a fraude à execução e o terceiro adquirente

0

INTRODUÇÃO

“Execução é um processo onde o Estado, por seus órgãos jurisdicionais, embasando-se em um título executivo, valendo-se de meios coercitivos, efetiva ou realiza a sanção.”

Com base no difundido conceito acima, conclui-se que o processo executivo visa a que o credor – ou exeqüente – obtenha, través de órgãos jurisdicionais, a realização da obrigação a ele devida pelo devedor – ou executado. O credor deve aparelhar sua petição inicial com um título executivo, judicial ou extrajudicial, observando seus requisitos e atributos, ou seja, o sujeito ativo mune-se de um título que lhe permite solicitar ao Estado que adentre no patrimônio do devedor inadimplente e realize sua pretensão, haja vista que, em princípio, toda execução é real.

Não se procederá à invasão patrimonial caso o devedor cumpra a obrigação, quando não há necessidade de adentrar em seu patrimônio, ou caso não possua bens suficientes para fazê-lo, onde a pretensão não será realizada.

Em tese, tudo muito simples. Mas, basta uma olhada mais acurada no dia-a-dia forense para descobrir-se tormentosos problemas. Um dos maiores, e de mais conflituosa solução, surge quando o executado aliena seus bens durante a relação jurídica processual, diminuindo ou dilapidando seu patrimônio – o que configuraria, a priori, fraude à execução – , e terceiros alheios à relação jurídica processual – os que negociaram com o devedor – vêem os bens adquiridos perseguidos pelo Poder Judiciário. Várias situações advêm deste caso, mas a que será ora trabalhada é a do terceiro de boa-fé, ou seja, aquele que adquire o bem reputando-o desimpedido. 

O método utilizado para a elaboração deste trabalho foi a combinação entre a pesquisa doutrinária a obras de alguns dos mais importantes processualistas do Brasil e a pesquisa jurisprudencial, apresentando-se seu resultado da seguinte forma: em um primeiro momento, a título de introdução, será analisada a fraude à execução, isoladamente e em cotejo com o instituto da fraude a credores; a seguir, tratar-se-á, sucintamente, dos casos de fraude à execução previstos no Código de Processo Civil – Lei nº. 5.869, de 11.01.1973; e, finalmente, analisar-se-á a situação do terceiro de boa-fé que negociou com o executado, buscando-se, ainda, analisar meios para que os futuros prejudicados pela fraude evitem que ela ocorra.

I – A FRAUDE À EXECUÇÃO     

1.1 – Generalidades e distinção

A fraude à execução é um instituto pertencente ao Direito Processual Civil que visa, eminentemente, a dar ao credor garantias patrimoniais de que sua pretensão será satisfeita. Em outras palavras, com a criação de tal instituto, buscou o legislador limitar a liberdade de disposição que o devedor possui sobre seus bens, a fim de assegurar o objetivo final do processo de execução, qual seja, o cumprimento da obrigação inadimplida.

Aduz-se que o executado não deve, através da diminuição de seu patrimônio, lesar seus credores. Há dois modos pelos quais o proprietário pode despojar-se de seus bens: a alienação – venda, etc., e a oneração – instituição de garantia real sobre seus bens, por exemplo. Ambos os modos ensejam a declaração de fraude à execução – desde que realizados após a citação válida do devedor – , desconstituindo o negócio fraudulento, pois este, não obstante ser válido, é considerado ineficaz perante os diretamente envolvidos.

Aqui importa distinguir o instituto ora estudado da fraude a credores: enquanto esta dá-se antes da instauração de ação judicial, aquele dá-se após, (mais precisamente, após a citação válida do devedor), seja em ação de conhecimento, seja de execução; esta sempre pressupõe um devedor em estado de insolvência, aquela só em alguns casos; e, enquanto a fraude a credores acarreta a anulação do ato, voltando-se ao status quo ante, a fraude à execução, como vimos, é causa de sua ineficácia entre as partes do processo e o terceiro.

Para alguns doutrinadores, fiéis seguidores das doutrinas clássicas, como a de Liebman[i], não se deve perquirir, na fraude à execução, o elemento subjetivo, o consilium fraudis, nem a boa-fé do adquirente – elemento este que, na fraude contra credores, deve estar presente. Este assunto será aprofundado oportunamente.

Cabe, ainda, salientar que quem comete fraude contra credores frauda apenas a estes, já quem frauda a execução, além de atentar contra o credor e o(s) terceiro(s), atenta contra o Poder Público, contra a Justiça. Por tal motivo, enquanto a anulação do primeiro tipo de fraude dá-se através de ação autônoma (ação pauliana), a declaração de ineficácia do segundo dá-se na própria execução.

1.2 – Casos de fraude à execução

O Código de Processo Civil pátrio enumera três casos de fraude à execução:

– quando sobre eles (os bens) pender ação fundada em direito real: aqui cuidou o legislador de garantir ao credor seus direitos reais quanto a determinado bem sobre o qual verse ação fundada em direito real. O art. 592 do CPC, em seu inciso I, prevê que ficam sujeitos à execução os bens dos sucessores singulares, no caso de execução de sentença fundada em direito real. A diferença entre os dispositivos, na prática, é que este opera após a sentença, enquanto o do art. 593 tem seus efeitos garantidos desde a citação válida;

– quando, ao tempo da alienação ou oneração, corria contra o devedor demanda capaz de reduzi-lo à insolvência: para o art. 748 do CPC, é insolvente o devedor quando o valor de suas dívidas exceder o de seus bens. O que deve levar o devedor ao estado de insolvência é o negócio fraudulento, não a ação, como pode algum leitor apressado deduzir. Observe-se que basta ao credor certidão negativa do Registro de Imóveis e/ou de veículos da comarca/circunscrição onde corre o processo para embasar a declaração de fraude, cabendo ao devedor provar que não está insolvente;

– nos demais casos expressos em lei: o caso previsto em lei mais notório é o do art. 185 do Código Tributário Nacional (Lei nº. 5.172, de 25.10.1966), que presume fraudulenta a alienação ou oneração de bens ou rendas do sujeito passivo de dívida ativa em execução. Este terceiro caso não será analisado pormenorizadamente neste trabalho, por questões metológicas e de aplicabilidade prática.

II – A FRAUDE À EXECUÇÃO E O TERCEIRO ADQUIRENTE

Vencida a parte introdutória do presente estudo, deve-se enfrentar, agora, a tormentosa questão da boa-fé do terceiro adquirente em casos que, em tese, configurariam fraude à execução. Para tanto, proceder-se-á a distinção entre a fraude do inciso I do art. 593 do CPC e a do inciso II do mesmo.

2.1 – Quanto ao inciso I do art. 593 do CPC

O inciso I tipifica a fraude à execução no caso de ação fundada em direito real, seja o bem móvel ou imóvel, seja a ação reivindicatória, seja relativa a ônus real, etc., desde que pendente sobre o bem tal ação, ou seja, desde que o devedor esteja regularmente citado, conforme dito acima. O problema surge ao perscrutar-se sobre a necessidade de inscrição da citação da ação no Registro de Imóveis, conforme preceitua a Lei nº. 6.015, de 31.12.1973, em seu art. 167, inciso I, nº. 21, em cotejo com o art. 169.

O leitor que interpretar o artigo 593 do CPC de forma literal, chegará à conclusão de que “Para caracterizar-se a fraude de execução, é irrelevante que a ação proposta esteja inscrita no Registro de Imóveis, pois, no caso, a fraude sempre se presume iuris et de iure (…)” [ii]. Esta foi a posição dominante na doutrina e na jurisprudência durante muito tempo.

Todavia, surgiu uma forte corrente defendendo a necessidade da inscrição da citação no Registro de Imóveis, sob os seguintes argumentos: a) a Lei 6.015/73 é posterior ao CPC, e como este é omisso sobre a necessidade de tal registro, deve ser aplicada; b) apenas a publicidade do processo não é suficiente para garantir a boa-fé do terceiro adquirente, sendo necessária a inscrição da Citação no Registro de Imóveis, bastando para tanto o efeito publicitário dos Registros Públicos.

A última tese restou vencedora: é necessária a inscrição da citação no Registro de Imóveis. E mais: feita esta, gera presunção juris et de jure, pois o fato registrado é de conhecimento de todos. No entanto, o contrário não é verdadeiro: caso não tenha o credor efetuado a inscrição, ainda lhe é reservado o direito de alegar a fraude ora estudada, mas tem ele que demonstrar o conhecimento do terceiro sobre a relação processual. Esta é a posição doutrinária[iii] e jurisprudencialmente[iv] dominante. 

2.2 – Quanto ao inciso II do art. 593 do CPC

Como visto, para a fraude deste inciso, segundo o CPC, bastaria a existência de ação capaz de levar o devedor à insolvência e a demonstração, por parte do credor, que a alienação ou oneração eivada de fraude, efetivamente, frustrou os meios de realização da execução, a não ser que o bem já estivesse vinculado à execução – através de penhora, arresto ou seqüestro – portanto, tudo o que se falar sobre penhora, vale para estes.

Portanto, deve-se dividir este estudo em duas partes: quando há penhora devidamente registrada; e quando não há penhora – apenas havendo ação judicial –, ou, havendo penhora, esta não esteja registrada.

Antes da análise dos casos, cabe uma observação. A doutrina clássica diz que para que se dê este caso de fraude, basta a existência prévia da ação ao negócio e a insolvência do devedor advinda deste, demonstrada pelo credor através certidões de ausência de outros bens penhoráveis – como no caso do inciso I, não se esquadrinharia a boa ou a má-fé do terceiro adquirente, operando o artigo 593 de plano, com a respectiva declaração de fraude.

Ocorre que, com o passar do tempo, doutrina e jurisprudência com base na boa-fé do terceiro, que teria se dirigido ao competente cartório e não encontrado nenhuma restrição sobre o bem, e na Lei 6.015/73 que prevê, no art. 167, inciso I, nº. 5, o registro de penhora, arresto ou seqüestro, começaram a entender este inciso de forma diferente – passou-se a entender o registro como elementar à penhora, posição pacificada pela alteração no art. 659 promovida pela Lei nº. 8.954, de 13.12.1994, ratificada pela Lei nº. 10.444, de 07.05.2002, que diz que, para fazer efeito perante terceiros, deve a penhora ser registrada no Registro de Imóveis da comarca competente.

Por isto a relevância da distinção acima proposta: se, quando à época da negociação com o terceiro havia penhora registrada, esta faz presunção de prova em favor do exeqüente, exceto quando exista compromisso de compra e venda efetivado antes do registro da penhora, mesmo não estando registrado[v]; ao passo que quando há ação judicial sem penhora, ou, quando há penhora não registrada é necessário “que o adquirente saiba da existência da ação, ou por já constar no cartório imobiliário algum registro dando conta de sua existência (presunção juris et de jure contra o adquirente), ou porque o exeqüente, por outros meios, provou que do aforamento da ação o adquirente tinha ciência” e não apenas, como diz a doutrina clássica, “que a alienação ou a oneração dos bens seja capaz de reduzir o devedor à insolvência”[vi]. Esta jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça resume a tônica das decisões dos tribunais pátrios. O citado ganha mais força quando o bem é alienado ao terceiro de boa-fé por outrem que não o devedor.

Cabe ressaltar que também não há fraude à execução quando, já garantido o feito por outros bens, o executado aliena ou onera bem diverso do gravado a terceiro.

Em suma: além dos requisitos unanimemente aceitos, haverá fraude à execução se: a) o negócio jurídico se deu após a constrição devidamente registrada; b) caso haja penhora sem registro, demonstrar o credor que o terceiro sabia do ato; ou c) sem penhora, mas com ação pendente, demonstrar o credor a insolvência do devedor e o conhecimento do terceiro da existência da ação[vii].

Como remédios contra a alienação ou oneração de bens por parte do devedor, deve o credor registrar a penhora o mais rápido possível, ou, no caso de a ação ainda ser de conhecimento, valer-se de arresto cautelar, também devidamente registrado, ou, ainda, solicitar ao Juízo alguma outra medida cautelar – no caso de indeferimento do pedido de arresto – com o intuito de garantir com bens do devedor a realização da execução.

Cabe, afinal, ressaltar que se configura bastante difícil a prova do conhecimento por parte do terceiro, motivo pelo qual deve o juiz exigi-la dentro do limite do bom senso. Caso realmente seja o caso de inexistência de fraude, o adquirente certamente se valerá de Embargos de Terceiro, procedimento de natureza cognitiva onde apreciar-se-á a prova sem desnaturar-se a execução, procedimento este onde o trâmite probatório não é aceito.

CONCLUSÃO

Do exposto ao longo do estudo de tema tão controverso e cheio de casuísmos, várias conclusões podem ser apontadas. Contudo, tratar-se-á de apenas algumas, sucintamente, pois nem todos possuem as mesmas luzes.

Percebe-se uma clara diferença entre a letra do CPC e sua aplicação no universo jurídico: esta leva em conta, principalmente, a perquirição da boa-fé do terceiro adquirente – mormente no que tange a bens imóveis –, chegando a, no caso de não inscrição de certos atos no Registro de Imóveis, haver uma presunção relativa de boa-fé do terceiro, em detrimento do credor, cabendo a este provar (pois presume-se o adquirente inocente) a má-fé do terceiro, o consilium fraudis, como na fraude a credores; ao passo que, segundo o Código Processual nacional, não há que se falar em boa-fé do adquirente, muito menos presumi-la. Bastaria ao credor, quando muito, segundo o CPC, demonstrar o estado de insolvência do devedor oriundo da alienação/oneração fraudulenta.

Sob o aspecto histórico, percebe-se fato semelhante: hoje, dado o caráter humanista, idealista e principiológico do direito pátrio (mormente após a entrada em vigor da Constituição Federal de 1988, que teve seus princípios sociais ratificados pelo Código Civil de 2002), prioriza-se o terceiro de boa-fé em praticamente todos os casos onde ele estiver presente – em regra, em prejuízo dos credores do alienante. Um dos argumentos mais fortes neste sentido é o de que, caso não fosse protegido o terceiro de boa-fé, haveria enorme insegurança no mundo negocial, podendo-se chegar ao extremo de um colapso na economia, especialmente em sua parte ligada ao ramo imobiliário.

Há alguns anos, sob a égide do individualismo e do patrimonialismo vigentes nos meios jurídico e político, não se cogitava sobre boa-fé do adquirente: buscava-se garantir o direito do credor, protegia-se a boa-fé deste, haja vista que, ao negociar, acreditou o credor que veria sua obrigação adimplida. Ora, protegia-se a boa-fé do primeiro indivíduo a integrar a relação jurídica – o credor – e não do segundo – o devedor. Observe-se que o mesmo argumento utilizado para defender o ponto de vista dos que protegem a boa-fé do terceiro, vale para proteger a do credor: a insegurança gerada no mundo negocial por uma proteção do devedor de má-fé, que dilapida seu patrimônio para não honrar suas dívidas, deixando, assim, o contratante que acreditou no devedor sem receber o que lhe é devido. Ora, quem negociaria sabendo que o devedor não lhe pagaria e o judiciário nada faria para coibi-lo? É de se pensar a respeito.

Ademais, cabe ressaltar que fraude à execução é um atentado à própria Justiça, tanto no sentido filosófico como no tomado como sinônimo de Poder Judiciário, pois esta é burlada ao ver fraudada a realização que buscava garantir, havendo, por conseqüência, uma espécie de desmoralização do Estado, que não consegue fazer valer os direitos dos cidadãos que dele dependem para realizá-los.

Indaga-se, pois: qual posição é a correta? A primeira ou a segunda? A resposta é simples: nenhuma. Como preconizava Aristóteles, há vinte e cinco séculos atrás, a virtude está no ponto de equilíbrio, no encontro e harmonia entre as partes dissonantes. Resta apenas ao jurista e ao legislador encontrarem-no.

Até que se encontre o que o Estagirita nos aconselha, cabe ao credor valer-se dos remédios postos pela legislação em vigor a seu dispor para garantir seu direito. Alguns deles já foram enumerados, como o arresto e outras medidas acautelatórias (vide o final do Capítulo II, retro). Diversas medidas podem ser encontradas, bastando ao operador do direito, em especial, ao advogado, buscá-las ou, até, inovar, tentando outras soluções.

Além disso, o legislador poderia, com providências simples, facilitar um pouco a vida do credor – e do próprio terceiro – adotando medidas com o fito de melhor assegurar o direito do exeqüente – como foi feito, em 1994 e em 2002, para dar mais segurança ao terceiro de boa-fé, ao tornar obrigatória a inscrição da penhora no Registro de Imóveis para que gere efeitos erga omnes. Poderia ser feita, por exemplo, uma modificação no artigo 593 do Código de Processo Civil prevendo a obrigatoriedade do registro da citação válida do devedor no Registro de Imóveis – e também no DETRAN; não se tratou do tema da boa-fé com relação ao adquirente de veículos, mas registre-se que é um assunto deveras tormentoso – em qualquer dos casos previstos no artigo 593. Assim, o terceiro, ao adquirir bens do devedor, saberia que, ao menos, corre contra este ação que pode reduzi-lo à insolvência ou que sobre o bem objeto do negócio corre ação fundada em direito real. Desta forma disposto em lei, efetivado pelo credor o registro, não tornaria o bem indisponível, apenas cientificaria o terceiro de que poderá este vir a perdê-lo, contratando o alienante por conta e risco próprios, sem poder alegar boa-fé. Não obstante o conteúdo da Lei 6.015/73, parece uma modificação que viria dar mais segurança aos universos jurídico e negocial.

Por enquanto, devemos contar apenas com o bom senso dos Magistrados – e com a habilidade dos advogados. 
 

BIBLIOGRAFIA
ASSIS, Arakén de. Manual do Processo de Execução. 5.ed. rev. e atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1998.
BRASIL. Código de Processo Civil. 9.ed. São Paulo: Saraiva, 2003.
_____. Lei nº 6.015, de 31 de Dezembro de 1973. Dispõe sobre os Registros Públicos e dá outras providências. In: BRASIL. Código Civil. 7.ed. São Paulo: Saraiva, 2001.
LIMA, Alcides de Mendonça. Comentários ao Código de Processo Civil. V. VI. 5.ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Forense, 1987.
MARQUES, José Frederico. Manual de Direito Processual Civil. V. IV. 2.ed. atual. Campinas: Millennium, 1998.
SANTOS, Ernane Fidélis dos. Manual de direito processual civil. V. 2. 6.ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 1998.
SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras Linhas de Direito Processual Civil. V. 3. 17.ed. ver. e atual. Por Aricê M. Amaral Santos. São Paulo: Saraiva, 1998.
THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de Direito Processual Civil. V. II. 24.ed. Rio de Janeiro: Forense, 2003.
 
Notas:
[i]HUMBERTO THEODORO JÚNIOR, Curso de Direito Processual Civil, V. II, n. 734, p. 106.
[ii] JOSÉ FREDERICO MARQUES, Manual de Direito Processual Civil, v. IV, n. 773, p. 92.
[iii] Neste sentido: HUMBERTO THEODORO JÚNIOR, op. cit., n. 734, p. 108; ALCIDES DE MENDONÇA LIMA, Comentários ao Código de Processo Civil, v. VI, p. 479 – 482; MOACYR AMARAL SANTOS, Primeiras Linhas de Direito Processual Civil, v. 3, p. 252; ARAKÉN DE ASSIS, Manual do Processo de Execução, n.113.3, p. 350; etc.
[iv] Neste sentido: 4ª Turma do STJ, Recurso Especial nº 186633/MS, Rel. Salvio de Figueiredo Teixeira. j. 29.10.1998, Publ. DJU 01.03.1999 p. 00341; 3ª Turma do TRF da 1ª Região, Apelação Cível nº 1989.01.15422-6/MG (00037361), Rel. Juiz Osmar Tognolo. j. 06.11.1995, Publ. DJ 04.03.1996 p. 11356; 11ª Câmara Cível do TJ/RJ, Apelação Cível nº 2002.001.23410, Rel. José C. Figueiredo. j. 26.03.2003, registro: 02.05.2003 in www.tj.rj.gov.br.
[v] 4ª Turma STJ, Recurso Especial 2002/0110098-4, Rel. Aldir Passarinho Jr. j. 15.10.2002, publ. DJ 24.02.2003 p. 248.
[vi] 4ª Turma STJ, Recurso Especial 1999/0094941-2, Rel. César A. Rocha. j. 25.06.2002, publ. DJ 11.11.2002 p. 220.
[vii]HUMBERTO THEODORO JÚNIOR, op. cit., n. 734, p. 109-110; diversamente: ERNANE FIDÉLIS DOS SANTOS, Manual de direito processual civil. V. 2, p. 86-89.

Informações Sobre o Autor

Rodrigo Trugillo del Cueto Narbondo

Bel. em Direito pela FURG/RS


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais