Concurso público e a falácia dos atalhos

0

Resumo: Frente a quem entende que todas as artimanhas e/ou fórmulas mágicas para aprender não constituem um mal consentido diremos simplesmente que é inútil pretender alcançar um fim difícil por meios fáceis.

“El primer principio es que no debes engañarte a ti mismo, y tú eres la persona más fácil de engañar.”  RICHARD P. FEYNMAN

Imaginemos, por um momento, a seguinte situação. Um indivíduo que se prepara para concurso fala com um velho professor:

– Professor, quero perguntar-lhe uma coisa. O senhor acredita que um curso preparatório me dará a aprovação em um concurso?

– Aprovação? – respondeu dubitativo o velho Mestre -. Não, não creio que nenhum curso preparatório possa dar-te a aprovação. Observe a quantidade de gente que faz esse tipo de curso ou que leva anos fazendo e não consegue aprovar. Pura cosmética.

– E ver vídeos ou aulas on-line? – insistiu o sujeito.

– Vídeos, aulas on-line? Não, também não creio. O que mais pode dar-te é algo de entretenimento, uma forma de passar o tempo e, com sorte, alguma informação útil. Seria como se alguém pretendesse aprender tudo sobre as zebras assistindo os documentários da National Geographic. Curiosa falácia.

– E “turbinar” meu cérebro, professor?

– “Turbinar” o cérebro?  Não, eu nunca vi um “cérebro turbinado”. Uma caprichosa fantasia.

O indivíduo, cansado, diz:

– Bem, professor, lhe agradeço pelos conselhos. Creio que a partir de agora vou tentar outros “métodos”: redobrar meus esforços e dedicação pessoal, comprometer-me ativamente com meus estudos e tentar semear meus conhecimentos lendo e estudando por bons livros.

O velho Mestre sorriu e lhe disse:

– Claro, se te comprometes e semeias… se te esforças e semeias, já é outra coisa.

A realidade é que a balsâmica ilusão dos atalhos só existe por culpa de nossa desesperação por encontrar respostas fáceis para grandes problemas, por culpa de nossa necessidade coletiva de soluções rápidas e eficazes, por culpa de nosso irremediável desejo de descobrir meios simples para fins complexos, por culpa de nossa tendência a crer qualquer coisa quando nos anima a esperança de uma satisfação qualquer, por culpa da fenomenal credibilidade que entre o grande público (o espírito do rebanho) alcançou a indústria do “sucesso garantido”… Parece que estamos igualando o fanatismo da fé ao fanatismo do êxito.

Frente a quem entende que todas as artimanhas e/ou fórmulas mágicas para aprender não constituem um mal consentido, diremos simplesmente que é inútil pretender alcançar um fim difícil por meios fáceis. Só é preciso um pouco de sentido comum para ver que as melhores lições costumam ser as mais difíceis. Daí a necessidade de afrontar firmemente a desagradável responsabilidade (a) de não aceitar as opiniões dos que propõem tomar o caminho mais fácil do aprendizado e se orgulham de estar tão “atualizados” que podem transmitir e ensinar, de forma rápida, todo tipo de lixo intelectual; (b) de rechaçar resolutamente as promessas de todos aqueles que pensam que sabem mais do que de fato sabem, que não dispõem da humildade intelectual necessária para reconhecer e saber valorar a enorme quantidade de informação que lhes resulta impossível obter e que não sentem nenhuma necessidade de questionar continuamente os limites do próprio conhecimento. Já sabem: “A ignorância costuma engendrar maior confiança que o conhecimento” (Charles Darwin). 

Por mais atenção e tempo que exija, é sempre mais produtivo e eficaz insistir em estudar por livros que estejam à altura dos critérios de rigor intelectual cada vez mais exigente dos concursos públicos. Abandonar a ideia de estudar por meios que nos resultem mais fáceis e menos complexos é o primeiro passo para tornar-se um candidato mais competente e preparado. Tudo aquilo que requer esforço e perseverança é, neste sentido, difícil,  e, portanto, é algo que nos faz melhor. 

Ademais, o bom conhecimento gerado por um aprendizado significativo ou prática deliberada é um logro, uma atividade ou tarefa na qual, além de constante prática, o indivíduo há de estar presente e de experimentá-la (ativamente) em primeira pessoa. Somente por meio da experiência concreta de estudar, focando nossa atenção e praticando de forma repetida é que poderemos influir eficazmente no modo em que os conhecimentos adquiridos irão cambiando e modelando o substrato neural de nossos pensamentos, de nossa memória e de nosso aprendizado. Um tipo de conhecimento que não se pode realizar e adquirir de forma repentina, quer dizer, que somente adquire uma base segura e sólida ao longo de um incessante e ativo processo de aprendizagem. Com calma, mas sem pausa.

De fato, todas as propostas sérias para desenvolver o aprendizado dão por sentado a eficácia da prática e do esforço pessoal. Até há pouco tempo isto era mais um artigo de fé que uma hipótese demonstrável. Não obstante, graças ao trabalho de K. Anders Ericsson, hoje sabemos que a “prática deliberada” é o melhor caminho para melhorar nosso rendimento cognitivo; isto é, a prática realizada com plena consciência (e intensa concentração) com o fim de evitar ruídos indesejáveis e resultados negativos. Sem prática deliberada, sem atenção plena, propósito e sentido de direção, todo esforço nunca será suficiente.

Trata-se, em síntese, de um ponto crucial, porque a energia mal gastada em práticas que não estão bem dirigidas equivale a estar drenando o cérebro em atividades desnecessárias ou secundárias para nossos objetivos. Nas palavras do próprio Ericsson: “O trajeto até o desempenho verdadeiramente superior não é para os pusilânimes nem para os impacientes; o desenvolvimento de uma genuína preparação requer luta, sacrifício e um grande esforço pessoal, honrado e com frequência doloroso. Não há atalhos”. 

É verdade que sempre há algo de bem no pior mal e certa porção de mal no bem mais apreciado. Mas, em questão de estudo e aprendizado, deveríamos “cuidar de não perder a substância por agarrar-nos à sombra”. (Esopo, Fábulas)  


Informações Sobre os Autores

Atahualpa Fernandez

Pós-doutor em Teoría Social, Ética y Economia pela Universidade Pompeu Fabra; Doutor em Filosofía Jurídica, Moral y Política pela Universidade de Barcelona; Mestre em Ciências Jurídico-civilísticas pela Universidade de Coimbra; Pós-doutorado e Research Scholar do Center for Evolutionary Psychology da University of California/Santa Barbara;Research Scholar da Faculty of Law/CAU- Christian-Albrechts-Universität zu Kiel-Alemanha;Especialista em Direito Público pela UFPa.; Professor Titular Cesupa/PA (licenciado); Professor Colaborador Honorífico (Livre Docente) e Investigador da Universitat de les Illes Balears/Espanha (Etologia, Cognición y Evolución Humana / Laboratório de Sistemática Humana/ Evocog. Grupo de Cognición y Evolución humana/Unidad Asociada al IFISC (CSIC-UIB)/Instituto de Física Interdisciplinar y Sistemas Complejos/UIB; Membro do Ministério Público da União /MPT (aposentado); Advogado.

Marly Fernandez

Doutora em Humanidades y Ciencias Sociales (Cognición y Evolución Humana)/ Universitat de les Illes Balears- UIB/Espanha; Mestra em Cognición y Evolución Humana/ Universitat de les Illes Balears- UIB/Espanha; Mestra em Teoría del Derecho/ Universidad de Barcelona- UB/ Espanha; Investigadora da Universitat de les Illes Balears/Espanha (Etologia, Cognición y Evolución Humana / Laboratório de Sistemática Humana/ Evocog. Grupo de Cognición y Evolución humana/Unidad Asociada al IFISC (CSIC-UIB)/Instituto de Física Interdisciplinar y Sistemas Complejos/UIB).


Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais