Conversando com um magistrado

0

“JUSTIÇA

Ao Poder Judiciário, minhas homenagens, porque
esteio do Estado de Direito. Sem ele, a democracia claudica! Sem ele, a
liberdade se extingue! Sem ele, o Direito não passa de flatus
vocis! Ser juiz é ser bom, quando necessário. Ser
justo, sempre. Ser intransigente com a injustiça e a ilegalidade. Ser solidário
com o inocente. Ser duro com o infrator.”

Ser magistrado é  ser um sacerdote
do Direito, ingressar em universos desconhecidos do ser humano, conviver com
personagens até então estranhos e conhecer um pouco de cada um e  viver no
seu mundo, que agora também é dele, compartilhar e recriar um novo espaço –
tempo, com novas criaturas a povoarem  este cenário.

Vivemos num mundo, fascinante e até
agora inimaginável, com a universalização presente e a INTERNET, revolucionando
a comunicação de massas do século XXI, da era vulgar, já incrustado no
anoitecer do Século XX, a navegar pelo espaço e pelo planeta (e quem sabe se,
no futuro não tão longínquo, por todo o universo), sem sair-se de casa ou do
gabinete de trabalho, conseguindo comungar seres de todos os credos, opiniões,
cor, origem e tendências ou, na concepção larga de nosso Texto Político: todos
são iguais, sem distinção de qualquer natureza, aplicando na prática e
naturalmente princípio basilar da Carta dos Direitos Humanos e da Carta das
Nações Unidas, na verdade, o direito dos homens ou de todos os seres humanos.

Esta, no artigo l º,
inciso 3,  assegura a cooperação internacional, para resolver os problemas
internacionais de caráter econômico, social, cultural ou humanitário, e para
promover e estimular o respeito aos direitos humanos e às liberdades
fundamentais para todos, sem discriminação de raça, sexo, língua ou religião,
consagrando o comando religioso de que o Altíssimo, Ele só, fez as criaturas e
as dirige e Ele só fez, faz e fará todas as obras, sem distinção entre os
seres, porque nenhum pai ou mãe distingue entre seus filhos.

E qualquer que seja o credo, idêntica
será a ordem. O Grande Arquiteto do Universo é o supremo criador e construtor
do Universo e pai e mãe de todos os seres, indistintamente.

O  ser humano e o bom juiz devem, adaptar-se, imediatamente, ao novo milênio, que se
aproxima velozmente, e a um mundo deslumbrante envolvido por novos mercados e
blocos comerciais, significativas alterações das estruturas culturais e sócio –
políticas, queda e criação de novos impérios econômicos e Estados, numa
universalização jamais vista, e por descobertas científicas e tecnológicas, que
exigem do homem e do novo juiz mais que meros expedientes legislativos ou
messiânicas posturas,  senão intensa arte de ourivesaria, na elaboração
jurídica e aplicação do Direito, porque o verdadeiro direito é aquele que anda
de mãos dadas com a justiça social e com a realidade.

É verdade que o homem ainda se encontra
no primarismo do desenvolvimento espiritual e social,
predominando a violência individual e coletiva, descarada e impiedosa, o
desrespeito ao semelhante, exteriorizando a fera diabólica, que pensávamos dominada para todo o sempre. Todavia, apesar de
tudo, sem dúvida, a boa humanidade se encontra em cada um de nós e
verdadeiramente existe!

Este é o futuro, se todos se
congregarem, num só ideal, a felicidade da família humana, através da
solidariedade e do amor. E eu acredito na comunhão dos homens, para, 
finalmente, atingir a Idade de Ouro do Espírito, decantada pelos poetas latinos
e  pelos iluminados de todos os tempos.


Informações Sobre o Autor

Leon Frejda Szklarowsky

escritor, poeta, jornalista, advogado, subprocurador-geral da Fazenda Nacional aposentado, especialista em Direito do Estado e metodologia do ensino superior, conselheiro e presidente da Comissão de Arbitragem da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Distrito Federal, juiz arbitral da American Arbitration Association, Nova York, USA, juiz arbitral e presidente do Conselho de Ética e Gestão do Centro de Excelência de Mediação e Arbitragem do Brasil, vice-presidente do Instituto Jurídico Consulex, acadêmico do Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal (diretor-tesoureiro), da Academia de Letras e Música do Brasil, da Academia Maçônica de Letras do Distrito Federal, da Academia de Letras do Distrito Federal, da Associação Nacional dos Escritores, da Academia Brasileira de Direito Tributário e membro dos Institutos dos Advogados Brasileiros, de São Paulo e do Distrito Federal, Entre suas obras, destacam-se: LITERÁRIAS: Hebreus – História de um povo, Orquestra das cigarras, ensaios, contos, poesias e crônicas. Crônicas e poesias premiadas. JURÍDICAS: Responsabilidade Tributária, Execução Fiscal, Medidas Provisórias (esgotadas), Medidas Provisórias – Instrumento de Governabilidade. Ensaios sobre Crimes de Racismo, Contratos Administrativos, arbitragem, religião. Condecorações e medalhas de várias instituições oficiais e privadas.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais