Você sabia que a LGPD tem impactos na esfera trabalhista?

0

Com expectativa de entrar em vigor a partir de agosto de 2020, a Lei Geral de Proteção de Dados traz uma série de novas obrigações que exigem a atenção redobrada das empresas com seus funcionários

Por: Dhyego Pontes

Não há como negar a influência da transformação digital para o cotidiano empresarial. E uma das maiores consequências desse fenômeno é a conscientização do consumidor em relação às informações concedidas e adquiridas por determinadas companhias. Visando acompanhar essa nova mentalidade, a LGPD foi sancionada em 2018, mas suas implicações não se limitam ao campo comercial; em termos trabalhistas, as empresas deverão adequar sua política de gestão de dados, se quiserem entrar em harmonia com a legislação e evitar eventuais sanções administrativas, que podem ser de até 2% do faturamento da empresa, limitadas a R$ 50 milhões, bem como sanções civis, para reparar eventuais danos,  e até em sanções penais.

Quando paramos para analisar o cenário nacional diante a aplicação da nova lei, a perspectiva não é muito positiva: segundo uma pesquisa recente realizada pela consultoria Gartner, menos de 30% das organizações brasileiras estarão prontas para atender todos os requisitos da Lei Geral de Proteção de Dados.

É justamente pensando em uma maior elucidação sobre o tema que decidi produzir esse artigo, e espero que o mesmo possa ajudar sua empresa a se adaptar de forma segura e eficaz. Não deixe de acompanhar!

 

Sinal de alerta para os empregadores

Uma coisa é certa: toda empresa possui um fluxo intenso de informações e dados de seus funcionários, colaboradores e profissionais envolvidos no cotidiano operacional. Reinventar a maneira que se olha para a natureza e finalidade de conteúdos pessoais torna-se indispensável àqueles que desejam evitar consequências e até punições administrativas pelo descumprimento das normas de privacidade.

Essa adoção de uma nova arquitetura jurídica para a gestão de dados implica diretamente em um manuseio responsável e o tratamento adequado do que se mantém registrado. Analisar sistemas de segurança, investir em soluções tecnológicas capazes de simplificar e facilitar a adequação à lei, são algumas das várias medidas indicadas para evitar qualquer tipo de imprevisto.

Vale destacar que a LGPD não faz nenhum tipo de distinção entre pequenas, médias e grandes empresas. O volume de tráfego de dados também não é levado em conta. No fim das contas, não há antídoto mais efetivo do que a simples leitura do texto de lei aprovado, somente assim pode-se equiparar o conteúdo descrito com contratos e afins.

 

Consentimento e transparência: palavras do futuro

A ideia central da LGPD não é de restringir ou limitar o uso dos dados, mas sim aprimorar os métodos para que as empresas apliquem em seu cotidiano práticas de consentimento e de interesse legítimo. Referindo-se ao espaço digital, por exemplo, torna-se ainda mais urgente a necessidade de se consolidar um maior cuidado com informações concedidas e repassadas.

Sua empresa conta com uma política de segurança da informação e dados? Essa é uma pergunta que deverá ser levantada por todos. Dentro de um departamento de TI, por exemplo, as mudanças podem passar pela criação de novos canais de relacionamento e muito mais transparência quanto à privacidade dos usuários ou consumidores, assim como os empregados. Empregar uma linguagem clara e objetiva também é altamente recomendado.

Reveja o nível de segurança que suas plataformas operacionais proporcionam. Afinal, os sistemas e serviços comunicacionais protagonizarão o andamento prático desse fluxo informacional.

Contar com um especialista no assunto pode facilitar o diálogo de sua empresa com a ANPD (Autoridade Nacional de Proteção de Dados), órgão responsável pelo acompanhamento e aplicação das sanções previstas na LGPD.

 

O impacto no direito do trabalho

Os efeitos práticos da LGPD no âmbito trabalhista começam na elaboração do contrato do trabalho, o qual deve descrever de forma detalhada quais documentos são necessários e solicitados, bem como sua destinação, descrição do armazenamento e detalhamento dos responsáveis, e ainda, as políticas de segurança sobre eles. Além disso, também devem ser implementadas políticas de Compliance, para que determinem regras claras e objetivas no que tange ao armazenamento e compartilhamento de informações dos colaboradores. E, por fim, deve ser criado um canal aberto com seus empregados, elucidando eventuais dúvidas e deixando claro a necessidade de cada uma de suas solicitações, assim, demonstrando o comprometimento da empresa com o sigilo e armazenamento dos documentos e informações pessoais de seus colaboradores.

Durante esse processo, há de se frisar que todas as informações obtidas devem permanecer sob o véu das previsões explícitas em lei. Primeiramente, o proprietário das informações, ou seja, aquele que se dispôs a cedê-las, deve estar ciente de todo o tratamento que será dado aos seus dados, assim como suas finalidades.

Outra vertente importante é a classificação de conteúdos específicos como dados pessoais sensíveis; esses sujeitos a exigências ainda mais contundentes, como a não publicação ou repasse a terceiros.

Levando em consideração a importância do tema e o imediatismo que essa nova tendência, agora lei, traz para as empresas, fica a recomendação para que os empresários comecem, o quanto antes, uma análise profunda do que é preciso fazer para que suas companhias estejam de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados, em todos os aspectos técnicos.

*Dhyego Pontes é consultor trabalhista e previdenciário da Grounds.

Sobre a Grounds

A Grounds é uma empresa de consultoria inteligente especializada nas áreas contábil, tributária, trabalhista, previdenciária e financeira. O core business da companhia abrange todas as áreas da empresa, se diferenciando assim dos serviços de advogados, por exemplo. No último ano de atuação, a Grounds solucionou mais de 40 projetos de due diligence, consultoria fiscal-financeira e assessoria permanente em vários segmentos de atuação: Investimentos e Private Equity, Energia e Infraestrutura, Serviços, Varejo e Indústria em geral. Saiba mais em: http://grounds.com.br/

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais