Economia global e o futuro traçado pelo FMI

0

As consequências econômicas da pandemia de COVID-19 são altas e refletem em ações emergenciais para que empresas amenizem o impacto provocado pela propagação global do vírus

*Por André Barros

O coronavírus é uma realidade mundial. Infelizmente, sua disseminação atingiu níveis de difícil contenção e expôs a urgência de medidas drásticas por parte de líderes e autoridades governamentais. Para diminuir a circulação das pessoas e reduzir a chance de contágio em aglomerações, a implementação da quarentena temporária surgiu como método eficaz no combate ao COVID-19, e não por acaso, está sendo utilizada pela maioria dos países acometidos. Como consequência, o fechamento do comércio e a suspensão de trabalhos presenciais que não se enquadrem em atividades essenciais, trouxe novos desafios para a economia global.

Evidentemente, há de se destacar que a luta contra o vírus deve ser um compromisso compartilhado por todos. Em um momento tão fragilizado, a valorização humana será um dos maiores pilares para que juntos possamos superar esse período conturbado.

No Brasil, a situação é similar. O panorama é de instabilidade e de um mercado incerto sobre os próximos meses. Quais são as projeções? O que está sendo feito para recuperar a condição econômica do país? Entender o contexto que vivemos é o primeiro passo para buscar alternativas cabíveis nesse sentido. Acompanhe!

 

O que diz o FMI?

Por parte do Fundo Monetário Internacional (FMI), a noção é de que essa crise irá provocar uma recessão global ainda este ano, com expectativa de recuperação para 2021. O fundo ainda destaca a importância da contenção e fortalecimento do sistema de saúde ao redor do mundo, afinal, se o mesmo for capaz de agilizar a superação do vírus, terá papel fundamental para a retomada econômica e a normalização das atividades trabalhistas. Quanto antes o quadro de contaminação for controlado, mais rápido e eficiente será o processo de recuperação.

O FMI ainda afirma que quase 80 países buscaram o órgão internacional em busca de suporte financeiro. É inegável que o impacto econômico é de uma abrangência preocupante e requer respostas rápidas entre executivos e gestores. A missão de proteger a população e amenizar os danos econômicos é geral e deve ditar as ações tomadas pelos líderes.

 

País se movimenta para sustentar a economia

No entanto, é importante atentar-se às notícias positivas no meio da crise atual. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou uma série de medidas e pacotes que totalizam 55 bilhões de reais para confrontar os problemas econômicos ocasionados pela pandemia. Entre as iniciativas, a suspensão dos pagamentos de empréstimos diretos e indiretos, assim como a transferência de valores para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e a disponibilidade de mais recursos para empresas de médio e pequeno porte, são implementações emergenciais que visam simplificar a vida de cidadãos e empresas em um cenário extremamente fragilizado.

Uma das áreas mais impactadas, os pequenos e médios negócios ainda terão uma ampliação de crédito no valor de 5 bilhões de reais. A prioridade é clara: ajudar na manutenção de mais de 2 milhões de empregos, expandindo a capacidade financeira e preservação de praticamente 150 mil empresas.

 

É possível ser otimista com o futuro?

Infelizmente, o declínio econômico é uma realidade para a maioria massiva dos países. Não se trata de ser otimista ou pessimista, mas fiel ao realismo que nos cerca diariamente. O COVID-19 não mudou somente o estilo de vida da população brasileira, também escancarou uma necessidade imediata de se traçar planejamentos estratégicos quanto à economia.

Aos executivos e gestores, fica a importância de mostrar serenidade para tomar as decisões corretas e um diagnóstico preciso por parte das autoridades, bem como o suporte governamental. Com a melhora gradual do cenário, a tendência é de que projeções sejam cada vez mais assertivas. A incerteza instaurada pela pandemia global é uma das maiores vistas nos últimos tempos, e é através da unificação de forças que esse período será contornado.

Como sua empresa se encontra diante o panorama econômico atual? Faça essa reflexão e busque as melhores alternativas.

 

André Barros, CEO da eCOMEX-NSI

* André Barros é CEO da eCOMEX – NSI. O executivo possui mais de 20 anos de experiência no segmento de Comércio Exterior. Possui vasta experiência no desenvolvimento e entrega de novos produtos e serviços e na transformação e gestão de negócios.

 

Sobre a eCOMEX

Fundada em 1986, a NSI, agora eCOMEX, desenvolve aplicativos para otimização da gestão de processos de comércio exterior. Primeira empresa no Brasil a integrar seus aplicativos aos principais sistemas ERPs do mercado e a disponibilizar uma aplicação 100% WEB para gestão do comércio exterior. A companhia é integrante do Grupo Cassis, que conta com mais de 250 colaboradores e 3 mil clientes em todo o Brasil.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais