assegurar que os resultados não decaíssem drasticamente. Diversos levantamentos comprovaram essa afirmação, a exemplo de um estudo publicado pela Compre e Confie, que só no início do mês de março, indicou um crescimento de 40% no setor.

Não há como negar o papel emergencial do e-commerce no contexto de coronavírus. A política sanitária de distanciamento social escancarou a importância de se imaginar modelos operacionais capazes de sustentar um serviço virtual de qualidade técnica e estrutural. Hoje, olhando para o futuro, a presença das empresas no ambiente digital não é uma vertente secundária ou de mera contenção responsiva a problemas externos, mas uma sinalização positiva à implementação tecnológica e suas contribuições indispensáveis nos dias atuais. Uma organização que ignora esse braço comercial flerta com um ostracismo perigoso em um mercado cuja competitividade acompanha a evolução dos métodos.

Flexibilidade e rapidez para a área de vendas

É através de uma equipe de TI capacitada que se pode almejar um departamento de vendas mais assertivo e agilizado. Fica a cargo do gestor proporcionar as ferramentas necessárias para que o profissional continue ciente às atualizações do meio, assim como às práticas mais indicadas na área de atuação. Soluções automatizadas, softwares de gestão, são outras possibilidades de se elevar a produtividade dos envolvidos nos procedimentos por trás do e-commerce.

Como conceber que os serviços online sejam empregados com excelência se não existe qualquer sustentação por trás da plataforma de produtos? O respaldo tecnológico não é um mero capricho interno ou uma espécie de despesa desnecessária, é através de sua influência sentida no cotidiano operacional que se torna plausível a consolidação de pilares fundamentais para qualquer sistema de comercialização digital.

Porta de entrada ao Customer Experience

No início do artigo, destaquei a relevância de se pensar além do produto oferecido, ainda que o mesmo tenha a qualidade desejada. Atentar-se a cada etapa do processo de compra pode ser determinante para fidelização do usuário e consequentemente, a conquista de um novo cliente. Ao trazermos essa noção ao espaço da web, o grau de dificuldade é impulsionado por uma quantidade elevada de informações lançadas de forma incessante ao internauta, que já não possui tempo e disposição para se aprofundar em todas as oportunidades identificadas.

Qual é o caminho para se diferenciar entre tantas empresas? O conceito de Customer Experience é uma resposta factível para esse questionamento, pois atribui a devida complexidade à jornada de aquisição por parte de cada usuário, considerando aspectos comportamentais, dados relacionados à persona, público-alvo, regionalidade, bem como outras características facilitadas pela presença da tecnologia. No fim, o investimento na construção de um ecossistema de TI corresponde às melhores práticas de e-commerce, mantendo a empresa em uma estabilidade operacional suportada pela precisão da máquina. O resultado é uma competitividade evolutiva em um mercado extremamente caótico e rigoroso.

Qual é a sua opinião sobre a transição ao digital e o impacto para o e-commerce? Participe do debate e faça essa reflexão!

 

*Everton Moreira é CEO da Avanter. Tecnologia aliada ao crescimento das companhias, a Avanter é mais que um parceiro tecnológico. Com sólidos conhecimentos e experiência em operações de missão crítica, a empresa participa tanto do lado da sustentação tecnológica quanto do planejamento estratégico de seus clientes, levando a tecnologia como ferramenta de evolução. Atua com quatro frentes: Infraestrutura, Telecom, E-commerce e Aplicativos, além disso mantém uma matriz em São Paulo e filial em Florianópolis, um dos polos tecnológicos do Brasil.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais