Pontuações sobre a obra “Em Defesa da Sociedade”

0

Na obra “Em defesa da sociedade” Michel Foucault aponta as melhores formas e métodos de entender a questão do poder e seus efeitos no decorrer da história. Compõe uma nova visão das intercorrências que estabelecem as relações de força e dominação.

Apresenta tendências no que se refere à importância dos enfrentamentos e das lutas, com os seus respectivos conteúdos históricos, na história da conquista do poder, do direito e da verdade. Conteúdos estes que foram sepultados, mascarados em nome das “reviravoltas de saber”, querendo dizer que se era possível encontrar nos anos que passaram, pelo menos superficialmente, toda uma temática: “ chega de saber, o que interessa é a vida”, “chega de conhecimentos, o que interessa é o real” , “nada de livros, e sim grana”.

Afirma que a análise do poder pode ser deduzida da economia, o “economismo” na teoria do poder. Ou seja, a luz da teoria jurídica clássica do poder, este seria considerado, um direito do qual poderia-se tornar possuidor do mesmo, ao ponto de aliená-lo ou até mesmo transferi-lo, “in totum” ou parcialmente, mediante um ato jurídico ou um ato instituidor de direito.

Na concepção marxista geral do poder temos a “funcionalidade econômica” do poder, na medida em que o papel essencial do poder seria manter relações de produção, e ao mesmo tempo, reconduzir uma dominação de classe que o desenvolvimento e as modalidades próprias da apropriação das forças produtivas tornaram possível.

Aborda com propriedade sobre as práticas e instituições que circundam as relações de poder, que nos conduzem a um raciocínio analítico, assim, quando identifica a política como uma guerra continuada por outros meios, nos leva a uma conclusão perfeita, a nível histórico e analítico de seu discurso.

“ A lei nasce das batalhas reais, das vitórias, dos massacres, das conquistas que têm sua data e seus heróis de horror, nasce das cidades incendiadas, das terras devastadas, nasce com os famosos inocentes que agonizam no dia que sta amanhecendo.”

Com esta transcrição, fica evidenciado que a decifração da sociedade deve ter como princípio, as circunstâncias diversas que produzem as derrotas e garantem as vitórias. È a trama de contingências, de elementos psicológicos e morais, de acasos e fatos, que vai construir a história das sociedades.

A história por sua vez, na ótica de Foucault, pode ser encarada como um mecanismo para se operar o poder.

O reconhecimento histórico ponderado ao longo dos anos pelos historiadores, fortalecem o poder e a dominação, pois através do registro permanente e sistemático, de exemplos narrados e sua efetiva circulação, acabam por perpetuar esse poder. Temos uma história desenvolvida na dimensão e em função da soberania, ou seja, uma história das glórias dos fortes e dos fracassos dos fracos.

A partir do século XVII, uma nova forma de discurso histórico emerge, demonstrando o que é direito, lei ou obrigação, sob a égide do poder, que na realidade  traduz mero abuso.

As lutas de raças e classes, enfocadas pelo autor, acabam por atribuir um poder de interferência da história na continuidade ou renovação da própria história.

Texto elaborado pela autora em 14/12/05.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Soraia Castellano

 

Bacharel em Direito pela UNISANTOS , Mestre em Direitos Difusos e Coletivos pela UNIMES, Advogada militante na Baixada Santista e Vale do Ribeira, Professora de Direito Comercial e Empresarial.

 


 

Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais