Discriminação na OAB

0

O advogado José Carlos Sousa Silva, ex-presidente da OAB-MA e Conselheiro Federal por vários mandatos, recebeu convite do Presidente da OAB nacional, Roberto Busato, para proferir conferência sobre o tema “O Estado no banco dos Réus”, na XIX Conferência Nacional da OAB, que ocorrerá em setembro de 2005, em Florianópolis – SC. Acusou o recebimento do convite, confirmou sua presença e escreveu um artigo sobre a Conferência e sua participação. Seu nome passou a constar da programação da Conferência, nacionalmente divulgada, inclusive no site da OAB.

Em seguida, o advogado José Carlos Sousa Silva foi procurado pelo ex-presidente da OAB nacional, Hermann Assis Baeta, que, em nome do presidente Busato, disse-lhe que seu nome seria excluído da lista de expositores, a pedido do presidente da OAB-MA, José Caldas Góis, e do Conselheiro Federal José Brito de Souza, representando os demais Conselheiros Federais do Maranhão, Raimundo Marques e Ulysses Souza. Se o advogado José Carlos Sousa Silva não desistisse, seria excluído pelo presidente nacional da OAB, Roberto Busato.

Os motivos apresentados pela dupla acima referida ao presidente Busato foram os seguintes: o advogado José Carlos Sousa Silva não é Conselheiro Federal; divulgou o convite recebido; escreveu artigo contra o controle externo do Poder Judiciário; e é candidato à presidência da OAB-MA em 2006.

Como pessoa honrada, o advogado José Carlos Sousa Silva repeliu a proposta indecente, não desistindo de ser conferencista naquele evento. Três dias depois, recebeu um fax do presidente Busato, excluindo-o da Conferência.

A estupidez e o ridículo dos argumentos só não são maiores do que o despeito, a inveja, a discriminação e o preconceito neles consistentes.

A suposta condição de Conselheiro Federal nunca existiu. A simples leitura da programação da XIX Conferência ou de qualquer uma das 18 anteriores mostra que há expositores que não são, não foram e nem poderiam ser Conselheiros Federais, por não serem advogados.

Quanto ao argumento de que o advogado José Carlos Sousa Silva divulgou o convite, é apenas mais uma estupidez de seus detratores, fruto de rasteira inveja e despeito. Além de não haver restrição para que os convidados divulguem o convite, a notícia foi dada pela própria OAB, ao fazer constar o nome do advogado José Carlos Sousa Silva na programação divulgada, inclusive pelo site da OAB.

O argumento de que o advogado José Carlos Sousa Silva escreveu contra o controle externo do Judiciário, defendido pela OAB, é, de todos, o mais perigoso, pois revela o saudosismo da ditadura contra a qual a OAB lutou, especialmente em defesa da liberdade de pensamento e expressão, pilar da democracia. Para os que fazem da OAB apenas um instrumento de interesses e conveniências pessoais, esse princípio não existe. O único que os norteia é o da prioridade à satisfação de projetos pessoais, não importando se suas condutas ferem a ética, a moral, o Estatuto da Advocacia ou a Constituição Federal.

A OAB, que deveria primar pela defesa da liberdade de expressão, curvou-se à sordidez para punir um de seus membros, precisamente por ter exercido o direito constitucional de liberdade de expressão.

Finalmente, também ridículo é o argumento de que o advogado José Carlos Sousa Silva é candidato à presidência da OAB-MA, em 2006. Não existe tal restrição. Se existisse, deveriam ter pedido a exclusão do próprio Conselheiro Federal Ulysses Sousa, candidato da direção da OAB-MA à presidência em 2006. Ulysses Sousa tem estreitas relações com o casal governamental. Por isso mesmo o Procurador Geral do Estado, Raimundo Marques, ventríloquo do presidente Caldas Góis, disse, faceiro, ao Governador do Estado, apontando para o advogado:

– Governador!.. O ‘home’ aí é nosso candidato à presidência da OAB!!!

Quanto ao desconvite do presidente Busato, foi lavrado em três parágrafos autodestrutivos.

No primeiro, Busato exprime sua estima e admiração pelo advogado José Carlos Sousa Silva. Só não explica como alguém que tem estima, admiração ou respeito por outro possa submetê-lo a tão estúpida exigência.

No segundo parágrafo desse documento histórico e marcante de sua gestão, Busato garante ao advogado José Carlos Sousa Silva o direito de inscrever-se na Conferência. Ora, a inscrição nas Conferências da OAB é livre, não dependendo da autorização de ninguém, nem mesmo do Presidente da OAB. Se dependesse, a do presidente Busato não teria nenhum valor. Se tivesse, seu convite também teria.

Por fim, diz que o desconvite se deu porque “a deferência necessitaria, por óbvio, de tratativas com a Seccional da OAB do Maranhão, que se inscreve no esforço conjunto de… congraçamento institucional…” Por óbvio, isso não é verdade. As “tratativas” podem até ocorrer e seria sempre salutar que houvesse, para ouvir sugestões, não para aceitar vetos contra pessoas honradas, sob argumentos estúpidos, amorais e aéticos.

Se os expositores dependessem de alguma aprovação, esta deveria ser do Conselho Federal e não de qualquer outra pessoa.

Do congraçamento proposto pelo presidente Busato não há honra em participar. Sua Conferência ficará na história da Ordem com a marca da desonra, da discriminação, do preconceito e da violação impune aos compromissos de advogado e de Conselheiro.

*Publicado em O Estado do Maranhão, São Luís, 10/08/2005. Disponível no site www.tribunadacidadania.com.br

 


 

Informações Sobre o Autor

 

João Melo e Sousa Bentivi

 

João Bentivi é médico, advogado, jornalista e músico em São Luís do Maranhão

 


 

Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais