Kant e a concepção iluminista da razão

0

Resumo: Baseado na obra “O que é Iluminismo” de Kant, este trabalho busca analisar o Iluminismo como saída do homem de um estado de menoridade que deve ser imputado a ele próprio, atendo-se principalmente as dificuldades que o ser humano enfrenta no seu caminho para a maioridade, tais qual a preguiça e a vileza. O presente trabalho também busca estabelecer um paralelo comparativo entre a realidade em que o texto analisado foi escrito e a realidade dos dias atuais, que já de antemão afirmo em muito diferem, porém também em muito se parecem.[1]

Palavras-chave: Kant; iluminismo; razão.

Abstract: Based on the book "What is Enlightenment" Kant, this work analyzes the output of the Enlightenment as a man of minority status to be attributed tohimself, sticking mainly to the difficulties humans face in their path to adulthood,such that laziness and cowardice. This work also seeks to establish a parallelcomparison between the reality in which the analyzed text was written and the reality of today, who have much say in advance differ, but also much resemble.

Keywords: kant, enlightenment; reason.

Sumário: 1. Introdução; 2. O conceito de menoridade; 3. A razão como meio de sair da menoridade; 4. Dificuldades enfrentadas; 5. Conclusão. Referências.

INTRODUÇÃO

 No texto base deste trabalho “O que é o Iluminismo?”, Kant revela a ideia iluminista  da existência de possibilidade de o homem seguir por sua própria razão, sem deixar enganar pelas crenças religiosas, tradições e opiniões alheias. Ilustração aí seria "a saída do homem de sua menoridade", ou seja, um momento em que o ser humano se torna consciente da força e inteligência para fundamentar a sua própria maneira de agir, sem a doutrina ou tutela de outrem.

Sapere aude! Sirva-se do seu próprio pensamento! É assim, com a coragem de vencer o medo, a preguiça e a covardia, gerados pela difusão de preconceitos que servem de rédeas para a grande maioria, que o homem consegue sair de uma situação de menoridade em que ele próprio se coloca.

É difícil para o Iluminista pregar uma liberdade racional, num contexto em que por todos os lados a população tem sua liberdade cerceada e é direcionada a não raciocinar, por isso poucos são os que pensam por si. E hoje? Será que no contexto atual seria mais fácil pregar esse abandono à menoridade culpada? Ou já vivemos em uma época já esclarecida?

Vivemos num período de globalização em que as influências são muitas e com um poder manipulador cada vez maiores, a tarefa iluminista de atuar livremente nesse bombardeio de opiniões torna-se árdua. Se por um lado conquista-se a cada dia maior liberdade de pensar, por outro esse processo de globalização busca limitar essa liberdade, com a imposição de padrões.

2. O CONCEITO DE MENORIDADE

O que é menoridade? Uma condição cronológica? Quais os critérios para saber se o individuo é ou não maior? O conceito é bem abrangente, mas aqui será delimitado á ideia Kantiana, menoridade é então seria a incapacidade de se servir da razão, do entendimento sem necessitar da tutela, ajuda de outras pessoas. Sair da menoridade é pensar com autonomia segundo a qual o homem coloca para si mesmo o que ele é e, portanto, o que deve fazer e conhecer para ser efetivamente tal como deve ser, ser efetivamente o que já é em potência.

Tomemos como exemplo disso o que Kant nos diz sobre as leis de um dado povo: “a pedra de toque de tudo o que se pode decretar como lei sobre um povo reside na pergunta: poderia um povo impor a si próprio essa lei?” Sim, e isso somente significa que a autonomia da razão permite a conquista da liberdade, a qual é aquilo que, de modo autônomo se havia decidido ser efetivamente; A ação livre é então aquela que está em conformidade com uma autonomia prévia, ou seja, que não a contradiz.

Kant determina a causa dessa menoridade como a falta de decisão, de coragem do próprio sujeito. A menoridade é por culpa do próprio sujeito minimizado que se deixa abater pela preguiça, o comodismo e a covardia que são cada vez mais comuns até mesmo nos dias atuais, revelando que Kant constrói uma idéia, mesmo cerca de 230 anos atrás, bastante atual. Essa situação cômoda e minoritária ainda é facilitada pela existência de pessoas, tutores que se utilizam do comodismo da maioria para lucrar cada vez mais, determinando como devem agir, falar, comer e enfim como devem viver.

Tutores como a religião, a mídia, as ideologias, que fazem com que o cidadão não consiga pensar além do que lhe é apresentado. Eles limitam os seres humanos numa ditadura estética, econômica, religiosa e cultural, destinando-lhes preceitos e fórmulas que só o aprisionam cada vez mais. É valido ressaltar também que essa minoridade é um vício de longa data do qual, tornou-se hábito e portanto de difícil reversão, mesmo que o homem consiga se desprender, o salto dado será mínimo e a tentação ao retorno imensurável. Com base nisso é que também se pode inferir que são pouquíssimos os que atingem a maioridade visto que para isso é necessário ultrapassar o banal e amadurecer.

3.RAZÃO COMO VÁLVULA DE ESCAPE

Mas então como se desprender dessa minoridade? Como alcançar a maioridade? Como pensar por sozinho?

“Mesmo vivendo em um mundo obcecado pelo consumo rotular, é possível buscar o esclarecimento. Até nas atividades cotidianas pode-se encontrar o esclarecimento. Para um individuo que se acostumou com a condição de menoridade, a saída desta não é fácil, nem impossível” (KANT 1985, p. 102).

Por meio da razão, do entendimento, da ilustração para qual nada mais se exige do que a liberdade, só o uso público da razão, que ocorre com a liberdade, pode realizar o esclarecimento. O esclarecimento só pode ser encontrado com a liberdade exercida com o uso público da razão. A liberdade é então elemento essencial para o encontro do esclarecimento. E essa liberdade num conceito de liberdade jurídica, que é a faculdade do cidadão de só obedecer as leis externas às quais ele pôde dar assentimento (BOBBIO, 2004, p. 100).

O homem iluminado destaca-se da natureza como algo diferente dela Essa diferença é declarada uma superioridade, de modo que o homem pode, desde essa sua diferença constitutiva, lançar seu domínio sobre a natureza. Sem desviar-se da moralidade: pois tal dominação visa ao bem do homem.

 Deixar de lado os tutores e caminhar com os próprios pés, transformar as potencias que se possui em atos, sem ser guiado por ditames religiosos, midiáticos, econômicos e ideológicos.

4.DIFICULDADES ENFRENTADAS

O medo, a preguiça, a covardia, o comodismo e ainda a existência de tutores são os principais obstáculos segundo Kant para que se chegue á Ilustração. Nos dias atuais não podemos mais sistematizar as formas de ensino como a dez ou vinte anos atrás, as relações mudaram e é necessária uma revisão nos princípios que movem a sociedade afim de que se acompanhe a dinâmica social. Não se pode, hoje, pensar um Brasil sem a massificação da mídia que aqui existe, considera-se a TV como meio de alienação e manipulação, uma vez que persuade, ilude, manipula e convence as pessoas. A facilidade do acesso á informação, principalmente pela internet, gerou um comodismo que definitivamente se instalou na cultura brasileira.

A mídia pode tanto eleger um candidato quanto ditar padrões de comportamento. A influência da mídia é total, desde roupas até a desagregação de valores essenciais à vida em sociedade. O brasileiro se baseia principalmente na televisão, que é capaz de influenciar até mesmo na hora da decisão profissional.  Também os padrões de beleza são definidos pelas propagandas na TV e em revistas. È uma mídia que bombardeia todas as pessoas, independentemente da idade, com muitas informações, de forma que, o indivíduo chega até mesmo a esquecer de sua individualidade e a natureza da beleza. Os resultados desta forte influência são o comodismo e o não raciocinar por si mesmo, é justamente o que Kant há séculos atrás denominou de menoridade.

 No mundo contemporâneo, o homem é vítima dos sistemas, os quais determinam o que ele deve consumir, o que deve fazer, como deve se portar. São esses sistemas que determinam a moda e o que está “dentro” e “fora” dela.

5.CONCLUSÃO

Por fim, o homem não pode renunciar ao esclarecimento, já que é é um direito sagrado da humanidade, sequer é aceitável um governo representativo no qual um governante decide sobre o esclarecimento de seu povo.

“Um homem, para a sua pessoa, e mesmo então só por algum tempo, pode, no que lhe incumbe saber, adiar a ilustração; mas renunciar a ela, quer seja para si, quer ainda mais para a descendência, significa lesar e calcar aos pés o sagrado direito da humanidade”. [KANT, 1988, pg.5]

Vivemos nós agora numa época esclarecida? Não. Mas acredita-se ser esta uma época do Iluminismo, ainda falta muito para que os homens tomados encontrem um meio de se servirem bem e com segurança do seu próprio entendimento, sem a orientação de outrem, principalmente em questão de religião. Arrisco afirmar que essa época ou sociedade esclarecida é utópica, principalmente quando se deparar com a realidade atual em que o comodismo e a busca pelo fácil e pela reprodução – não criação- do pensamento parecem ter definitivamente se instalado.

 

Referências
BOBBIO, N. A era dos direitos. 9. ed. (Trad.) Regina Lyra. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.
KANT, I. Textos Seletos. 2. ed. (Trad.) Floriano de Souza Fernandes. Petrópolis: Vozes, 1985.
______. A paz perpétua e outros opúsculos. (Trad.) A. Mourão. Lisboa: Edições 70, 1988.

Nota:
[1] Trabalho orientado pelo Prof. Dr. Nelson Juliano Cardoso Matos

Informações Sobre o Autor

Joel Coelho Ferreira Portela

Acadêmico de Direito na Universidade Federal do Piauí. Membro do núcleo de pesquisa sobre direito, democracia e republicanismo-República coordenado pelo Doutor Nelson Juliano Cardoso Matos. Membro do Grupo de Pesquisa e Extensão sobre Direitos Humanos e Cidadania-DiHuCi, subgrupo de estudos Socioambientais, coordenado pela Doutora Maria Sueli Rodrigues. Bolsista em Iniciação Científica Voluntária (ICV) pela Universidade Federal do Piauí, com a linha de pesquisa centrada no tema Judicialização da Política


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais