A MP 927/2020 corroborou com o acolhimento do home office nas empresas

Está MP dispõe sobre as medidas trabalhistas para o enfrentamento da pandemia
images 1

Com a chegada do COVID- 19 no Brasil, muitas empresas tiveram que readequar o modo ao qual trabalhavam, diversas decidiram adotar o teletrabalho, ou home office, como é conhecido. Em março de 2020, passou a vigorar, a Medida Provisória 927/2020 que dispõe sobre as medidas trabalhistas para o enfrentamento do estado de calamidade pública reconhecido pelo Decreto Legislativo n 6º, e da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus.

Dentre as medidas trabalhistas previstas, está a disponibilidade de alterar o contrato de trabalho, mediante acordo individual escrito, de presencial para home office (art. 3, MP 927/2020). Bruno Faigle, advogado, explica “Muitas empresas adoraram a sugestão governamental, porém passaram a não controlar a jornada de seus funcionários, o quê, no meu sentir, é arriscado frente as contradições existentes na CLT sobre o teletrabalho, podendo gerar em um futuro, a condenação desses empresários no pagamento de labor extraordinário ao empregado”.

Outra questão pertinente sobre a legislação celetista do teletrabalho, é em relação ao art. 75- E, da CLT, o qual estabelece que o empregador deverá instruir os empregados, de maneira expressa e ostensiva, quanto às precauções a tomar a fim de evitar doenças e acidentes de trabalho, mediante assinatura de termo de responsabilidade.

Ao que parece, o legislador busca, em casos de eventual acidente do trabalho (LER/DORT etc.) a mitigação da responsabilidade pelo dano, adotando, uma tese, a muito superada, denominada “ato inseguro” do empregado, como forma de afastar sua responsabilidade.

O advogado destaca “atualmente, para a responsabilidade decorrente do acidente de trabalho é analisado diversos fatores, dentre eles excessos de jornada, metas praticadas, demandas de serviço etc., sendo o local da prestação dos serviços mais um elemento da análise”.

Portanto, frente às questões levantadas, “Entendo como válida a adoção do teletrabalho (home office), principalmente em tempos de isolamento social necessário, ressalvando, contudo, a observação obrigatória, por parte do empregador, ao controle de jornada e ao ambiente de trabalho seguro”, finaliza Bruno.

 

casasecco.com 27

BRUNO FAIGLE – ADVOGADO SENIOR  DA LIMA & VILANI ADVOGADOS ASSOCIADOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

LEITURAS RECOMENDADAS

Certidões negativas de feitos agora podem ser obtidas pelo site do MPT-RN

Quer ficar atualizado das principais notícias da semana? Clique aqui para receber atualizações no seu e-mail! Documento faz parte do rol de certidões exigidas para participação de processos licitatórios Natal (RN) 29/06/2022 – As certidões negativas de feitos emitidas pelo Ministério

Cassinos no Brasil: da origem aos dias atuais

Quer fazer cursos gratuitos na área do Direito? Clique aqui e receba atualizações sobre cursos e eventos gratuitos com especialistas em Direito no Brasil! Os cassinos no Brasil já foram sinônimo de luxo, poder e diversão. O até hoje famoso

Compliance para startups cresce, mas exige cuidados

Quer passar na prova da OAB? Clique aqui para baixar gratuitamente as provas dos últimos 12 anos! Especialista aponta caminhos para um desenvolvimento sólido A quem acredite que as práticas de Compliance devem ser atribuídas exclusivamente às grandes corporações e