Do cancelamento administrativo realizado pelo INSS nos benefícios previdenciários por incapacidade concedidos judicialmente

0

Resumo: O presente artigo traz de forma sucinta os principais pontos referentes à impossibilidade do cancelamento administrativo pelo INSS dos benefícios previdenciários por incapacidade que são concedidos na via judicial, de forma a contribuir para um maior entendimento, reflexão e avanço sobre o assunto.

Palavras-chaves: Previdenciário. Benefícios. Incapacidade. Cancelamento Administrativo. Impossibilidade.

Abstract: This paper presents briefly the main points concerning the impossibility of canceling administrative INSS of disability claims that are granted in the courts, in order to contribute to a greater understanding, reflection and advancement on the subject.

Keywords: Social Security. Benefits. Disability. Administrative cancellation. Impossibility.

Sumário: Introdução. 1. Poder de autotutela do INSS. 2. Fundamentos para o não cancelamento administrativo. 3. Conclusão. 4. Referências Bibliográficas.

Introdução

Dentre as prestações previdenciárias pagas pelo INSS aos segurados estão à aposentadoria por invalidez e o auxílio-doença, benefícios por incapacidade que possuem natureza nitidamente precária, ou seja, serão mantidos enquanto houver incapacidade para o trabalho. Não sendo reconhecida a incapacidade para o trabalho pelo INSS, o segurado procura o judiciário para ver o seu direito ao benefício reconhecido.

Assim, da sentença judicial que concede o benefício e da qual não cabe mais recurso opera-se a coisa julgada, o que torna a decisão indiscutível e imutável segundo o que dispõe os artigos 467 e 468 do CPC[1].

Diante da instabilidade dos benefícios previdenciários por incapacidade e da coisa julgada, a decisão judicial que os concede torná-los-ia definitivos? Claramente a resposta é negativa, pois, o Poder Judiciário apenas concede de forma definitiva uma prestação provisória na medida em que ela é devida (SAVARES, 2012).

Ainda, indaga-se: poderia o INSS convocar o segurado para perícia médica e rever unilateralmente essa decisão ao constatar a recuperação de sua capacidade laboral, cancelando o benefício, através do que ficou conhecido como rescisória administrativa?

1 Poder de autotutela do INSS

Diante da precariedade dos benefícios previdenciários por incapacidade, seus titulares devem obrigatoriamente submeter-se a avaliações médicas periódicas a cargo do INSS sob pena de suspensão do benefício, conforme determina o art. 101 da Lei 8.213/91:

“ Art. 101. O segurado em gozo de auxílio-doença, aposentadoria por invalidez e o pensionista inválido estão obrigados, sob pena de suspensão do benefício, a submeter-se a exame médico a cargo da Previdência Social, processo de reabilitação profissional por ela prescrito e custeado, e tratamento dispensado gratuitamente, exceto o cirúrgico e a transfusão de sangue, que são facultativos”.

Em contrapartida, essas avaliações médicas periódicas resultam do poder de autotutela da autarquia, ou seja, do seu direito-dever de convocar o segurado a submeter-se a perícia médica para que possa constatar se a incapacidade para o trabalho se mantém, conforme determina o art. 71, da Lei 8.212/91.

Ainda, o parágrafo único do citado artigo dispõe que: “(…) será cabível a concessão de liminar nas ações rescisórias e revisional, para suspender a decisão do julgado rescindendo ou revisando, em caso de fraude ou erro material comprovado”.

Depreende-se, portanto, que a legislação atribui ao judiciário o poder de cancelar o benefício por ele concedido, devendo o INSS valer-se da ação rescisória ou revisional.

Logo, é positiva a resposta para a primeira parte da pergunta objeto do presente artigo, ou seja, o INSS pode e deve convocar o segurado para avaliações médicas periódicas, com o fim de verificar se a incapacidade persiste, sem que faça uso de ação judicial para tanto.

2 Fundamentos para o não cancelamento administrativo

Como vimos, a decisão judicial transitada em julgado que concedeu o benefício incapacitante faz coisa julgada nos molde da lide e esta concessão não é definitiva já que se trata de prestação precária.

Importante frisar que tais benefícios em estudo possuem relação jurídica continuativa e, assim sendo, a legislação processual possibilita a revisão do que foi estatuído na sentença caso tenha ocorrido modificação no estado de fato ou de direito nos termos do art. 471, I do CPC, vejamos:

“Art. 471. Nenhum juiz decidirá novamente as questões já decididas, relativas à mesma lide, salvo: I – se, tratando-se de relação jurídica continuativa, sobreveio modificação no estado de fato ou de direito; caso em que poderá a parte pedir a revisão do que foi estatuído na sentença”.

Logo, para que o INSS possa cancelar o benefício por incapacidade concedido judicialmente deve pedir a revisão da decisão judicial na forma determinada pelo artigo 471, I do CPC e demonstrar a modificação superveniente no estado de fato ou de direito do segurado e, ainda, nos termos do parágrafo único do art. 71 da Lei 8.212/91 deve utilizar-se da ação revisional para tanto, a exemplo das ações alimentícias.

Assim já se posicionou o Supremo Tribunal Federal vejamos:

 “PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ CONCEDIDA JUDICIALMENTE. CANCELAMENTO NA VIA ADMINISTRATIVA. IMPOSSIBILIDADE. AÇÃO REVISIONAL. IMPRESCINDIBILIDADE. ART. 471, I, DO CPC. PARALELISMO DAS FORMAS. RECURSO ESPECIAL A QUE SE NEGA PROVIMENTO. 1. Deferida a aposentadoria por invalidez judicialmente, pode a autarquia previdenciária rever a concessão do benefício, uma vez tratar-se de relação jurídica continuativa, desde que por meio de ação judicial, nos termos do art. 471, inciso I, do Código de Processo Civil, e em respeito ao princípio do paralelismo das formas. 2. Recurso especial a que se nega provimento. (REsp n.º 1.201.503/RS – Rel. Min. Maria Tereza de Assis Moura, j. 19.11.2012”. (grifo nosso)

3. Conclusão

Em face a todo o exposto, concluímos que o INSS possui o dever-poder legal de convocar os segurados que recebem benefícios previdenciários por incapacidade para avaliações médicas periódicas.

Em resposta à segunda parte da indagação inicial, concluímos também que não é dado à autarquia previdenciária o poder de rever unilateralmente os benefícios por incapacidade concedidos pelo Poder Judiciário, sendo imprescindível o ajuizamento de ação revisional, sob pena de violação à coisa julgada, a exemplo do que ocorre nas ações revisionais alimentícias, visto tratarem de relação jurídica continuativa.

 

Referências
COSTA MACHADO, Antônio Cláudio da. Código de processo civil interpretado e anotado: artigo por artigo, parágrafo por parágrafo. 4ª ed. Barueri –SP: Manole, 2012.
SAVARIS, José Antônio. Direito processual previdenciário. 4ª ed. Curitiba: Juruá, 2012.
SODERO VICTÓRIO, Rodrigo Moreira. Processo Previdenciário. São Paulo; 2012. Apostila do curso de MBA Previdenciária. Faculdade Legale.
BRASIL. Supremo Tribunal Federal. REsp n.º 1.201.503/RS. Disponível em: <https://ww2.stj.jus.br/websecstj/revistaeletronica/ita.asp>. Acesso em: 27.05.2013.
 
Nota:
 
[1] Art. 467 – Denomina-se coisa julgada material a eficácia, que torna imutável e indiscutível a sentença, não mais sujeita a recurso ordinário ou extraordinário.
Art. 468 – A sentença, que julgar total ou parcialmente a lide, tem força de lei nos limites da lide e das questões decididas.

Informações Sobre o Autor

Márcio Robert de Souza Ramos

Advogado formado pela Universidade São Francisco – USF. Pós-graduado em Direito Previdenciário pela Faculdade Legale. Cursando MBA Previdenciária na Faculdade Legale. Membro da Comissão de Prerrogativas da 16ª subsecção da OAB/SP


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais