Acerca do novo entendimento sobre dependentes previdenciários, disserte sobre a questão dos filhos e irmãos: perda da qualidade de dependente em decorrência da emancipação

0

É sabido por todos que, todo o processo de evolução da previdência social fora fruto de árduas batalhas travadas pelas classes menos favorecidas e, em meio à Revolução Industrial atrelada à crise econômica e à escassez de trabalho, os trabalhadores ansiavam por melhores condições de trabalho bem como por proteção aos riscos e aos infortúnios da vida, o que alterou a postura estatal em face às políticas públicas em da face justiça social, autora do bem-estar geral.

Desse modo, após várias lutas pelo reconhecimento dos chamados direitos sociais (direitos da segunda geração ou dimensão), nasce então a Seguridade Social[1], alicerçada ao princípio da universalidade da cobertura e do atendimento e da solidariedade, gênero das espécies: saúde, previdência social e assistência social. Pois, nem a sociedade e nem o Estado podem deixar o indivíduo desamparado a mercê dos riscos sociais[2].

Com a criação do Sistema da Seguridade Social de cunho protetivo, pois seu objetivo maior é a proteção que a sociedade garante ao indivíduo, na ocorrência de determinado evento futuro e incerto, que pode ensejar perda patrimonial à família do trabalhador.

Assim, baseia-se a previdência social, também no princípio da justiça social e no dever da sociedade organizada e do Estado, a garantia a todo indivíduo (segurado) meios de subsistência para o mesmo, bem como para seus dependentes, quando aquele é atingido pelas consequências dos riscos sociais. Nesta esteira, a previdência social oferece um plano de benefícios que protege não só o segurado, como também sua família, contra perda salarial, temporária ou permanente.

Como dito alhures, a previdência social não ampara apenas o trabalhador (segurado direito), mas de igual maneira todos os seus dependentes (segurados indiretos), por meio do princípio da solidariedade, da universalidade da cobertura e do atendimento.

Desta maneira, o filho não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 (vinte e um) anos ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental que o torne absoluta ou relativamente incapaz, assim declarado judicialmente (art. 16, I, da Lei nº 8.213/91) e o irmão não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 (vinte e um) anos ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental que o torne absoluta ou relativamente incapaz, assim declarado judicialmente (art. 16, III, da Lei nº 8.213/91), são consideradas dependentes do segurado do RGPS, fazendo, desse modo, jus à prestação ou a um serviço da Previdência Social.

Menciona-se que as partes em destaque dos mencionados incisos do artigo 16 da Lei nº 8.213/91, incluídas pela Lei nº 12.470, de 31 de agosto de 2011, em que acrescenta como dependente do segurado, ao lado dos filhos e irmãos inválidos, aqueles portadores de deficiência intelectual ou mental que causar incapacidade (relativa ou absoluta), veio adequar a lei especial à Convenção de Nova Iorque sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (art. 1), ratificada pelo Brasil, vejamos: “pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas”.

Todavia, com a nova redação dada aos incisos do referido artigo, leva-se a seguinte indagação: a interdição civil passará ser obrigatória como início de prova documental para a comprovação da dependência econômica ou como demonstração de invalidez?

Importante destacar que, o filho faz parte dos dependentes considerados de primeira classe ou preferenciais, sua dependência econômica é presumida e, a existência desse dependente exclui o direito às demais classes. Já o irmão é dependente de terceira classe e sua dependência deve ser comprovada.

Agora, o filho e irmão emancipados, perderão a qualidade de dependentes, haja vista, ser a emancipação requisito que cessa a menoridade ou incapacidade civil, conforme elenca o artigo 5º do Código Civil de 2002. Contudo, caso seja, a emancipação proveniente de colação de grau científico em curso de ensino superior e a união estável entre os dezesseis e antes dos dezoito anos de idade não institui causa de emancipação, ou seja, de perda da qualidade dependente.

 

Referências
CARDOSO, Oscar Velente. Dependentes dos segurados no RGPS: alterações da Lei nº 12.470/2011. Jus Navigandi, Teresina, ano 16, n. 3012, 30 de set. 2011. Disponível em <htttp://jus.com.br/revista/texto/20088>. Acesso em 05 mar. 2012.
DUARTE, Marina Vasques. Beneficiários: Segurados e Dependentes do RGPS. REVISTA DE DOUTRINA DA 4ª REGIÃO. PUBLICAÇÃO DA ESCOLA DA MAGISTRATURA DO TRF DA 4ª REGIÃO EMAGIS. Disponível em: <http://www.trf4.jus.br/trf4/upload/arquivos/emagis_atividades/modulo3_caderno2.pdf>. Acesso em 11.01.2012. Material da Aula 2ª da Disciplina: Teoria Geral dos Benefícios Previdenciários, ministrada no Curso de Pós-Graduação Televirtual de Direito Previdenciário – Anhanaguera-Uniderp I Rede LFG, 2012.
EDUARDO, Ítalo Romano; EDUARDO, Jeane Tavares Aragrão. Direito Previdenciário Benefícios. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.
IBRAHIM, Fábio Zambitte. Curso de Direito Previdenciário. 15. ed. Rio de Janeiro: Impetus, 2010.
 
Notas:
 
[1] Nas palavras de Zambitte, a seguridade social pode ser definida como: “a rede protetiva formada pelo Estado e por particulares, com contribuições de todos, incluindo partes dos beneficiários dos direitos, no sentido de estabelecer ações para o sustento de pessoas carentes, trabalhadores em geral e seus dependentes, providenciando a manutenção de um padrão mínimo de vida digna”, ver Fábio Zambitte Ibrahim, in Curso de Direito Previdenciário, 15. ed. Rio de Janeiro: Impetus, 2010, p. 6.
[2] Os ricos sociais protegidos pela previdência social são: acidentes, morte, velhice, deficiência, maternidade, reclusão e desemprego.

Informações Sobre o Autor

Fabiana Rodrigues Gonçalves

Bacharel em Direito pela Faculdade de Caldas Novas – UNICALDAS e pós-graduanda em Direito Previdenciário pela Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes – LFG em parceria com Universidade Anhanguera-Uniderp


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais