Abuso de autoridade – afronta ao Princípio Fundamental da Dignidade Humana

0

Palavras-chave: abuso – dignidade – revista íntima – responsabilidade do Estado.


Sumário: 1. O abuso 2. A dignidade humana 3. Os ilícitos 4. A positivação de direitos    5. O legislativo e a proibição da revista.


“O direito dos mais miseráveis dos homens, o direito do mendigo, do escravo, do criminoso, não é menos sagrado, perante a justiça, do que o do mais alto dos poderes. Rui Barbosa, em “Oração aos moços.”


1. O abuso


Recentemente a imprensa noticiou o abuso de autoridades policiais, que, em trabalhos de investigação, arrancaram à força e em público, as vestes e a calcinha de uma escrivã de polícia, imobilizada ao solo –por suspeita de corrupção -, para em revista íntima apreender cédulas de dinheiro. E os agentes, todos delegados de Polícia e como tal necessariamente portadores de formação jurídica, registraram em vídeo a violência, sendo as imagens do desnudamento publicadas em jornal de grande circulação. [1] Esse vídeo, no mês de dezembro do ano findo, foi recebido pelo Secretário de Segurança Pública, das mãos do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional de São Paulo, e incontinenti entregue à Corregedoria da Polícia Civil, a cujo órgão, por notável coincidência, pertenciam os quatro delegados envolvidos no constrangimento imposto à mulher.


2. A dignidade humana


Com relação a casos análogos, de manifesta ilegitimidade, o Supremo Tribunal Federal já se pronunciou ao reafirmar que a Constituição da República (art. 5º, inciso III, parte final) assegura que ninguém será submetido a tratamento degradante, e, no inciso X, protege o direito à imagem e à honra das pessoas.  De todas as pessoas, seja realçado. Não há, para o direito, pessoas de categorias variadas. O ser humano é um e a ele deve ser garantido o conjunto dos direitos fundamentais. As prescrições haverão de ser impostas e cumpridas, igualmente, por todos que se encontrem em iguais condições, na forma da lei (RHC 89.429-STF).


3. Os ilícitos


No caso descrito, os atos praticados pelos agentes do Estado e levados a público pela imprensa com fartura de detalhes, -fotos que por si só testemunham o abuso – pode-se concluir que eles, facilmente, se ajustam aos tipos penais descritos na lei do  abuso de autoridade (4898/65) e no Código Penal, além da violações que avançam o campo civil e administrativo; por elas também esses agentes deverão responder, juntamente com o Estado-administrador, em razão da responsabilidade civil objetiva. Por isso, o texto constitucional (art.37 § 6º) instituiu, no preceito, a responsabilidade sem culpa, isto é, objetiva, consagrando a teoria do risco administrativo. Dessa forma, o preceito propicia ao particular a oportunidade de provar que o Estado estava, através de seus agentes, no exercício de suas funções públicas quando o dano foi causado. Nesse aspecto, a reparação prescinde de prova de culpa por parte de quem o ensejou, ou seja, os agentes públicos a serviço do ente estatal, cabendo à Administração ressarcir o dano moral sofrido, assegurado seu direito de regresso contra os servidores responsáveis pelos atos.


4. A positivação de direitos


A constitucionalização dos direitos humanos fundamentais não significa mera enunciação formal de princípios, mas a plena positivação de direitos, com base nos quais qualquer indivíduo poderá exigir sua tutela perante o Poder Judiciário, para a concretização da democracia. A proteção judicial é absolutamente indispensável para tornar efetiva a aplicabilidade e o respeito aos direitos humanos fundamentais previstos na Constituição federal e no ordenamento jurídico em geral. (Alexandre de Moraes, p.167).[2]


5. O Legislativo e a proibição da revista


E, com base nesses direitos, é que a Câmara Federal aprovou o projeto de lei 583/2007, dispondo sobre a proibição de revista íntima de funcionárias nos locais de trabalho, tratando também da revista em ambientes prisionais, e a aplicação das penas pelas violações, E nos casos previstos em ambientes prisionais e sob investigação policial, a revista será unicamente realizada por servidores femininos (art.3º). E o inciso II, ao art. 2º, além de prever multa pecuniária, estabelece a indenização por danos morais e materiais, além de sanções de ordem penal. Esse projeto, no dia 15 transato, foi encaminhado ao Senado Federal, nos termos do artigo 65 da Carta Política. Convém lembrar que o princípio constitucional tem plena eficácia, independendo de lei posterior para sua imediata aplicabilidade.


Como fecho, é imperativo e juridicamente correto concluir que os agentes policiais, na procura de prova na incriminação da servidora suspeita, cometeram constrangimento irreparável, utilizando motivos e meios imorais para a prática de um ato administrativo legal. Para CRETELLA JUNIOR, “se as barreiras assinaladas para o campo do exercício do poder de polícia são ultrapassadas, temos o desvio, o abuso ou o excesso de poder. [3]


Notas:                                                                                                                             

[1]  Leia a “Folha de São Paulo”, edição de 25/2/2011, Caderno Cotidiano.

[2]  “A Constituição do Brasil Interpretada”, Atlas, 4ª Ed. 2004.

[3]  “Polícia e Poder de Polícia”, in RT 608/7.

Informações Sobre o Autor

Sergio Miranda Amaral

Advogado (OAB 34438/SP) Procurador do Município (aposentado)


Julgamento Caso Kiss: para Promotor aposentado não houve dolo no caso da boate Kiss
Clique Aqui e Saiba Mais!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais