Século XXI – processo eletrônico: Solução para a morosidade da Justiça?

0

A humanidade mais do que nunca está inserida em um contexto de globalização digital. A cada dia constatamos que a informática dilui as informações que dessa forma são acessadas de qualquer lugar que disponibilize um terminal de computador, diminuindo assim a distância entre o cidadão e sua busca pelas mesmas.

Por isso, a Justiça mesmo sendo “cega” vivencia um verdadeiro milagre que permeará a vida dos contribuintes e os trará para fora da marginalidade cultural e digital.

A magia da Tecnologia da Informação invade o mundo jurídico na tentativa de agilizá-lo para quem sabe dessa forma arrancar a Justiça do seu estado de letargia e resgatar a tão esperada agilização dos processos judiciais e consequentemente proporcionar uma melhor prestação jurisdicional.

“Norberto Bobbio, conhecido jus filósofo italiano, disse-nos que este é o momento de todos nós, juristas, intérpretes e magistrados, deixarmos de discutir a fundamentação dos direitos humanos – os seus significado, utilidade e legitimidade – e passarmos para o segundo ponto da escalada humana, a efetivação, a concretização dos direitos, ou seja, nós, como magistrados, juristas, temos de ter a preocupação não somente com a teoria dos direitos fundamentais (previsto em tratados internacionais e/ou em documentos internos), mas, essencialmente, com a integração destes na vida diária dos jurisdicionados.”  (A Informática e o Direito R.CEJ, Brasília, n.17,p.31-39, abr./jun.2002).

Verificamos assim que o Judiciário precisa muito dessa ferramenta pela comodidade, facilidade, rapidez e segurança que a mesma pode proporcionar a todos operadores do Direito e o Jurisdicionado.

Agora com a sanção da lei No. 11.419, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006 que dispõe sobre a informatização do processo judicial e que altera a Lei n o 5.869, de 11 de janeiro de 1973 – Código de Processo Civil; estaremos  quem sabe mais perto de acabarmos com a lentidão do Judiciário, além de conferir transparência aos atos processuais.

Em pleno século XXI a gestão da Tecnologia da Informação se tornou fundamental para a instituição pública, que busca a celeridade e transparência dos atos judiciais.

A TI no processo judiciário trabalhista não está somente relacionada às expectativas que apresenta, mas na possibilidade  de dar maior celeridade e transparência na solução dos conflitos a partir da racionalização e padronização dos fluxos de trabalho.

Consequentemente a implantação do processo digital implicará necessariamente na melhoria da qualificação profissional dos servidores, protagonistas e não mero digitadores ou registradores de atos processuais, mas gestores de cada processo, comprometidos com a celeridade devida ao caso.

No entanto todo processo de transformação vem acompanhado de desafios e resistências. Certamente a mudança de cultura existente na atividade jurisdicional é uma barreira a ser superada por todos. Faz-se necessário superarmos as atividades de contato com o papel, do carimbo… É necessário acreditar que o documento eletrônico pode ser tão ou mais seguro que o documento em papel, e que isso não trará prejuízo para o exercício da Jurisdição. Outro ponto a ser observado é que a assinatura digital possuirá validade jurídica igual à de próprio punho… no entanto somente a prática consolidará esse novo processo.

Também de posição favorável à implantação do processo eletrônico é o Secretário Geral do Conselho Nacional de Justiça ao salientar que “além de combater a morosidade processual, o processo virtual ainda melhora o acesso à Justiça e a transparência do Poder Judiciário. Isso porque o processo eletrônico pode ser manejado em horário integral, isto é, as portas da Justiça estão sempre abertas para o jurisdicionado. A publicidade é tanta quanto a rede mundial da Internet permite.”

O TRT da Primeira Região,quando de sua primeira incursão no banimento das fichas de papel em 1994 implantou o SAP, que permitia aos funcionários lançarem no computador o andamento dos processos. No entanto não era disponibilizado às partes, aos advogados consultarem tais lançamentos. Decorrido 10 anos, a realidade virtual bate às portas da Justiça do Trabalho e assim os TRTs uns mais outros menos   desenvolveram tecnologias isoladas, em uma tentativa de aprimorar e agilizar a prestação jurisdicional.No entanto essas iniciativas não foram a resposta que se esperava para a solução de um problema crônico que se alastra pelas entranhas da Justiça.

Em março de 2005, quando da posse da nova Administração do TRT da Primeira Região a situação demonstrava um quadro de total defasagem tecnológica em relação ao TST e aos demais Regionais. Em março de 2006 o Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) realizou o I Encontro de Diretores de Informática da Justiça do Trabalho, na sede do Tribunal Superior do Trabalho. O encontro foi coordenado pela Consultoria-Geral de Informática do CSJT, que reuniu os responsáveis pela área de informática do TST e dos 24 Tribunais Regionais do Trabalho a fim de discutir projetos, propostas e medidas visando à integração de todos os órgãos da Justiça do Trabalho.

A Secretaria de Tecnologia da Informação (STI) teve como objetivo o de estabelecer um planejamento estratégico para a modernização do setor. Verificou-se, assim, em consonância com o parecer do Corregedor-Geral, a necessidade de investimentos para superar a precariedade e a obsolescência da gerência dos recursos tecnológicos.

Ainda naquele ano realizou-se uma reunião com o secretário-geral do Conselho Superior da Justiça do Trabalho, Leonardo Peter da Silva; o diretor de informática do TRT da 2ª Região, Márcio Nisi; o chefe de desenvolvimento da informática do TRT da 4ª Região, Paulo do Carmo; entre outros representantes e servidores da área, a fim de ampliarem o conhecimento da tecnologia do Novo Sistema de Acompanhamento Processual do TRT da 1ª Região.

O Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação (STI), Charles Miranda, expôs que  a tecnologia utilizada pelo TRT Rio permite a evolução permanente do sistema e tem como foco a entrega da prestação jurisdicional. Segundo ele, foi criada uma parceria com todos os setores através de um trabalho de transparência. a fim de ampliarem o conhecimento da tecnologia do Novo Sistema de Acompanhamento Processual do TRT da 1ª Região.   A intenção foi tornar mais fácil o dia-a-dia do usuário, que entre outras vantagens contará com um Novo SAP, que primará pela independência tecnológica, impessoalização do conhecimento, padronização de dados visando redução de erros , etc.

A previsão para implantação do novo SAP era inicialmente para o final de 2006, em um novo ambiente  web, com mudanças  que proporcionarão celeridade, agilidade, padronização sem descuidar da segurança das informações.

Agora em 2007 o novo SAP ainda não chegou, por problemas operacionais , mas previsíveis em  toda mudança de grande porte. Mas a modernização caminha a passos firmes de forma que uma das certezas é que o novo SAP será de fundamental importância, já que vai unificar os andamentos dos processos e facilitará o acesso e compreensão não somente por partes dos advogados, mas também das partes envolvidas.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Cezarina Maria de Mesquita Franca

 

Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela UFRJ atualmente cursando pós-graduação em Gestão Pública Judiciária pela CEFET/MT, atualmente Servidora Pública Federal do TRT da 1ª. Região desde 1993.

 


 

Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais