Ouvidorias do CNMP e do Senado assinam acordo de cooperação para compartilhamento de boas práticas e de experiências

Acordo também permitirá o compartilhamento de dados, de informações, de tecnologia e de conhecimento

O Conselho Nacional do Ministério Público e o Senado Federal firmaram acordo de cooperação técnica para compartilhar boas práticas, dados, informações, tecnologia, conhecimento e experiências entre as ouvidorias das duas instituições. A solenidade ocorreu nesta terça-feira, 24 de maio, na abertura da 8ª Sessão Ordinária de 2022 do CNMP.

Assinaram o acordo o procurador-geral da República e presidente do CNMP, Augusto Aras; o conselheiro e ouvidor nacional do Ministério Público, Engels Muniz; o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco; o ouvidor-geral do Senado, Plínio Valério; e a diretora-geral do Senado, Ilana Trombka.

O acordo tem por objeto a estruturação e o funcionamento de rede de relacionamento entre as ouvidorias do CNMP e do Senado Federal, e compreende o intercâmbio de informações, a cooperação técnico-científica, a articulação de esforços, a formação de parceria estratégica e a definição de diretrizes comuns, por meio do estabelecimento de compromissos e ações conjuntas, e a viabilização de apoio a ações de atendimento aos cidadãos no âmbito das respectivas ouvidorias.

O presidente do CNMP e procurador-geral da República, Augusto Aras, parabenizou a iniciativa das Ouvidorias Nacional e do Senado Federal. Ele ressaltou a importância da assinatura do acordo “entre instituições afins e que prestam relevantes serviços à sociedade e ao Estado”.

ouvidor cnmp

Ouvidor nacional do Ministério Público, conselheiro Engels Muniz

O ouvidor nacional do Ministério Público, conselheiro Engels Muniz, disse que “o acordo irá reconhecer a relevância do papel das Ouvidorias Nacional e do Senado Federal e permitir a efetivação do Estado Democrático de Direito, na medida em que contribui para a promoção da boa governança e do aprimoramento do seu relacionamento com o cidadão e com a sociedade”.

Engels complementou que o acordo irá “aprimorar o funcionamento das ouvidorias como mecanismo de participação social, promoção de defesa dos direitos humanos, valorização da cidadania e aperfeiçoamento da gestão pública por meio da escuta empática, com integridade e observância dos princípios constitucionais”.

Para o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco, o acordo representa “um marco inicial de longa relação e profícua jornada de cooperação institucional”. Pacheco asseverou que, para que as ações de Estado democrático sejam cada vez mais eficazes, “é preciso tornar a administração pública mais permeável às manifestações da população, que tem o condão de aproximar o cidadão das instituições. Isso cria um capital social. Dar voz ao cidadão é algo positivo ao ambiente democrático porque lhe permite participar da melhoria do serviço público e da construção de políticas mais efetivas”.

Já o secretário-geral do CNMP, Carlos Vinícius Alves Ribeiro, declarou que o acordo possibilitará a criação de uma rede de ouvidorias interligadas às Ouvidorias Nacional do Ministério Público e do Senado Federal. “Ampliamos a nossa base de atendimentos, abrimos mais as nossas portas, principalmente neste momento em que a Ouvidoria Nacional do MP inaugurou um canal específico de ouvidoria para mulheres e que irá inaugurar, em breve, um canal para as vítimas. Como disse o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, essa união entre o CNMP e o Senado promove permeabilidade da população para com as instituições”.

Design sem nome

Ouvidor-geral do Senado Federal, senador Plínio Valério

O ouvidor-geral do Senado Federal, senador Plínio Valério, destacou os números da Ouvidoria em 2021: 41.600 manifestações recebidas de todo o país, sendo 25.094 pelo número 0800 061 2211 e 16.506 por formulário virtual. “O acordo assinado é um passo para ampliar as relações entre as Ouvidorias Nacional do Ministério Público e do Senado Federal e para beneficiar o cidadão, razão dos nossos trabalhos”.

Por sua vez, a diretora-geral do Senado, Ilana Trombka, disse que o objetivo do acordo é fazer uma fusão de conhecimentos e práticas. “Vamos utilizar as boas práticas de que o serviço público dispõe para pode aprimorar ainda mais o atendimento ao cidadão brasileiro”.

Além dos conselheiros do CNMP e do secretário-geral do Conselho, Carlos Vinícius Alves Riberio, prestigiaram o evento o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres; a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Cristiane Rodrigues; o ministro da Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário; o senador Davi Alcolumbre; o chefe da Casa Civil do Distrito Federal, Gustavo Rocha, representando o governador do DF, Ibaneis Rocha; o ministro do Superior Tribunal de Justiça Moura Ribeiro; o desembargador e ouvidor do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, Josafá Dantas; o secretário nacional de segurança pública, Carlos Renato Paim; o procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro, Luciano Mattos; o secretário-geral da Mesa do Senado Federal, Gustavo Saboia; membros do Ministério Público e presidentes de associações de classe, entre outras autoridades.

Veja aqui a íntegra da solenidade.

Quer ficar atualizado das principais notícias da semana? Clique aqui para receber atualizações no seu e-mail!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

LEITURAS RECOMENDADAS

Cassinos no Brasil: da origem aos dias atuais

Quer passar na prova da OAB? Clique aqui para baixar gratuitamente as provas dos últimos 12 anos! Os cassinos no Brasil já foram sinônimo de luxo, poder e diversão. O até hoje famoso hotel Copacabana Palace foi, originalmente, um cassino.

Compliance para startups cresce, mas exige cuidados

Quer fazer cursos gratuitos na área do Direito? Clique aqui e receba atualizações sobre cursos e eventos gratuitos com especialistas em Direito no Brasil! Especialista aponta caminhos para um desenvolvimento sólido A quem acredite que as práticas de Compliance devem