Licitação na Modalidade Pregão: na fase dos lances verbais a disputa entre os licitantes cinge-se ao preço

0

A licitação sob a modalidade pregão, consolidada na edição da Lei 10.520/2002, por certo, ocasionou celeridade aos trâmites do procedimento licitatório (precipuamente tendo em vista a inversão de fases do certame), bem como permitiu maior disputa entre os licitantes e, não raro, economicidade ao erário, tendo em vista a possibilidade dos licitantes apresentarem lances verbais, a partir da proposta de menor preço.

Especificamente no que se refere à apresentação dos referidos lances verbais, é conveniente destacar que a disputa entre os licitantes cinge-se ao preço, vale dizer, ao conteúdo econômico da proposta apresentada, partindo-se daquela de menor valor.

Mas, quando o licitante concorre ao lance, não está, com isso, vinculando-se ao conteúdo da proposta escrita de seu concorrente.

Assim por exemplo, imaginemos que a Administração pretenda adquirir equipamentos de informática, tendo definido as especificações do objeto, sem indicar marca ( o que guarda consonância com a lei), mas solicitando que o licitante defina, em sua proposta, a marca do equipamento cotado.

Pois bem, neste caso, o licitante, indicando marca do equipamento para o qual apresenta sua oferta, vincula-se ao conteúdo de sua proposta, obrigando-se a entregar o bem daquela marca.

Veja que a proposta ofertada vincula as partes contratantes, à luz do art. 54, §1º da Lei nº 8.666/93, de tal sorte que a entrega de produto diverso do efetivamente cotado, pode ensejar a rescisão do ajuste, na forma do art. 78, inc. I, desse diploma legal.

A respeito, pondera Jessé Torres Pereira Júnior:

“A regra da proibição à indicação de marca não impede a exigência, lançável em ato convocatório, de o licitante explicitar, em sua proposta, a marca do produto que está a cotar. Nenhuma a vedação na lei a tal respeito. A exigência é legítima porque propicia à Administração verificar, quando do acompanhamento da execução do contrato, como de seu dever (arts. 58, III, e 67 e segs.), se o contratado emprega na execução da obra ou do serviço os materiais que especificou em sua proposta, posto que a esta está vinculado (art. 54, §§1º e 2º), impondo-se à Administração determinar os reparos e substituições, ou proceder à rejeição, do que houver sido executado em desacordo com o especificiado, incluindo os materiais empregados (arts. 69 e 76)” (Comentários à Lei das Licitações e Contratações da Administração Pública, Renovar, 6ª ed.,, 2003, p. 134).

Vale dizer, ainda que o edital não exija marca, uma vez que a licitante consigne, em sua proposta, a marca do equipamento que está cotando, a ela se vincula e é este o equipamento que deverá ser entregue.

Dita exegese não resta afastada no caso de licitação sob a modalidade pregão. Por certo, os dispositivos legais acima mencionados aplicam-se à esta  modalidade, à luz dos comandos do art. 9º da Lei 10.520/2002.

Logo, cada licitante concorre dentro dos limites de sua proposta escrita.

Como bem afirma Marçal Justen Filho:

“Será ignorada proposta condicionada ao conteúdo da oferta dos concorrentes. Qualquer cláusula nesse sentido será reputada inexistente. Proposta desta ordem não é seria e efetiva”  (Comentários à Lei de Licitações e Contratos Administrativos, 5ª ed., Dialética, p. 415).

A peculiaridade afeta à modalidade pregão, que permite a disputa de preço a partir da proposta de menor valor, derroga, a nosso ver, apenas parcialmente essa assertiva, porquanto não se estende às especificações das ofertas escritas. Em outras palavras: a empresa se baseia apenas nos valores da oferta de seu concorrente para, querendo, diminuir o preço de sua própria proposta. Não passa a ser, portanto, signatária do conteúdo da proposta de seu concorrente.

Reiteramos: a empresa está vinculada à oferta que apresentou no certame. Esta é a inteligência do art. 54, §1º da Lei de Licitações.

Recorrendo, novamente, aos ensinamentos de Jessé Torres Pereira Júnior, na obra mencionada, assim reforçamos nossa tese:

“Vale dizer que o ato convocatório e a proposta vinculam o contrato que se lhes seguirá, tanto para a Administração contratante, que não poderá inovar em suas cláusulas, quanto para a empresa contratada, que não se poderá esquivar de atender aos termos da convocação e de sua própria proposta” (p. 558).

As especificidades atinentes à esta nova modalidade licitatória, que mitigariam os efeitos da parte final do art. 44, §2º da Lei 8.666/93 ( uma vez que, nos lances, as empresas baseiam-se no preço de seus concorrentes), não pode ser invocada no que tange às demais especificações das ofertas.

Em suma, as peculiaridades que norteiam os trâmites do pregão, a nosso ver, não legitimam que a empresa vencedora pretenda entregar o equipamento cotado por seu concorrente, com quem disputou o preço, na fase dos lances verbais.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Gisele Clozer Pinheiro Garcia

 

Advogada militante no campo do Direito Administrativo, tendo iniciado a carreira em renomada empresa de consultoria jurídica nesta área, posteriormente trabalhado em escritório, advogando para empresas participantes de licitações e, atualmente, assessora da diretoria jurídica da Cohab/Campinas.

 


 

Julgamento Caso Kiss: para Promotor aposentado não houve dolo no caso da boate Kiss
Clique Aqui e Saiba Mais!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais