Alteração legislativa sobre o voto de qualidade do CARF e suas implicações criminais

0

Por Júlia Granado, advogada especialista em direito penal econômico do Franco Advogados

O fim do voto de qualidade no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) – órgão administrativo ao qual os contribuintes recorrem das autuações da Receita Federal – terá efeitos sobre os autos de infração tributária de empresas em grandes operações e pode inviabilizar a arrecadação, bem como as representações fiscais para fins penais.

A lei n. 13.988, de 14 de abril de 2020 alterou o art. 28. da Lei n. 10.522, de 19 de julho de 2002, que passa a vigorar acrescida do seguinte “art. 19-E. Em caso de empate no julgamento do processo administrativo de determinação e exigência do crédito tributário, não se aplica o voto de qualidade a que se refere o § 9º do art. 25 do Decreto nº 70.235, de 6 de março de 1972, resolvendo-se favoravelmente ao contribuinte.”

A decisão foi de encontro ao art. 112 do Código Tributário Nacional, que diz “a lei tributária que define infrações, ou lhe comina penalidades, interpreta-se da maneira mais favorável ao acusado, em caso de dúvida”.

Não foi estabelecida regra de transição, o que por si só afeta a isonomia dos julgamentos.

Além disso, houve polêmica em torno da decisão, pois há críticas no sentido que a decisão enfraqueceu a eficácia da punibilidade tanto na esfera penal quanto na tributária dos crimes cometidos por conta da revogação do voto de qualidade.

É sabido que os crimes tributários só se consumam após o lançamento definitivo do tributo, assim sendo, isso não ocorre enquanto há discussão na esfera administrativa.

Isso porque, conforme dispõe a Lei n. 8.137/90 a sonegação fiscal é crime material, ou seja, torna imprescindível a lesão ao bem jurídico tutelado, uma vez que sem tal lesão não existiria ilícito penal tributário o que tornaria a conduta atípica na esfera penal.

Portanto, isso ocorrerá, nesse caso, quando o fisco declarar o término do procedimento administrativo fiscal a real existência do tributo inscrevendo-o em dívida ativa, confirmando dessa forma o valor devido pelo agente.

Assim sendo, a decisão que resultou na sanção prevista na Lei n. 13.988 agiu em conformidade com os dispositivos legais, visando a proteção do elo jurídico mais fraco, qual seja, o contribuinte.

Muito embora os órgãos julgadores do Conselho sejam paritários, ou seja, compostos por representantes da Fazenda Nacional e do contribuinte em quantidades iguais, pelo regimento interno do órgão, presidirão as turmas de julgamento sempre os representantes do Fisco. Assim, indiscutível que o voto com maior peso é sempre dado a um conselheiro representante da Fazenda Pública.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais