Gestão privada de parques públicos pode representar riscos, alerta especialista

0

Em publicação no Diário Oficial nesta semana, decreto incluiu o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses,

o Parque Nacional de Jericoacoara e o Parque Nacional do Iguaçu nos planos de gestão privada

O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, o Parque Nacional de Jericoacoara e o Parque Nacional do Iguaçu entraram na lista das unidades de conservação que o governo federal incluiu no Programa Nacional de Desestatização (PND). A inclusão reforça a tendência que vem se delineando no País e deve ganhar velocidade nos próximos anos. 

A inclusão foi recomendada em setembro deste ano pelo Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos determinada em decreto presidencial da última terça (03/12), publicado no Diário Oficial da União. Para o Conselho, as concessões a gestores privados ampliam oportunidades de investimento e criação de emprego. A expectativa é que também melhorem a infraestrutura de serviços.

Um estudo feito pelo Ministério do Meio Ambiente em 2016 apontou que os 67 Parques Nacionais existentes no Brasil teriam potencial para movimentar de R$ 1,6 bilhão a R$ 1,8 bilhão por ano. A cifra poderia chegar a 2,2 bilhões quando consideradas unidades de conservação federais e estaduais. 

Um ponto polêmico da abordagem relativa às unidades de conservação é o fato de que, no caso dos parques, é inevitavelmente esperado que a visitação gere lucro para a concessionária responsável pela gestão. Dessa forma, na prática, serviços de hospedagem e alimentação, lojas de souvenirs e comercialização de pacotes turísticos podem acabar sendo considerados ferramentas de gestão das unidades, revelando um potencial telhado de vidro no processo.    

Para evitar fragilidades, o especialista em Direito do Estado Giuseppe Giamundo Neto, sócio do escritório Giamundo Neto Advogados, observa que é preciso construir marcos que definam com precisão as condições da contratação de serviços. “Mais que isso, que apontem para contrapartidas socioambientais bem-definidas e tangíveis. Com tal cautela, o Brasil tem condições de se tornar uma referência internacional. Ao contrário, negligenciar tal necessidade pode levar a muitos anos de ataques e a reais prejuízos à biodiversidade nacional”, pontua.   

A ideia de transferir a gestão de parques para a iniciativa privada tem se disseminado não apenas no âmbito federal, mas também nas esferas estaduais e municipais. “Esse movimento se dá em um contexto de restrições orçamentárias do Poder Público, em que a busca por soluções alternativas e de novos modelos de administração passa a ser uma necessidade”, diz Giamundo Neto.  

“Por meio de uma concessão comum ou PPP bem modelada, conforme o caso, o Estado é capaz de atrair investimentos, tecnologia e conhecimento especializado para prestar melhores serviços à sociedade. Porém, para que a concessão tenha sucesso, é fundamental que se invista no planejamento, mediante a realização de amplos estudos técnicos, econômico-financeiros e jurídicos, considerando as peculiaridades de cada projeto”, conclui o especialista.

SOBRE A FONTE: Giuseppe Giamundo Neto é Mestre em Direito do Estado pela USP e especialista em Direito Administrativo pela PUC-SP . Sócio do escritório Giamundo Neto Advogados, Tem se concentrado na assessoria de entidades de direito público e privado em questões relacionadas a empreendimentos de infraestrutura. Ministra palestras em workshops e eventos ligados a temas como legislação de licitações e contratações públicas, fiscalização dos tribunais de contas, precificação de obras públicas, gestão jurídica de contratos de infraestrutura e lei anticorrupção. Em 2019, foi recomendado pelo Leaders League em Projects & Infrastructure (2019) e apontado como um dos advogados líderes na área de Construção pela Who is Who Legal Construction 2019.

Julgamento Caso Kiss: para Promotor aposentado não houve dolo no caso da boate Kiss
Clique Aqui e Saiba Mais!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais