Como diferenciar o dolo eventual e a culpa consciente?

Você gostaria de ajuda na escrita ou revisão do seu trabalho? Clique aqui para trabalhar diretamente com os melhores.

Dolo eventual dane se Culpa consciente danou se

O tema dolo eventual x culpa consciente ganhou grande repercussão após o início do julgamento dos quatro réus envolvidos no processo da Boate Kiss. Passados mais de oito anos desde o trágico incêndio que ocorreu na cidade de Santa Maria – RS em 2013, o caso foi levado à apreciação pelo Tribunal do Júri do Fórum Central de Porto Alegre. 

Em dezembro de 2021, os réus foram levados a júri popular e condenados a penas que variam de 18 a 22 anos pelos crimes de homicídio simples com dolo eventual de 242 pessoas e tentativa de homicídio de outras 636 pessoas. 

No entanto, antes mesmo da abertura do julgamento, iniciou-se uma disputa doutrinária envolvendo as figuras do dolo eventual e da culpa consciente aplicadas ao caso da Boate Kiss. Muitos doutrinadores e estudiosos do direito já defendiam a tese de que a aplicação do dolo eventual se tratava de um erro.  

Previamente à análise das sentenças aplicadas no caso da Boate Kiss, é preciso compreender todos os elementos que envolvem o dolo e a culpa, chegando assim ao ponto que difere o dolo eventual da culpa consciente. 

O dolo é entendido como a vontade consciente de praticar uma conduta típica, isto é, uma ação ou omissão que a lei define como crime ou contravenção penal.  

Para que se caracterize um crime doloso é preciso que o dolo envolva todos os elementos do tipo penal. No crime de homicídio, por exemplo, o agente precisa desejar matar e deve ter como objeto alguém, uma pessoa.  

Além disso, o dolo deve existir no momento da ação, não existindo dolo anterior ou subsequente. Da mesma forma, a vontade do agente deve ser capaz de produzir o resultado, não basta o mero desejo passivo, deve existir uma atuação efetiva do agente em busca do seu objetivo. 

De acordo com o artigo 18, inciso I do Código Penal, diz-se crime doloso, quando o agente quis o resultado ou assumiu o risco de produzi-lo. 

Logo, para o direito penal brasileiro existem duas espécies de dolo, o dolo direto e o dolo indireto ou eventual. No dolo direto o agente quer atingir o resultado, enquanto no dolo indireto ou eventual o agente, apesar de não querer atingir diretamente o resultado, assume o risco de produzi-lo. 

Entretanto, para fins de aplicação da pena não há distinção entre as espécies de dolo, significa dizer que o juiz poderá fixar pena igual para o agente que agiu com dolo direto e para o agente que agiu com dolo eventual.  

A culpa, por sua vez, é entendida como o comportamento voluntário, proveniente de imperícia, imprudência ou negligência, voltado a um determinado objetivo que produz um resultado ilícito, que apesar de não desejado poderia ser evitado.  

De acordo com o artigo 18, inciso II do Código Penal, diz-se crime culposo, quando o agente deu causa ao resultado por imprudência, negligência ou imperícia.  

A imprudência é caracterizada por uma conduta ativa realizada sem cautela, com precipitação ou insensatez, a negligência é caracterizada pelo descuido ou desatenção quando se era esperado um comportamento contrário e a imperícia representa um agir imprudente no campo da tecnicidade.  

Além disso, o parágrafo único do artigo 18 determina que, salvo os casos expressos em lei, ninguém pode ser punido por fato previsto como crime, senão quando o pratica dolosamente.  

Em outras palavras, o dolo é presumido, logo não precisa estar expresso no tipo penal, entretanto, para que um agente seja punido por crime culposo é preciso que a forma culposa esteja expressamente determinada no tipo penal. 

Ainda, destaca-se o conceito de culpa extraído do Código Penal Militar, o qual estabelece em seu artigo 33 que, diz-se o crime culposo quando o agente, deixando de empregar a cautela, atenção, ou diligência ordinária, ou especial, a que estava obrigado em face das circunstâncias, não prevê o resultado que podia prever ou, prevendo-o, supõe levianamente que não se realizaria ou que poderia evitá-lo. 

Existem duas espécies de culpa, a culpa inconsciente e a culpa consciente. A culpa inconsciente ocorre quando o agente não tem previsão do resultado, existe apenas a possibilidade de prever, uma mera previsibilidade. A culpa consciente, por sua vez, ocorre quando o agente tem previsão do resultado, no entanto, acredita sinceramente que tal resultado não se realizará.  

Tanto no dolo eventual quanto na culpa consciente o agente tem a previsão do resultado que sua conduta pode provocar. Do mesmo modo, em ambas as situações, o agente não quer o resultado, porém assume o risco de produzi-lo. 

Para esclarecer, o agente está em busca de um resultado A e ao persegui-lo, de acordo com sua conduta, percebe ser também possível atingir um resultado B, o agente quer apenas o resultado A e não deseja diretamente o resultado B. 

Entretanto, no dolo eventual o agente aceita o resultado, admite a possibilidade de que o mesmo se concretize, mas é indiferente em relação a isso, enquanto na culpa consciente o agente não aceita o resultado e espera sinceramente a sua não concretização. 

Na culpa consciente o agente acredita que o resultado B não vai acontecer, confiando nas suas próprias habilidades ou contando com a sorte e no dolo eventual o agente vê o resultado B de modo indiferente. 

Dolo eventual dane se Culpa consciente danou se 1

Para fixar com maior facilidade a diferença entre essas duas figuras, diz-se que no dolo eventual o pensamento do agente anteriormente ao resultado é “dane-se” e na culpa consciente o pensamento do agente posteriormente ao resultado é “danou-se”. 

O juiz irá decidir se o agente agiu com dolo eventual ou culpa consciente durante a fase de dosimetria da pena, todavia, nem sempre as provas conduzem a uma definição precisa quando o caso julgado é passível de acolher ambos os institutos. Nesse caso, muitas vezes o juiz opta pelo dolo eventual, para garantir uma punição mais rigorosa. 

Apesar de ser difícil ou até mesmo impossível verificar o que se passou na mente do agente para decidir se o mesmo agiu com indiferença em relação ao resultado ou acreditou sinceramente na sua não concretização, é possível verificar uma atitude ou outra através das circunstâncias do fato.     

Nesse sentido, o Supremo Tribunal Federal afirmou que: “a diferença entre o dolo eventual e a culpa consciente encontra-se no elemento volitivo que, ante a impossibilidade de penetrar-se na psique do agente, exige a observação de todas as circunstâncias objetivas do caso concreto, sendo certo que, em ambas as situações, ocorre a representação do resultado pelo agente” (HC 101.698-RJ, 1.ª T., rel. Luiz Fux, 18.10.2011). 

Quanto ao caso da Boate Kiss, decidiu-se por classificar a conduta dos envolvidos como dolo eventual e posteriormente condená-los por homicídio simples com dolo eventual e tentativa de homicídio. 

Elissandro Spohr, sócio da boate, foi condenado a 22 anos e seis meses de prisão, Mauro Hoffmann, sócio da boate, foi condenado a 19 anos e seis meses de prisão, Marcelo de Jesus, vocalista da banda, foi condenado a 18 anos de prisão e Luciano Bonilha, auxiliar da banda, foi condenado a 18 anos de prisão. 

O homicídio doloso está previsto no artigo 121 do Código Penal, o qual estabelece pena de reclusão de seis a vinte anos para aquele que matar alguém. Já o homicídio culposo, previsto no parágrafo terceiro do mesmo artigo, estabelece pena de detenção de um a três anos. 

No que tange a tentativa de homicídio, salvo disposição em contrário, pune-se com a pena correspondente ao crime consumado, diminuída de um a dois terços, conforme disposto no artigo 14, parágrafo único, do Código Penal.  

Entretanto, em regra, a tentativa é aplicável apenas aos crimes dolosos, a única exceção apontada por alguns doutrinadores reside na hipótese de ocorrência da denominada culpa imprópria, quando o agente prevê e deseja o resultado, mas atua em erro vencível. 

Além disso, o homicídio doloso é julgado no Tribunal do Júri, composto de um juiz que irá presidir o julgamento e de vinte e um jurados leigos que irão decidir entre a condenação ou absolvição dos acusados. O homicídio culposo, por sua vez, é julgado pelo juiz em uma vara criminal. 

Levando-se em conta as diferenças elementares entre o homicídio doloso e o homicídio culposo, em especial no que se refere ao tratamento do agente que comete um ou outro ilícito, muitos estudiosos do direito penal consideraram errônea a condenação dos réus por homicídio simples com dolo eventual e tentativa de homicídio. 

Nesse sentido, grande parte da doutrina acredita que, através das sentenças aplicadas, buscou-se apenas alcançar o sentimento de vingança social, optando pela figura que oferecesse uma pena mais severa, e não a correta aplicação do direito penal brasileiro.  

Ainda, defende-se a tese de que os condenados não teriam como consentir com a morte de centenas de pessoas, inclusive com a morte de alguns de seus familiares e amigos que estavam presentes no momento da tragédia, e tampouco poderiam consentir com a morte deles próprios. 

Em posição contrária, para sustentar o emprego do dolo eventual, em entrevista publicada pela Folha de S.Paulo, o juiz Orlando Faccini Neto, responsável por presidir o julgamento no Tribunal do Júri, assim declarou:  

“A plausibilidade do dolo eventual foi afirmada pelo juiz de Santa Maria, que pronunciou os réus. Isso foi confirmado por dois desembargadores do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul; um votou vencido, o que levou a uma nova apreciação ainda no TJ-RS, quando a votação ficou 4 a 4. Houve recurso para o STJ, em que cinco ministros afirmaram a plausibilidade do dolo eventual. Essa plausibilidade foi incrementada por um juízo de certeza dos jurados, que votaram pelo dolo eventual”. 

Você gostaria de ajuda na escrita ou revisão do seu trabalho? Clique aqui para trabalhar diretamente com os melhores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

LEITURAS RECOMENDADAS

A importância de um departamento jurídico para startups

Você gostaria de ajuda na escrita ou revisão do seu trabalho? Clique aqui para trabalhar diretamente com os melhores. Vanessa Muglia, CLO e cofundadora da BHub, dá dicas sobre como lidar com aspectos jurídicos e legais fundamentais para o funcionamento