Considerações trabalhistas sobre a ADC nº 66 e a aplicação de benefícios fiscais à prestação de serviços intelectuais por pessoas jurídicas

0

Ezequiel do Carmo Munhoz

A ADC nº 66, que trata da discussão sobre a constitucionalidade do artigo 129 da Lei nº 11.196/2005 (contratação de profissionais que exercem atividade intelectual por pessoa jurídica), está na pauta do STF dia 19/06/2020.

Em 11/10/2019, a CNCOM (Confederação Nacional da Comunicação Social) ajuizou ADC (Ação Declaratória de Constitucionalidade) no STF (Supremo Tribunal Federal), com requerimento de medida cautelar, visando a declaração de constitucionalidade do artigo 129 da Lei nº 11.196/2005, que tem o seguinte teor:

“Art. 129. Para fins fiscais e previdenciários, a prestação de serviços intelectuais, inclusive os de natureza científica, artística ou cultural, em caráter personalíssimo ou não, com ou sem a designação de quaisquer obrigações a sócios ou empregados da sociedade prestadora de serviços, quando por esta realizada, se sujeita tão somente à legislação aplicável às pessoas jurídicas, sem prejuízo da observância do disposto no art. 50 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 – Código Civil”.

De maneira simplificada, o artigo 129 da Lei 11.196/2005, trata da concessão de incentivos fiscais a empresas que investirem em inovação tecnológica. O dispositivo determina que, “para fins fiscais e previdenciários, a prestação de serviços intelectuais”, entre eles os de natureza científica, artística ou cultural, “sujeita-se tão-somente à legislação aplicável às pessoas jurídicas”.

A CNCOM argumenta que o objetivo da edição da lei foi permitir que prestadores de serviços intelectuais optem legitimamente pela constituição de pessoa jurídica para exercer suas atividades. No entanto, sustenta que o dispositivo está sendo desconsiderado em diversas ações judiciais, que entendem que as empresas podem adotar a prática da “pejotização” para burlar o fisco e as normas trabalhistas.

Segundo a CNCOM, não se trata de defender a precarização das relações de trabalho, mas de respeitar o direito do prestador de serviço de optar pelo regime tributário e previdenciário que melhor lhe convém. As múltiplas decisões controversas no Judiciário configuram, para a confederação, “verdadeiro cenário de instabilidade e indefinição”.

Ao pedir a concessão de medida liminar, a entidade alega o risco de cobrança de tributos mais gravosos do que os exigidos na lei e de oneração do contribuinte que fez a opção pelo modelo de pessoa jurídica. “Trata-se de importâncias significativas destinadas à Fazenda Pública que se tornam de difícil ressarcimento aos particulares”, sustenta. O pedido na ADC é que os órgãos do Poder Judiciário e a administração pública, por intermédio de seus agentes fiscais, se abstenham de desqualificar as relações jurídicas estabelecidas com base no regime autorizado pelo artigo 126 da Lei 11.196/2005.

No dia 10/06/2020, a relatora da ADC nº 66, ministra Cármen Lúcia, admitu o ingresso da CNS (Confederação Nacional de Saúde) na ação, como amicus curiae, ao fundamento de que, “como entidade sindical de grau superior que representa hospitais, clínicas, laboratórios e demais serviços de saúde de todo o país, a Requerente tem total interesse nas discussões fáticas e jurídicas a serem realizadas no presente caso, que poderão atingir severamente a saúde financeira das instituições privadas que contrataram pessoas jurídicas para a prestação de serviços médicos”.

Do ponto de vista trabalhista, a “pejotização” é uma modalidade de fraude, na qual o empregador, como condição de contratação ou manutenção do “contrato de trabalho”, impõe à pessoa física a constituição de pessoa jurídica, com o objetivo de se esquivar de encargos decorrentes da relação empregatícia e, por consequência, potencializar os lucros e os resultados financeiros de sua empresa.

Nessa situação, o empregado recebe seu salário mediante emissão de notas fiscais, com o intuito de fazer crer que se trata de uma relação comercial, mas no dia-a-dia laboral, presta serviços em idênticas condições ao empregado comum, onde a prestação de serviços se dá de forma subordinada, pessoal, habitual e onerosa.

Ocorre que, na prática, de certo modo, essa relação também acaba sendo benéfica ao empregado, pois, na condição de pessoa jurídica, além da remuneração superior à do empregado “comum”, ainda se beneficia com a ausência de retenção de imposto de renda na fonte e de descontos previdenciários.

Com a Reforma Trabalhista, a situação tomou outros contornos, já que o artigo 442-B da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) trouxe mais segurança jurídica para as empresas com a figura do “autônomo exclusivo”:

A contratação do autônomo, cumpridas por este todas as formalidades legais, com ou sem exclusividade, de forma contínua ou não, afasta a qualidade de empregado prevista no art. 3º desta Consolidação.

Importante frisar que a Reforma Trabalhista não autorizou a “pejotização”, apenas abriu possibilidade para a contratação de prestadores de serviços sem a característica de empregado.

A “pejotização” ainda é considerada fraude, principalmente porque a sua finalidade é fraudar a legislação trabalhista.

Portanto, fica como alerta que a grande e crucial diferença entre o empregado e o prestador de serviços autônomo é a SUBORDINAÇÃO.

 

________________________________

Ezequiel do Carmo Munhoz é advogado em São Paulo; Especialista em Direito e Processo do Trabalho (MACKENZIE); Especialista em Relações Sindicais e Trabalhistas (WCCA); Especialista em Advocacia Empresarial (PUC MINAS); Especializando em Compliance Digital (MACKENZIE).

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais