O marketing jurídico, a publicidade e a legislação da OAB: reflexões para gestão de marketing de escritório especializado em direito previdenciário

0

Resumo: O presente artigo busca abordar alguns conceitos básicos do marketing jurídico e publicidade voltados para o advogado previdenciarista e como essas estratégias são reguladas pela OAB.[1]

Palavras-chave: Marketing jurídico. Publicidade. Estatuto da OAB. Código de Ética e Disciplina. Direito Previdenciário.

Abstract: This article seeks to address some basic concepts of legal marketing and advertising aimed at the previdenciarista lawyer and how these strategies are regulated by OAB.

Keywords: Legal marketing. Advertising. OAB rules. Social Security Law. Ethics and Discipline Law.

Sumário: Introdução. 1. Afinal, o que é marketing?. 1.1. Produto. 1.2. Preço. 1.3. Distribuição. 1.4. Evidências físicas. 1.5. Processos. 1.6. Pessoas. 1.7. Comunicação. 2. Advocacia previdenciária. 3. Considerações finais. Conclusão. Referências.

Introdução

Segundo dados do Conselho Federal da OAB[2], até janeiro de 2015, o Brasil conta com 842.421 advogados inscritos. São Paulo é o estado com a maior quantidade de profissionais, com 254.790 inscritos, média de um advogado para cada 173 habitantes, se for considerado o número de habitantes estimado pelo IBGE em 2014[3].

Em 2008, o Conselho Federal da OAB elaborou um estudo que apontou o Brasil na terceira colocação no ranking dos países com a maior quantidade de advogados per capta. Na época, era um profissional para cada 322 habitantes[4].

Os números apontam para uma grande quantidade de profissionais que atuam no mercado o que amplia a concorrência não apenas para o jovem advogado, mas também para os profissionais com mais tempo de serviço.

Na área previdenciária, em particular, o leque de concorrentes é maior e inclui órgãos do Judiciário, como os Juizados Especiais Federais, onde o segurado pode ingressar com ações sem ser representado por um advogado, ao menos na instância primária, e ainda, os não advogados e associações que oferecem serviços na esfera administrativa, tais como: requerimentos de benefícios, pedidos de revisão, agendamento de perícias e até a interposição de recursos junto à Previdência Social, o segurado pode ser representado por qualquer pessoa de posse de uma simples procuração.

Em virtude disso, os advogados que possuem ou pretendem abrir um escritório deverão levar em consideração a utilização das ferramentas do marketing, seja para conquistar novos clientes, seja para fidelizar os já existentes, como forma de destacar-se em um mercado tão concorrido.

No entanto, alguns profissionais receiam utilizar-se da comunicação para divulgar seus serviços em virtude das restrições éticas dispostas no Código de Ética e Disciplina da OAB, no Estatuto da Advocacia da OAB, no Provimento n.º 94/2000 do Conselho Federal da OAB. Os dispositivos legais fazem alguma vedação ao marketing ou ficam restritos à publicidade? É possível fazer marketing jurídico ético nos termos da legislação?

Estas foram apenas algumas das questões que nortearam a elaboração da pesquisa, cujas respostas, serão apontadas por meio de reflexões e baseadas nos conceitos de marketing e comunicação voltados para quem milita em favor dos segurados da Previdência Social. Não se tem como intenção esgotar o tema, tendo em vista que essas poucas páginas seriam insuficientes para dar conta de um tema tão vasto em sua teoria e prática.

Também é importante ressaltar que quando se trata de marketing, não há “fórmulas mágicas” ou mesmo “receitas de bolo” para obter sucesso, pois o planejamento de marketing é feito com base em diversas variantes sejam econômicas, sejam sociais, como discutido adiante. Nesse sentido, lecionam Kotler, Haynes e Bloon (2002, p. 24): “O marketing não é uma atividade em que a pessoa segue instruções, como aquelas de um manual de culinária. O marketing é uma forma de reacionar e abordar o mercado e o cliente”.

Assim, o artigo tem por objetivo demonstrar que as limitações éticas e disciplinares são pequenas, se comparado com as possibilidades de investimento em planejamento de marketing – pessoal ou institucional – que podem resultar na conquista de clientes ou projeção profissional no mercado a médio e longo prazo.

1. Afinal, o que é marketing?

Há diversas definições de Marketing. Para Peter Drucker, a função do marketing é “tornar a venda uma coisa superfula”. Vejamos:

“Pode-se considerar que sempre haverá a necessidade de vender. Mas o objetivo do marketing é tornar supérfluo o esforço de venda. O objetivo do marketing é conhecer e entender o cliente tão bem que o produto ou o serviço possa se adequar a ele e se vender sozinho. De maneira ideal, o marketing deveria resultar em um cliente disposto a comprar. A única coisa necessária, então, seria tornar o produto disponível”[5].

Para Philip Kotler & Kevin L. Keller (2012, p.3), grandes referências do marketing mundial, o marketing envolve a identificação e a satisfação das necessidades humanas e sociais. Uma das mais sucintas e melhores definições de marketing é a de “suprir necessidades gerando lucro”.

Diante das duas definições, é importante destacar que o foco do marketing é atender às necessidades dos clientes. Tais necessidades não estão concentradas apenas na prestação dos serviços jurídicos ou prestação de informações. Envolve ainda a qualidade do atendimento, a credibilidade do profissional, as instalações, localização do escritório, facilidade de contato e a própria expectativa do cliente, dentre outras.

Como elemento comparativo, pode-se dizer que o marketing é uma “colcha de retalhos”, composta por tecidos de diversas cores, formas e tipos, mas se faltar um deles a colcha ficará incompleta. Assim, essa “colcha” chamada marketing é composta por sete “retalhos”, denominados por Philip Kotler como “os 7Ps do marketing” (siglas em inglês), sendo eles: Produto (Products), Preço (Price), Distribuição (Place), Comunicação (Promotion), Evidências físicas (Physical Evidence) e Processos (Processes). Esses elementos formam o Mix de Marketing, e são indispensáveis para a elaboração de um plano de marketing.

Na tabela[6] abaixo se pode compreender melhor a composição de cada um desses elementos.

Isto posto, como relacionar esses elementos com a prestação de serviços jurídicos? Vejamos

1.1. Produto

O produto que o advogado oferece a seu cliente vai além da propositura de ações judiciais, fornecer informações, realizar audiências etc. O advogado “vende” credibilidade, esperança e segurança ao cliente, além da experiência profissional.

Nesse sentido, tomando-se por base a advocacia previdenciária, o profissional deverá ter ciência de quais produtos serão oferecidos. O cliente contará com a possibilidade de o advogado fazer requerimentos e defesas na via administrativa ou apenas judicial? A maior demanda do escritório é para pedidos de benefícios por incapacidade, revisões ou rural, por exemplo? Além da previdência, quais áreas o advogado também atua?

Inicialmente, essas perguntas serão norteadoras para a identificação do público-alvo (clientes), pois a partir daí selecionará quais ramos do direito previdenciário o advogado irá investir. O investimento em estudos e experiências está diretamente relacionado com a qualidade do serviço prestado. O foco é necessário para a criação de uma marca do profissional, não aquela que normalmente se coloca na placa do escritório, mas sim, ser reconhecido pelos clientes como o advogado que tem know how para desenvolver teses, defesas ou propor ações nas especialidades que escolheu. Assim, o advogado formatará o “produto” ao público-alvo.

1.2. Preço

Quanto vale o trabalho oferecido? Os valores dos honorários estão de acordo com o praticado pelos concorrentes? Quanto custa o tempo do trabalho desempenhado em uma causa?

Kotler, Haynes e Bloon (2002 p.12) definem preço como sendo: […] soma em dinheiro que o cliente terá de pagar para receber o produto, em conjunto com quaisquer custos não-financeiros, como tempo, negociação e conveniência, além de outros[…]

Pela definição o preço dos honorários do advogado é composto pelo trabalho efetivamente realizado e pelo nível de especialização do profissional, qualidade no atendimento e canais de comunicação disponíveis ao cliente, por exemplo, que se enquadram nos valores “não financeiros” mencionados.

1.3. Distribuição

A distribuição diz respeito à localização física do escritório, formas de contato, cidades ou estados que o escritório atua, horários de funcionamento e atendimento ao cliente.

 “A distribuição (place) inclui tudo que a organização faz para colocar seus serviços à disposição do cliente-alvo. Para uma empresa de advocacia, isso talvez implique manter escritórios em todas as grandes cidades onde seus clientes fazem negócios. Ao mesmo tempo, a empresa talvez disponibilize mais ainda suas orientações, funcionando durante horários prolongados, mantendo números telefônicos 0800, para permitir que seus clientes desfrutem de tarifas reduzidas, e até mesmo oferecendo um site na internet, que permita aos clientes receber informações 24 horas por dia, sete dias por semana[7].

Para quem está em início de carreira é inviável investir em infraestrutura para oferecer atendimento via telefones 0800 ou então disponibilizar consultas 24horas por meio de sites ou chats. A alternativa mais econômica para oferecer canais de comunicação semelhantes é fazer uso das redes sociais como Facebook ou Whatsapp.

Contudo, ao optar por uma dessas formas de comunicação, o advogado, ou escritório, deverá deixar claro o horário de atendimento e cumpri-lo, pois caso o cliente utilize uma dessas ferramentas e não obtenha a resposta imediata ou no prazo determinado, certamente deixará de usar o canal, colocando em xeque a credibilidade do canal de comunicação. Um atendimento de qualidade pode fazer toda a diferença na conquista do cliente.

Todo mundo é muito ocupado. Ao retornar imediatamente os telefonemas, você transmitirá uma impressão poderosa e positiva. Os clientes atuais e em potencial não conseguem avaliar com facilidade a extensão de sua experiência ou dos seus conhecimentos. Mas uma das coisas que eles conseguem avaliar é quão atencioso você é por retornar imediatamente os telefonemas[8].

O termo “imediatamente” pode ser entendido como o mais breve possível ou na primeira oportunidade, mas nunca sem deixar de retornar a ligação, email ou mensagem.

1.4. Evidências Físicas

As evidências físicas estão relacionadas com o aspecto físico do escritório ou local de atendimento, que deverá ser condizente com o tipo de público que se vai atender. Portanto, o advogado deverá atentar para o tipo de mobiliário, decoração, cor, limpeza, temperatura do ambiente, ruído. Todos esses elementos são importantes para que o cliente sinta-se a vontade no escritório.

É importante destinar uma parede do escritório para a afixação de diplomas, certificados, participação em congressos, seminários, dentre outros, preferencialmente, atrás da cadeira de atendimento do advogado ou, então, em uma sala de espera, pois o cliente, em algum momento da consulta irá observá-los. Essa imagem dará credibilidade ao profissional e transmitirá segurança ao cliente, pois verá que sua causa está nas mãos de uma pessoa experiente.

 “A indicação mais imediata é frequentemente a evidência física do edifício e do mobiliário da empresa. Ninguém espera que uma empresa de advocacia, que se concentra nas grandes corporações, tenha seu escritório localizado em um centro comercial, seja mobiliado com cadeiras de plástico e deixe números atrasados da revista People espalhados na sala de estar[9].

1.5. Processos

Os processos estão relacionados à metodologia de trabalho do escritório e dos procedimentos aplicados, tanto no atendimento, quanto na gestão do trabalho. Também envolvem o treinamento e remuneração dos colaboradores. Em síntese, é a forma de organização do escritório.

1.6. Pessoas

As pessoas são peças fundamentais do marketing jurídico, pois estão ligadas à postura do profissional.  Além do conhecimento técnico, o cliente avaliará a forma com que foi recebido, não apenas pelo advogado, mas por todos os colaboradores do escritório (secretária, copeiras, atendentes, financeiro, etc.).

A importância de um bom tratamento implicará em um aumento de confiança do cliente para o advogado, o que facilitará a obtenção de informações importantes para o processo além de garantir indicações de novos clientes.

1.7. Comunicação

Optou-se por deixar esse “P” (promotion) do marketing por último, pois é nele que se insere a publicidade e propaganda. Portanto, é nesse ponto que se tem as limitações do conselho profissional como será demonstrado adiante.

Primeiramente se faz necessário apresentar a origem dos termos publicidade e propaganda. Philip Kotler (1993 p.303) define propaganda como qualquer forma paga de apresentação e promoção não-pessoal de ideias, produtos ou serviços efetuadas por um patrocinador identificado.

Já a publicidade tem origem do termo francês publicité, que significa tornar público os aspectos considerados positivos dos serviços. Esse trabalho é desempenhado, em geral, pelas assessorias de imprensa, que indicam, por exemplo, advogados para concederem entrevistas ou ser fonte de informação em reportagens relacionadas ao direito, dentre outras. Ao contrário da propaganda, a publicidade não é necessariamente paga. Contudo, pelo recorte metodológico, consideram-se os termos publicidade e propaganda sinônimos, pois a legislação não diferencia tais expressões.

As limitações éticas são disciplinadas pelo Código de Ética e Disciplina da OAB e pelo Provimento n.º 94/00 do Conselho Federal da OAB. Em ambos dispositivos, é ressaltado que os anúncios deverão ser discretos e moderados.

Além do mais, os artigos 2º, 3º e 4º, do Provimento n.º 94/00, pontuam  quais práticas são permitidas ou não pelo advogado para divulgar seus serviços profissionais. Destacam-se alguns deles[10].

Para Thays Leite Toschi[11], relatora do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB, “[…] em nenhum aspecto o controle da publicidade advocatícia assume forma inconstitucional de censura, é sim um método eficaz para evitar o descomedimento e imoderação”.

Então não é permitida nenhuma forma de comunicação dos serviços? De fato, a advocacia conta com poucas possibilidades de publicidade (anúncio, outdoor, panfletos etc) para investir. No entanto, entendendo que o conceito de publicidade é a forma de propagar os serviços, esta pode ser feita de diversas formas, sendo uma delas o uso dos meios de comunicação (entrevistas, artigos e fonte, em jornais, revistas e sites) e redes sociais.

É dever dos profissionais da advocacia saber comunicar-se bem com seus clientes, ao estabelecer networks, com os servidores públicos e, principalmente, com potenciais clientes, a fim de deixar claro quais são os serviços oferecidos. Contudo, esse discurso deverá ser coerente com a imagem do escritório.

 “O segredo é garantir que os métodos de comunicação sejam adequadamente integrados, de maneira que todos eles comuniquem a mesma imagem e as mesmas mensagens essenciais[12].

Indiretamente, a participação do advogado como fonte em uma reportagem, ou entrevista concedida à rádio ou televisão, é uma forma de dar publicidade ao conhecimento e domínio do profissional acerca de determinados temas, ainda mais no que concerne a advocacia previdenciária.

Escrever e assinar artigos em revistas ou jornais que atinjam o seu público-alvo, escrever livros, ministrar palestras ou aulas, são também algumas ferramentas importantes da publicidade.

Com a facilidade de acesso às informações, por meio da internet, ao ver que regularmente um determinado advogado fala sobre uma área do direito, o espectador, estando em casa ou no trabalho, pode imediatamente buscar informações sobre o profissional até encontrar alguma referência sobre o escritório.

Ressalte-se que para essas ocasiões o advogado deverá atentar-se para o que preconiza o art. 33 do Código de Ética e Disciplina da OAB:

Art. 33. O advogado deve abster-se de: I – responder com habitualidade consulta sobre matéria jurídica, nos meios de comunicação social, com o intuito de promover-se profissionalmente; II – debater, em qualquer veículo de divulgação, causa sob seu patrocínio ou patrocínio de colega; III – abordar tema de modo a comprometer a dignidade da profissão e da instituição que o congrega; IV – divulgar ou deixar que seja divulgada a lista de clientes e demandas; V – insinuar-se para reportagens e declarações públicas[13].

Além dos anúncios, outra forma de comunicar-se é por meio da papelaria do escritório: cartões de visita, envelopes e papéis de carta personalizados, deverão ser bem elaborados. Se o público-alvo for o segurado da Previdência Social, não é necessário luxo, mas que tenha uma boa apresentação. Caso o cliente receba um material de péssima idealização, poderá ter a impressão de que o advogado não conduzirá bem o seu processo. Cuidar da imagem é fundamental, pois diz muito do profissional ou da empresa.

Contudo, se o cliente em potencial for empresarial, o material poderá ser mais requintado, inclusive com a possibilidade de apresentação de um portfólio contendo informações dos tipos de causa que o escritório patrocina, breve currículo dos advogados, bem como locais de atendimento, dentre outras.

Importante frisar que a publicidade não é o início do planejamento de marketing, mas sim, o resultado deste.  Afinal, do que adianta fazer um alto investimento em uma peça publicitária, elaborada pelos mais renomados designers do país, se esta não condizer com o público-alvo do escritório? Certamente não traria retorno algum.

Nesse ponto, volta-se ao início do artigo, pois o foco das ações de marketing é voltado para as necessidades do cliente. Kotler, Haynes e Bloon apontam que:

“[…] o sucesso do marketing a longo prazo fundamenta-se em proporcionar satisfação aos clientes que se pretende atingir. A satisfação do cliente pode ser definida como a diferença entre as expectativas do cliente, em relação a um serviço, comparadas ao serviço que o cliente na verdade recebeu[14].

2. ADVOCACIA PREVIDENCIÁRIA

Pelo exposto, pensar em qualquer estratégia de marketing sem conhecer o cliente é perder tempo e dinheiro. Para tanto, é preciso partir da compreensão do real papel da Previdência Social na vida das pessoas.

Segundo bem esclarece o Relatório sobre a Seguridade Social de 2009, da Conferência Interamericana de Seguridade Social, os programas e benefícios “tem como objetivo prevenir que as pessoas caiam na pobreza através de prover padrões de vida adequados”, protegendo os indivíduos trabalhadores e as pessoas que deles dependem[15].

Portanto, levando-se em consideração o caráter protetivo e preventivo da previdência social, quando uma pessoa tem violados seus direitos, por exemplo, a suspensão ou indeferimento de um benefício, ela já está em situação de insegurança social. É nessa fase que o cliente procurará os serviços de um especialista em direito previdenciário.

Diante desse cenário, é fundamental que o cliente tenha facilidade de chegar ao escritório e ser bem atendido por todos os profissionais (distribuição e pessoas), que o advogado demonstre conhecimento da matéria, transmita a informação de forma clara, receba bem o cliente (produto, comunicação), tenha facilidade em encontrar uma solução para o problema (processo) e por um preço acessível (preço).

Essa é apenas uma forma de aplicação efetiva do mix de marketing que poderá resultar na conquista do cliente. Mais do que isso, é fator fundamental na construção de uma imagem empresarial sólida e de credibilidade.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Ao analisar as restrições éticas e disciplinares reguladas pela Ordem dos Advogados do Brasil, pode-se notar claramente que as limitações estão concentradas no plano da publicidade.

Se o marketing jurídico é uma “colcha de retalhos” composta por: Produto, Preço, Distribuição, Evidências Físicas, Processos, Pessoas e a Comunicação, a influência da regulamentação da publicidade dos serviços advocatícios acaba tornando-se pequena, diante das diversas ferramentas disponíveis para que o advogado possa elaborar seu plano de marketing, que resultarão no crescimento do escritório bem como sua projeção profissional a médio e longo prazo.

Basta, para isso, saber avaliar o mercado, especializar-se, investir em uma estrutura adequada, para que os clientes possam sentir-se bem no escritório, mas, principalmente, preocupar-se com a qualidade do atendimento, pois é por meio deste que o cliente estará seguro e confiante em um momento de grande vulnerabilidade social.

 “O advogado deve compreender que além de se satisfazer com os serviços prestados, o cliente deseja poder contar com quem ele depositou sua confiança, ser respeito, ouvido, atendido, cuidado e auxiliado no entendimento na solução de problemas, ou seja, sentir-se valorizado pela escolha que fez[16].

Seguindo esses passos, o advogado construirá uma relação de confiança tal que fidelizará o cliente e atrairá novos contratos. Esse é o objetivo do marketing, que só será alcançado com um planejamento eficiente, cujo foco será o cliente, o grande aliado para a construção de uma imagem de sucesso, tanto pessoal (advogado), quanto do escritório.

 

Referências
BRASIL. CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL. ESTATUTO DA ADVOCACIA E A OAB.
CASTRO, Carlos Alberto Pereira de; LAZZARI, João Batista. MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO. 15. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2013. 1338 p.
CONSELHO FEDERAL DA OAB. QUADRO DE ADVOGADOS. 2015. Disponível em: http://www.oab.org.br/institucionalconselhofederal/quadroadvogados.  Acesso em: 07. jan. 2015, às 22h33.
______. PROVIMENTO N.º94 DE 12.09.2000. Disponível em: http://www.oab.org.br/leisnormas/legislacao/provimentos/94-2000.  Acessado em 12.jan.2015
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. ESTADOS. SÃO PAULO. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/estadosat/perfil.php?sigla=sp. Acesso em: 07.jan.2015, às 22h10.
KOTLER, Philip; HAYNES, Thomas; BLOON, Paul N.. MARKETING DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS: ESTRATÉGIAS INOVADORAS PARA IMPULSIONAR SUA ATIVIDADE, SUA IMAGEM E SEUS LUCROS. 2. ed. São Paulo: Manole, 2002. 511 p. Tradução: Eduardo Lassere.
KOTLER, Philip; ARMSTRONG, Gary. PRINCÍPIOS DE MARKETING. 5. ed. São Paulo: Geração Editorial, 2003. Tradução: Valdir Dupont.
KOTLER, Philip; KELLER, Kevin L.. ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING. 14. ed. São Paulo: Pearson Education Brasil, 2012. 766 p. TRADUÇÃO: Sônia Midori Yamamoto.
MOTTA, Alexandre; FARIA, Lucas dos Santos. MARKETING JURÍDICO: OS DOIS LADOS DA MOEDA. São Paulo: Amaral Gurgel Editorial, 2012. 366 p.
PORTAL JUS BRASIL. Artigo BRASIL É TERCEIRO PAÍS DO MUNDO COM MAIOR NÚMERO DE ADVOGADOS: UM PARA CADA 322 PESSOAS. Artigo publicado em 2009. Disponível em: http://espaco-vital.jusbrasil.com.br/noticias/92936/brasil-e-terceiro-pais-do-do-mundo-com-maior-numero-de-advogados-um-para-cada-322-pessoas.  Acessado em 08.jan.2015, às 16h06.
SOLTANOVITCH, Renata; OYA, Norberto (Org.). ASPECTOS DISCIPLINARES DE ÉTICA NO EXERCÍCIO DA ADVOCACIA. São Paulo: Letras Jurídicas, 2014. 145 p.
TOSCHI, Thays Leite. PUBLICIDADE IMODERADA E O CÓDIGO DE ÉTICA. In: SOLTANOCITCH, Renata; OYA, Norberto. ASPECTOS DISCIPLINARES DE ÉTICA NO EXERCÍCIO DA ADVOCACIA. São Paulo: Letras JurÍdicas, 2014. p. 123-137
 
Notas:
[1] Trabalho orientado pelo Prof. Msc. Carlos Alberto Vieira de Gouveia – advogado, coordenador do curso de pós-graduação em Direito da Seguridade Social na Faculdade Legale e membro da Comissão de Seguridade Social da OAB São Paulo.
[2] CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL. Disponível em: http://www.oab.org.br/institucionalconselhofederal/quadroadvogados. Acessado em 07/01/2015 às 22h33 Os dados são atualizados diariamente.
[3] População estimada em 44.035.304 pessoas, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Disponível em   http://www.ibge.gov.br/estadosat/perfil.php?sigla=sp. Acessado em 07/01/2015 às 22h10.
[5]  DRUCKER apud KOTLER, P.; KELLER, K. L. Administração de Marketing. 14ª Ed., São Paulo: Pearson Education Brasil, 2012.  p.4.
[6]  OS SETE Ps DO MARKETING. In: KOTLER, P.; HAYNES, T; BLOOM, P. N. Marketing de serviços profissionais: estratégias inovadoras para impulsionar sua atividade, suma imagem e seus lucros. 2ª ed., São Paulo: Editora Manole, 2002. p.11.
[7] KOTLER, P.; HAYNES, T; BLOOM, P. N. Marketing de serviços profissionais: estratégias inovadoras para impulsionar sua atividade, suma imagem e seus lucros. 2ª ed., São Paulo: Editora Manole, 2002 p. 12/13.
[8] Ibid. p. 29
[9] Ibid. p. 13
[10]  Provimento 94/2000 (DJ 12.09.2000, p. 374, S.1), extraído do portal do Conselho Federal da OAB http://www.oab.org.br/leisnormas/legislacao/provimentos/94-2000. Acessado em 12.01.2015.
[11] TOSCHI, Thays Leite. PUBLICIDADE IMODERADA E O CÓDIGO DE ÉTICA. In: SOLTANOCITCH, Renata; OYA, Norberto. ASPECTOS DISCIPLINARES DE ÉTICA NO EXERCÍCIO DA ADVOCACIA. São Paulo: Letras JurÍdicas, 2014. p. 137.
[12]  KOTLER, P.; HAYNES, T; BLOOM, P. N. Marketing de serviços profissionais: estratégias inovadoras para impulsionar sua atividade, suma imagem e seus lucros. 2ª ed., São Paulo: Editora Manole, 2002. p.13
[13] Código de Ética e Disciplina da OAB
[14] KOTLER, P.; HAYNES, T; BLOOM, P. N. Marketing de serviços profissionais: estratégias inovadoras para impulsionar sua atividade, suma imagem e seus lucros. 2ª ed., São Paulo: Editora Manole, 2002. p.10.
[15] CASTRO, C. A. P. de; LAZZARI, J. B. MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO. 15. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2013. p.27
[16] TOSCHI, Thays Leite. PUBLICIDADE IMODERADA E O CÓDIGO DE ÉTICA. In: SOLTANOCITCH, Renata; OYA, Norberto. ASPECTOS DISCIPLINARES DE ÉTICA NO EXERCÍCIO DA ADVOCACIA. São Paulo: Letras JurÍdicas, 2014. p. 136.

Informações Sobre o Autor

Júlio Cláudio Marcondes Dimas de Mello

Estudante de direito pós-graduando em Direito Previdenciário, bacharel em Comunicação Social com habilitação em jornalismo pós-graduado em Marketing Político e Propaganda Eleitoral pela Universidade de São Paulo USP. Professor universitário. Foi membro do Grupo Interdisciplinar de Estudos da Linguagem Publicitária GIELP na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo ECA/USP


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais