Ação civil ex delicto no âmbito do direito civil

0

Resumo: A responsabilidade ex delicto abrange os casos em que a indenização decorre do crime. A ação civil ex delicto significa um contato entre a área penal e civil do ordenamento jurídico, cabível após o transito em julgado da sentença penal condenatória.

Palavras-chave: Responsabilidade. Ex delicto. Indenização. Penal. Civil.

Abstract: The responsability ex delicto cover cases in which the reparation follows the crime. The civil action ex delicto means a contact between the criminal and civil legal area, applicable after final judgement of the criminal sentence.

Keywords: Responsibility. Ex delicto. Reparation. Criminal. Civil.

Sumário:  Introdução. 1 Conceito. 2 Sentença Penal. 3 Tutela de Interesses. 4 Ato Ilícito. 5 Execução da Sentença Condenatória Penal da Esfera Cível. 6 Cabimento no Caso de  Absolvição Sumária. 7 Legitimidade Ativa. Conclusão. Referências.

Introdução

A ação civil ex delicto possui a finalidade de buscar uma indenização pelo dano sofrido, cuja causa de pedir é o ilícito criminal. Após trânsito em julgado da questão penal, com a sentença condenatória, esta faz coisa julgada no direito civil.         

Dessa forma, o ofendido está habilitado a executá-la na esfera civil. E ainda, quando ocorrer uma ação civil e outra penal junta, a ação civil poderá ficar suspensa até o resultado da ação penal.

1 Conceito

Inicialmente deve-se considerar que, mesmo que as ilicitudes civil e penal sejam distintas, existem casos que geram efeitos nos dois campos jurídicos. Aqui se está diante de efeitos civis da sentença penal condenatória, pois o delito traz uma pretensão de natureza indenizatória, conforme o disposto no Art. 186 do código civil.

Dessa forma, a ação civil ex delicto é a ação que tem por finalidade reparar um dano, tanto moral como material, proveniente de um ilícito penal que o objeto é uma sentença penal condenatória transitada em julgado, ou seja, um título executivo judicial, proposta contra o agente causador do dano ou contra que a lei civil apontar como indenizador.

2 Sentença Penal

A partir da leitura do § único do Art. 63 combinado com o inciso IV do a Art. 387, ambos do CPP, verifica-se que na própria sentença penal condenatória será fixado o valor mínimo para reparar os danos causados pela infração que será executado após o trânsito em julgado da sentença.

Assim, na legislação brasileira há a cumulação entre a pretensão acusatória e a pretensão indenizatória. Após a condenação do réu o juiz fixará um valor mínimo para reparação dos danos causados pela infração. Entretanto, a vítima pode buscar um montante maior na esfera cível, pois, como já dito, na sentença penal fixa-se apenas o valor mínimo.

3 Tutela de Interesses Privados

Com a ação civil ex delicto, o processo penal passa a ser também um instrumento de tutela de interesses privados.

Alguns doutrinadores oferecem críticas contra essa cumulação de pretensões acusatória e indenizatória, acusam de violação de princípios básicos do processo penal pelo fato que essa matéria é alheia a sua função.

Nesse sentido, alegam que o instituto em questão configura uma condenação penal disfarçada de absolvição de fato, visando grandes indenizações. Logo, a crítica assenta-se na separação das esferas para que o processo penal continue sendo um efetivo meio de prover uma sentença justa e livre de interesses particulares. Em geral, o inconformismo de parte da doutrina dirige-se às alterações trazidas pela lei 11.719/2008.

O que ocorre é que a ação civil ex delicto torna certa a ação de indenizar de que trata o Art. 91, I, do CP, passando para o juízo cível a liquidação e a execução da sentença.

4 Ato Ilícito

Ato ilícito compreende todo aquele que contraria o direito, ferindo o dever de não lesar alguém. Importa na apuração da culpa, a qual deriva de negligência, imprudência e imperícia.

Os ilícitos civis geram a obrigação de reparar o dano, tanto material como moral, na esfera patrimonial. Já os ilícitos penais geram sanções pessoais e pelo princípio da intranscendência, a pena imposta não ultrapassa a pessoa do agente.

Entretanto, existem reflexos civis nos ilícitos penais, quando há necessidade de indenizar. E também é necessário ressaltar que o fato de não haver condenação na esfera penal ou de não ter sido instaurado processo criminal, não impede a possibilidade da vítima ingressar com um processo de conhecimento cível.

A diferença entre atos ilícitos civis e atos ilícitos penais é que nestes últimos, as punições são mais severas porque os legisladores os consideram mais gravosos. Mas, nem por isso é retirado o caráter de ilícito civil de alguns ilícitos penais. Assim, permanece a obrigação de reparar o dano.

Em suma, mesmo que haja sentença condenatória definitiva, quando a ofensa à lei não ultrapassa os direitos de outrem, não haverá ato ilícito civil a ser reparado, como ocorre com os crimes contra a paz pública, por exemplo.

Todavia, o julgamento de um ilícito na esfera penal é muito mais rigoroso no enquadramento à norma que um ato ilícito civil.

5 Execução da Sentença Condenatória Penal na Esfera Cível

Conforme disposição do Art. 475-N, inciso II, do CPC, a sentença penal condenatória transitada em julgado constitui título executivo extrajudicial. A execução civil da sentença penal segue o mesmo rito de qualquer execução decorrente de título executivo judicial.

 Quando o condenado é absolvido na revisão criminal, ficam prejudicados os efeitos na sentença condenatória, em função da desconstituição do título, como a instauração da execução.

Já a sentença de absolvição imprópria, quando aplicada a medida de segurança ao acusado por infração penal, não se executa na esfera civil, pois não é título executivo, visto que a lei refere-se à sentença condenatória.

Quanto à sentença penal condenatória que tratar de uma contravenção penal, também executa-se em sede civil, pois o Art. 1º. da lei de contravenções penais estipula que: “Aplicam-se às contravenções gerais do código penal, sempre que a presente lei não disponha de modo diverso”.

6 Cabimento no Caso de Absolvição Sumária

No caso do réu ser absolvido sumariamente, analisa-se a presença de algum dos fundamentos dos incisos do Art. 397 do CPP. Como a existência manifesta de causa excludente da ilicitude do fato, que ocorre quando o réu é absolvido sumariamente porque enquadrou-se em causa de exclusão de ilicitude.

 Por outro lado, a vítima pode postular na esfera cível o valor dos danos sofridos no caso de estado de necessidade agressivo, legítima defesa real e Aberractio Ictus.

Também não cabe propositura de ação indenizatória na existência manifesta de causa excludente da culpabilidade do agente, exceto inimputabilidade. Já na hipótese do fato narrado não constituir crime e quando extinta a punibilidade do agente não impedem a propositura da ação civil.

7 Legitimidade Ativa

Na ação civil ex delicto, o ofendido, seu representante legal e seus herdeiros possuem legitimidade ativa. Ofendido é aquele que foi diretamente prejudicado pelo fato delituoso. Como substituto processual, pode agir o ministério público sempre que o titular do direito à reparação do dano for pobre e dessa forma o requerer.

No processo penal considera-se pobre a pessoa não puder prover às despesas do processo, sem privar-se dos recursos indispensáveis ao próprio sustento e de sua família.

8 Conclusão

A ocorrência de um ilícito penal, sem dúvida pode trazer reflexos à esfera civil. Na atual legislação civil, toda ação ou omissão voluntária, negligência, imperícia, violação de direito e dano a outrem, mesmo que apenas moral, obriga a reparar o dano.

Destarte, como há ilícitos penais que extrapolam a esfera criminal e causam efeitos na esfera civil, a ação civil ex delicto torna-se um mecanismo eficiente na concretização de direitos e no acesso à justiça, que se opera no âmbito civil.

 

Referências
BARROSO, E. F. Mattos. Teoria Geral o Processo e Processo de Conhecimento. 14. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
CAVALIERI F, Sérgio. Programa de Responsabilidade Civil. 10.ed. São Paulo: Atlas, 2012.
LISBOA, Roberto Senise. Manual de Direito Civil – Teoria Geral do Direito Civil. v. 1. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
LOPES Jr., Aury. Direito Processual Penal e sua Conformidade Constitucional. v. 1. 4. ed. Rio de Janeiro: Lumen Júris, 2009.

Informações Sobre o Autor

João Carlos Parcianello

Mestre em Desenvolvimento pela UNIJUÍ. Bacharel em Direito pela UNIJUÍ


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais