O efeito suspensivo na impugnação à execução judicial

Você gostaria de escrever e publicar no Âmbito Jurídico? Clique aqui para se cadastrar.


O tema é bastante novo e pertinente para discussão, considerando o elevado uso das ferramentas inseridas pela Lei n. 11.232/2005 e seu artigo 475 no Código de Processo Civil.


Com a nova sistemática implantada no processo executivo judicial e sua vital importância na divulgação de um resultado justo, explora-se a solicitação de efeito suspensivo quando da apresentação da Impugnação.


Pois bem, iniciado o processo executivo pelo credor e apresentada Impugnação aos valores executados, a única forma de exerce-se a devida apreciação, sem prejuízo de execução provisória, é o pedido de efeito suspensivo ao instituto.


Assim, mediante o artigo 475 – M do CPC é permitida a concessão do efeito pelo juiz, quando preenchido os seguintes requisitos:


I) relevância dos fundamentos apresentados na petição de impugnação do devedor;


II) que reste configurada a possibilidade de um dano grave para o executado, em caso de prosseguimento;


III) que o dano seja irreparável ou, pelo menos, de incerta reparação.


Ainda que a jurisprudência demonstre a apreciação de pronto pelos juízes na concessão do efeito, se faz necessário em muitos casos a apresentação de recurso adequado para o recebimento da suspensão do processo executivo.


Assim, em recurso já elaborado, e felizmente recebido e provido, nosso escritório inicia uma vasta gama de decisões favoráveis aos nossos clientes.


A apresentação do Agravo de Instrumento alegando a necessidade de concessão do efeito suspensivo à Impugnação da Execução, tem se mostrado completamente eficaz para sanar os vícios do juízo a quo.


A demonstração de equívocos executados é permitida somente em sede de Impugnação, e não têm sido poucos os casos que a defesa é devida pela parte devedora.


As execuções pelo art. 475- J do CPC, aplicadas com acréscimo da multa de 10% sobre o valor de condenação, tem sido o maior alvo dos recursos apresentados.


As partes Exeqüentes têm utilizado da multa como valor de condenação acrescido sem qualquer obrigação da parte devedora. É ai que surge de extrema importância e justiça, a apresentação de impugnação ao valor executado acrescido de efeito suspensivo.


Podemos ainda buscar o art. 558, do CPC, onde nos ajuda dizendo:


“O relator poderá, a requerimento do agravante, nos casos de prisão civil, adjudicação, remição de bens, levantamento de dinheiro sem caução idônea e em outros casos dos quais possa resultar lesão grave e de difícil reparação, sendo relevante a fundamentação, suspender o cumprimento da decisão até o pronunciamento definitivo da turma ou câmara.”


Surge então a possibilidade da prestação de caução pelo exeqüente para levantar o valor depositado pelo executado, o que se apresenta pouco usado, pela obviedade da questão.


Luiz Rodrigues Wambier e Maria Teresa Arruda Alvim Wambier[1] afirmam que “uma vez suspensa a execução, permite-se ao juiz somente ordenar providencias cautelares urgentes (conforme art. 793 do CPC)”.


Portanto, uma vez suspensa a execução, abre-se caminho para discussão tranqüila das questões controversas.


Assim, resta claro a importância do efeito suspensivo na Impugnação do executado, ainda que tenhamos que garantir o juízo no valor total executado.




Notas:

[1] WAMBIER, Luiz Rodrigues e WAMBIER, Teresa Arruda Alvim. Breves Comentários à Nova Sistemática Processo Civil 2. Editora: Revista dos Tribunais. SP, 2006.


Informações Sobre o Autor

Georgia Russowsky Raad

Sócia na Cabanellos Schuh Advogados Associados. LL.M Fordham University em Banking Corporate Finance Law 2013. Certificado Executivo em Compliance pelo Insper 2016


Você gostaria de escrever e publicar no Âmbito Jurídico? Clique aqui para se cadastrar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

LEITURAS RECOMENDADAS

A importância de um departamento jurídico para startups

Você gostaria de escrever e publicar no Âmbito Jurídico? Clique aqui para se cadastrar. Vanessa Muglia, CLO e cofundadora da BHub, dá dicas sobre como lidar com aspectos jurídicos e legais fundamentais para o funcionamento do negócio São Paulo, 18