O imbróglio da compensação de créditos tributários

0

A falta de mecanismos para a compensação de créditos previdenciários via eSocial e a complexidade para a compensação de créditos do ICMS de exportações expõem uma barreira que precisa ser superada pelo FISCO

Por: Dhyego Pontes e José Almir

 

O sistema tributário brasileiro, em muitos casos, apresenta caminhos tortuosos para o contribuinte no que concerne à sua falta de clareza. É o caso, por exemplo, da velha discussão sobre a compensação de créditos fiscais do ICMS que, como veremos a frente, acaba punindo empresas e minando a competitividade de Estados do País.

Dentro deste contexto, podemos traçar um paralelo com uma nova problemática que deve ser reforçada ao longo dos próximos meses e que diz respeito a falta de saídas para a compensação de créditos previdenciários por meio do eSocial – fato que, por sua vez, tem potencial para criar uma bomba relógio para a Receita Federal. Analisaremos estas duas questões ao longo deste artigo.

A sistemática de compensação dos créditos previdenciários

Imagine que sua empresa tem direito a compensação fiscal referente ao crédito de contribuições previdenciárias anteriores ao eSocial, todavia, não poderá recebê-lo, uma vez que o sistema, por meio da DCTF Web, não possui mecanismos para compensação de créditos para relativos a períodos anteriores a implementação do mesmo no tocante a créditos previdenciários.

Foi o que ocorreu com uma instituição de ensino baiana, que, impossibilitada de receber os créditos via GFIP (Guia de Recolhimento do FGTS e de Informações à Previdência Social) – uma vez que o documento foi extinto –, teve liminar aceita pela 12ª Vara Federal Cível de Salvador, a qual, reconhecendo a ausência de alternativas “para que a compensação se operacionalizasse”, terá o direito de receber em dinheiro, o valor referente aos seus créditos de contribuição previdenciária, no montante de R$ 1,62 milhão.

O fato é que, conforme bem exposto pelo advogado Alexandre Monteiro, em matéria do Valor Econômico, sobre períodos anteriores, a despeito da extinção da GFIP, a possibilidade de compensação fiscal existe. Logo: ou são criadas alternativas pelo FISCO ou a tendência é que mais casos como esse surjam no decorrer dos próximos meses, questão essa que pode gerar impactos relevantes para a Receita Federal.

Vale salientar que, segundo a Instrução Normativa RFB nº 1.810, de junho do ano passado, o contribuinte pode utilizar o PER/Dcomp para a compensação de créditos previdenciários apurados no eSocial; entretanto, tal compensação não diz respeito a fatos anteriores a utilização do eSocial, como foi o caso da instituição de ensino baiana.

A querela do ICMS das exportações e a Lei Kandir

Outra via complexa no sistema de compensações tributárias do FISCO pode ser vista no longo imbróglio da compensação do ICMS das exportações, que vem desde a aprovação da Lei Kandir, em setembro de 1996, e que tem como ponto notório a isenção do ICMS para produtos básicos ou semielaborados destinados a exportação de empresas essencialmente exportadoras.

Como bem descrito por matéria de fevereiro deste ano do Nexo Jornal, um dos principais pontos de discussão entre Governo Federal e os Governos Estaduais, se dá pelo fato de que o ICMS é um imposto estadual que, por conseguinte, se tornou passível de isenção graças a uma medida de incentivo do Governo Federal.

O resultado dessa problemática é um embate de mais de duas décadas entre empresas, Governos Estaduais e Governo Federal.

Os Estados, por exemplo, argumentam que a isenção do ICMS gera prejuízos aos cofres estaduais e pedem, portanto, uma revisão do teto de 3,9 bilhões de repasses do Governo Federal, para compensar a perda do ICMS – desde 2003, o teto de repasses do Governo Federal não é atualizado. Só o Estado do Pará, segundo a Secretaria da Fazenda do estado (SEFA), aponta ter perdido mais de R$ 34 bilhões em arrecadação, desde que a Lei Kandir foi aprovada.

Por outro lado, o Governo Federal argumenta que, sem o incentivo à exportação, a arrecadação do ICMS, consequentemente, seria menor. Em fevereiro deste ano, o Tribunal de Contas da União (TCU) deu razão ao Governo Federal, decidindo que os Governos Estaduais não teriam de ser ressarcidos em R$ 39 bilhões, por alegadas perdas com a Lei Kandir.

No meio desta briga de gigantes, ficam as empresas essencialmente exportadoras que encontram dificuldades para conseguir a compensação dos créditos do ICMS, conforme determinado pela Lei Kandir, o que, naturalmente, compromete a competitividade dos produtos brasileiros no exterior, pois será razoável uma tentativa do produtor de repassar este custo “não reembolsável” para o comprador.

Segundo uma pesquisa da CNI, por exemplo, todos os 10 maiores estados exportadores do País criam barreiras para a compensação dos créditos do ICMS – o que gera um cenário em que quase 33% das empresas que solicitam o benefício, simplesmente, não conseguem obtê-lo, ao passo que 34,5% delas, demora mais de um ano para ter acesso ao ressarcimento.

Conclusão

Seja referente ao fogo cruzado do ICMS das exportações ou em relação a falta aparente de caminhos para a compensação de créditos previdenciários, indubitavelmente, as empresas precisam buscar apoio, para que tenham seus direitos garantidos e não sejam punidas pelo desacordo entre Poderes ou por falhas na construção de mecanismos compensatórios no Sistema de Escrituração Digital.

Afinal de contas, dentro deste ambiente fiscal labiríntico que oferece o Brasil, é quase impossível caminhar sozinho.

*Dhyego Pontes é consultor trabalhista e previdenciário da Grounds.

*José Almir Sousa é Gerente de Tributos Indiretos na Grounds

Sobre a Grounds

A Grounds é uma empresa de consultoria inteligente especializada nas áreas contábil, tributária, trabalhista, previdenciária e financeira. O core business da companhia abrange todas as áreas da empresa, se diferenciando assim dos serviços de advogados, por exemplo. No último ano de atuação, a Grounds solucionou mais de 40 projetos de due diligence, consultoria fiscal-financeira e assessoria permanente em vários segmentos de atuação: Investimentos e Private Equity, Energia e Infraestrutura, Serviços, Varejo e Indústria em geral. Saiba mais em: http://grounds.com.br/

 

Assessoria de imprensa Grounds:

IDEIACOMM

(11) 5111-8841

Juliana Garcia (MTB 63.694)

11 95070-8903

[email protected]

Ketheleen Oliveira

11 98318-1577

[email protected]

Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais