Telemedicina regulamentada no pós-pandemia: o que é preciso?

0

Escrito por Caroline Cavet, advogada 

A Telemedicina pode soar como um conceito do mundo moderno, todavia, há relatos muito antigos sobre ela, inclusive durante a Idade Média. Para citar um exemplo mais tangível, a simples troca de cartas entre médico e paciente, com o intuito de acompanhar casos de saúde, já era uma forma de atendimento remoto.

A denominação foi utilizada pela primeira vez em 1906, por William Einthoven, inventor da eletrocardiografia, mas foi apenas nas décadas de 80 e 90 que o formato começou a se popularizar com a ampliação de tecnologias, principalmente a internet. Atentando-se à nova realidade, em 2002, o Conselho Federal de Medicina (CFM) publicou uma resolução (1.643/2002) básica sobre o assunto, o que gerou debates relevantes, mas sempre com alguma resistência.

Com a situação de calamidade pública no Brasil, em razão da alta disseminação do coronavírus, o setor da saúde precisou encontrar saídas para que o paciente não precisasse sair de sua casa, minimizando assim os impactos causados pela doença. Foi então que o país encarou a Telemedicina como uma alternativa séria e ética para cobrir esta lacuna.

Para tanto, foi promulgada a Lei 13.989/2020 que regulamenta o uso, de forma ética, da Telemedicina enquanto durar a pandemia; após este período, uma nova discussão sobre a sua regulamentação deverá ser encarada pelo Governo Federal, Conselho Federal de Medicina e outros órgãos de competência médica e jurídica.

O atendimento remoto, no contexto da Medicina, já é uma realidade irreversível nesse “novo normal”, justamente por proporcionar o acesso facilitado à saúde aos pacientes que não precisam se deslocar para obter atendimento.

A Telemedicina pode ser empregada como forma de assegurar o direito social à saúde, previsto pela Declaração Universal dos Direitos Humanos, e oferecer serviços médicos que, de outro modo, não estariam acessíveis; além de auxiliar na redução de custos operacionais, facilitar o acesso a diagnóstico especializado e em tempo real, ampliar a cobertura de serviços e minimizar o tempo de espera para atendimento.

A despeito de todos os benefícios, existem os aspectos negativos, como a despersonificação na relação médico-paciente; mau uso e exposição de informações sensíveis (dados pessoais, prontuários, consultas, exames, diagnósticos etc.) e o elevado investimento em tecnologia.

Nesse contexto, em um cenário pós-pandemia, na área da Medicina brasileira, será preciso o debate sobre políticas de cunho ético e normativo que visem à regulamentação da Telemedicina, o que permitirá a minimização de riscos e danos aos envolvidos e promoção do acesso à saúde de forma plena e correta.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais