Voto, um exercício de cidadania

0

Em meio a uma série de crises político-partidárias que assolam o Estado brasileiro, vê-se que o instrumento fundamental de que dispõe o povo para conter essa problemática, incontestavelmente, é o voto. O ato eleitoral é um dos principais meios de expressão de democracia e, nesta utilidade, está inserida a importância do processo eletivo a fim de engendrar mudanças por força do voto, construindo um país mais soberano, democrático, justo e igualitário.

Com a independência do Brasil da metrópole Portugal, foi elaborada a primeira legislação eleitoral brasileira, por ordem de Dom Pedro I. Entretanto, os períodos colonial e imperial foram marcados pelo chamado voto censitário e por constantes fraudes eleitorais. Como medida moralizadora, o título de eleitor foi criado através da Lei Saraiva. Apesar dos problemas existentes, percebe-se que já naquela época havia consciência da importância do voto e sua eficácia na promoção da cidadania.

É importante salientar que ocorreu um progresso considerável no que diz respeito à ampliação do exercício de democracia no Brasil. Diferentemente de outras épocas da história do Brasil, em que mulheres, analfabetos, mendigos, indígenas e integrantes do clero estavam impedidos de votar, com a redemocratização de 1945 o voto secreto foi instituído e a mulher pôde exercer o direito ao voto efetivamente. Portanto, o gozo dos direitos políticos é a manifestação mais legítima de cidadania.

É imprescindível destacar os avanços no sistema eleitoral brasileiro. Com a introdução das urnas eletrônicas, o processo eleitoral tornou-se mais confiável, eliminando significativamente as fraudes, tornando esse sistema um dos mais avançados do mundo, dando mais segurança e qualidade ao processo eleitoral.

Deve-se frisar também, a tensão política que atravessa o país. O escândalo do mensalão foi o nome dado a uma série de fatos corruptos que levaram a uma crise sofrida pelo governo brasileiro em 2005. O neologismo mensalão, popularizado por Roberto Jefferson na entrevista que deu ressonância ao escândalo, é uma derivação da palavra “mensalidade” usada para se referir a uma suposta “mesada” paga a deputados para votarem a favor de projetos de interesse do Poder Executivo.

Com escândalos, denúncias e acusações de financiamento não contabilizado das campanhas do PT denuncia-se, ainda, que vários deputados receberam suborno para votar os projetos do Governo na Câmara dos Deputados. Com isso, verifica-se que o povo ainda é objeto de manobras e continua sendo manipulado por grande parte daqueles que detêm o poder. Ainda existe o domínio das máquinas eleitorais de modo a controlar a opinião pública no país.

Ressalte-se, porém, a atuação dos grupos de pressão sobre o Poder Legislativo no Brasil em razão do enfraquecimento dos partidos políticos. Constata-se uma situação de abandono e distanciamento dos representantes no Parlamento em relação aos grupos sociais. Estes se vêem prejudicados e buscam ocupar o seu próprio espaço político influenciando na distribuição dos recursos e assim, favorecendo uma determinada classe, comunidade ou associação conforme seus interesses em detrimento das demais. É preciso que haja maior transparência e moralidade nos mecanismos utilizados por tais grupos para que esta atividade se constitua como um instrumento democrático e não como representação de interesses e tráfico de influências.

Questiona-se também, se a imprensa ainda é um instrumento confiável para a interpretação da realidade social e observação dos fatos. Nota-se, regularmente, a parcialidade da imprensa brasileira quanto à veiculação de determinados assuntos, especialmente os de aspectos políticos. A imprensa mantém a opinião pública distante do verdadeiro objeto a que remete a conjuntura política. Requer-se dos meios de comunicação a independência de pressões comerciais e a integridade de suas publicações criando um compromisso, sobretudo, com a consolidação da verdade e da ética. Deve-se apresentar como um órgão de fiscalização e exercer um papel de propulsor do controle social e, além disso, oferecer a notícia de modo preventivo à ocorrência das irregularidades.

Destarte, é fundamental enfatizar a importância da participação fiscalizatória da sociedade de modo a oferecer a inclusão sócio-política e ampliar o processo democrático. Ser cidadão consiste num processo de emancipação e fomento da consciência de responsabilidade cívica. Propõe-se, por exemplo, que os representantes eleitos exponham publicamente a contabilidade de suas campanhas e as informem à Justiça Eleitoral de forma a dar maior visibilidade e notoriedade da atividade parlamentar à população. Nesse sentido, o sistema de recall, procedimento que capacita o eleitorado a destituir funcionários, cujo comportamento, por qualquer motivo, não lhe esteja agradando. Os deputados ficariam obrigados a prestar conta aos eleitores de seu trabalho, e poderiam ter o mandato revogado a qualquer momento, pedindo sua substituição no lugar que ocupa, ou intimidando-o a que se demita do exercício do seu mandato. Este é um modelo a seguir, haja vista, que alarga o acesso da população ao trabalho dos seus representantes constituindo-se em uma fonte de informações acerca das atividades parlamentares que podem afetá-la e prejudicá-la, inclusive de ordem moral, consolidando a cidadania como um exercício pleno.

Por isso, este ano de eleição, é um momento determinante para a democracia brasileira, onde cada eleitor, através do seu voto, deve dar a resposta, delinear o processo político brasileiro, mudando a trajetória política no Brasil, pois a governabilidade quem dá é o povo e este não pode perder a confiança na política, o que é mais grave do que a descrença no governante. É preciso não se alienar da vida política, despertar o interesse pelos problemas e o funcionamento da sociedade e incentivar a mobilização social.

Necessita-se ignorar os políticos corruptos e escolher os representantes sérios e capacitados para esta função através de uma escolha seletiva e, sobretudo, consciente a fim de zelar pela probidade administrativa. Boa parte do povo que não tem consciência política quer sempre um protetor. Precisa-se desfazer o paradigma de que o brasileiro não sabe votar e estabelecer novos parâmetros da organização política no Brasil através da fidelidade partidária e o financiamento público das campanhas. Neste sentido, a verticalização das coligações partidárias é de suma importância para o eleitor, haja vista, que obriga os partidos a repetirem, nos estados, as alianças firmadas em nível federal. Sendo assim, o eleitor pode identificar com maior facilidade as ideologias de cada partido e realizar uma melhor escolha. Essa é uma nova descoberta em nosso país, de que há partidos e que cada um tem ideologias, um programa de governo próprio.

Portanto, esse é o momento de, através da eleição, condenar os culpados e omissos. Hoje o cidadão que vive de salário sabe ou sente que a única forma que tem de intervir no país é através da política. Por isso, torna-se um desastre quando ela está em crise, consistindo em uma regressão da cidadania. É essencial apurar e punir os responsáveis de forma a recompor o cenário político. Por conseguinte, tendo em vista a concepção de cidadania como um processo político, percebe-se que o papel do Estado nesse contexto é insuficiente para a sua realização efetiva. Assim sendo, torna-se necessário reforçar e garantir os direitos fundamentais como, por exemplo, o voto e coibir o clientelismo de modo a promover a verdadeira cidadania e uma democracia mais justa.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Wesley de Lima

 

Acadêmico do curso de Direito da Universidade Federal de Rondônia – UNIR

 


 

Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais