Creio no direito

0


Creio no direito como esmera forma de construir uma sociedade livre, justa e solidária, mormente como garantia do desenvolvimento nacional;


Creio no direito como âmago da luta pela erradicação da pobreza e a marginalização e redução das desigualdades sociais e regionais;


Creio no direito que promove o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação;


Creio no direito em que prevalece a independência nacional, os direitos humanos, a autodeterminação dos povos, a defesa da paz, a solução pacífica dos conflitos e a cooperação entre os povos para o progresso da humanidade;


Creio no direito que coloca sobre sua égide o princípio da isonomia, da legalidade, da irretroatividade, do devido processo legal como fonte inesgotável da segurança jurídica;


Creio no direito difuso, coletivo, individual, social e político visando a proteção dos direitos fundamentais;


Creio no direito a vida, um direito em primazia que paira sobre todo mundo;


Creio no direito garantidor das liberdades de manifestação de pensamento, consciência, crença e culto, liberdade de locomoção, de profissão e de informação profícuos ao ser humano;


Creio no direito a educação, a saúde, a moradia, ao lazer, ao trabalho, a proteção da mulher, da criança e da juventude e a assistência aos desamparados;


Creio no direito lutador, que luta incansavelmente para atender aos anseios humanos e sociais, para proteger e garantir o Estado Democrático de Direito, as instituições democráticas e, outrossim, estarrece e é barreira intransponível aos atentados contra democracia do país e contraposição a governos autoritários e ditatoriais;


Creio no direito como expressão mais sublime da soberania popular, que promove o bem, a paz e a justiça entre os homens;


Mas, acima de tudo, creio no direito como cláusula pétrea que defenda os meus, os seus e os nossos direitos.


É certo que passamos por tempos obscuros no país, prevalecendo à imoralidade, a falta de ética e o descaso ao direito que, por seu turno, inflamam pessoas e órgãos públicos tão importantes à sociedade brasileira. É a vitória da tramóia. Corrupção, falta de ética e impunidade já são corriqueiros em noticiários. Esquece-se dos direitos inerentes ao ser humano e isolam o mundo do seu raio de visão. Injustiças mitigando injustiças sob a guisa da nefasta impunidade.


 Esse texto, “creio no direito”, é um grito de esperança, uma defesa dos direitos aduzidos na Constituição Federal, das garantias fundamentais ao ser humano, dos fundamentos e objetivos da República Federativa do Brasil, da democracia, ensejando não nos olvidarmos que, malgrado todas as promiscuidades, temos direitos que devem ser observados e não podem deixar de serem pela omissão, morosidade ou descaso. Um grito aos competentes a fazer, administrar, fiscalizar e aplicar o direito denotando que ainda permanecemos retos, firmes e inabaláveis. Um grito para relembrar-nos que na História sempre foi mais difícil subordinar o Poder ao Direito do que o Direito ao Poder. Se hoje postamos Estados Democráticos de Direito, temos um elevado bem a preservar. Isso deve ser a função de toda a sociedade e principalmente de todo o jurista responsável, não importa onde atue. Destarte, “creio no direito” é uma tentativa de reflexão sobre a incomensurável importância do direito ao Estado, seus órgãos e instituições, aos seus representantes e aos seus destinatários, quais sejam, o indivíduo e a sociedade.


Como derradeiro, vislumbrando donde provém tanta convicção e esperança, corroboro: Creio em Deus, mas, também, acredito no ser humano.



Informações Sobre o Autor

André Carvalho Badini dos Santos


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais