Relação entre Direito e Educação garante aprendizado para todos

0

Por Flávio Belchior *

O futuro de qualquer país começa na sala de aula. Apenas com educação de qualidade para todos, principalmente crianças e adolescentes, é possível formar cidadãos conscientes de suas atribuições e aptos a cobrar melhorias do poder público e da sociedade civil. O problema é que, apesar dessa importância, não são todos os que têm a possibilidade de aprender de forma adequada. Não se trata apenas de ir à escola, mas ter condições de se desenvolver plenamente, com apoio da instituição de ensino e do Estado – e é justamente este ponto que faz a relação entre Direito e Educação ser fundamental atualmente.

Não há dúvidas de que a educação é um bem público que deve ser garantido à população. A Declaração Universal dos Direitos Humanos, elaborada pela Organização das Nações Unidas (ONU), deixa claro que “todo ser humano tem direito à instrução gratuita, pelo menos nos graus elementares e fundamentais”. A Constituição Federal de 1988 aprofunda o tema e vai além. No artigo 6º está explícito que se trata de um direito fundamental de natureza social, enquanto o 205 chega a afirmar que é “um dever do Estado e da família, promovida e incentivada com a colaboração da sociedade”.

Infelizmente, não é o que se vê na prática. Estamos vivendo os dois lados de uma mesma moeda. Por um lado, a matrícula de alunos com necessidades especiais na rede pública de ensino cresceu 34,5% entre 2015 e 2019, chegando a 1,3 milhão no ano passado e com 92,8% do total em classes comuns, de acordo com o Censo Escolar 2019, produzido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). São informações interessantes, sem dúvida, mas em contrapartida o mesmo levantamento mostra que nem a metade das escolas (45,3%) tem banheiros adaptados e só 59,4% utilizam recursos de acessibilidade. Além disso, sequer há dados consolidados no país sobre a utilização do professor de apoio, um recurso previsto em lei para promover a inclusão e auxiliar no processo de aprendizagem.

Esse último exemplo, inclusive, é um direito que a grande maioria dos cidadãos não sabe que existe. Sua função é auxiliar o professor titular a ensinar o conteúdo a estudantes com necessidades especiais, principalmente os que sofrem de algum transtorno de desenvolvimento. Não se trata de um “faz-tudo” que está ali para servir a pessoa, mas sim um profissional capacitado e especializado em técnicas de ensino para esse público, levando em conta suas peculiaridades. A Lei Brasileira de Inclusão criou essa carreira e obrigou as escolas a oferecerem essa solução – algo que nem sempre é cumprido. Sem o apoio dele, a criança com necessidades especiais pode ter dificuldade de assimilar e receber o conteúdo passado em aula, além de lidar com o bullying de colegas.

Para resolver esses pontos, é necessário estreitar o relacionamento entre os profissionais de Direito com os de Educação. Advogados e consultores jurídicos podem atuar, por exemplo, como mediadores entre as escolas públicas e a comunidade, garantindo que as demandas previstas em lei sejam cumpridas pelas instituições, assim como estimular o uso adequado da estrutura por parte da população para que todos possam usufruir de um ensino de qualidade. A atuação conjunta entre as duas áreas também facilita a elaboração de métodos de trabalho pedagógico, além de auxiliar na criação e no debate de políticas públicas que visam ao maior acesso à educação.

Os novos desafios proporcionados pela transformação social a partir da tecnologia exigem que a educação pense, cada vez mais, em soluções interdisciplinares. Não apenas na sala de aula, com a convergência de diversos conhecimentos em um objetivo comum, mas sobretudo na forma como as instituições devem trabalhar e atuar na sociedade. O debate pedagógico não pode mais ficar restrito aos professores e coordenadores, mas incluir especialistas de diversas áreas de conhecimento. No caso jurídico, é a forma de garantir que esse direito fundamental possa, finalmente, estar acessível a todos os brasileiros.

* Prof. Flávio Belchior é advogado empresarial, Mestre em Ciências Contábeis e Atuariais. Coordenador do Curso de Pós-graduação Lato Sensu na área de Direito, no Centro Universitário Salesiano de São Paulo – UNISAL. Especialista em Direito Tributário, Direito Educacional e Pedagogia Empresarial.

SOBRE O UNISAL:

O Centro Universitário Salesiano de São Paulo está presente na área educacional desde 1952 e há mais de 20 anos com a marca UNISAL. Conta com Unidades em Americana, Campinas, Lorena, Piracicaba, São Paulo e também a Unidade Virtual/EAD, oferecendo Cursos de Graduação, Pós-Graduação Lato Sensu e Stricto Sensu e Extensão.  A Instituição integra as 93 Instituições Universitárias Salesianas (IUS) presentes em 21 países na América, Europa, Ásia, África e Oceania: www.unisal.br

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais