A possibilidade de complementação de preparo em sede de juizados especiais estaduais

0


No direito brasileiro vê-se uma tendência do legislador de criar institutos em vistas de dar maior alcance às decisões de Tribunais Superiores, tais como a súmula vinculante introduzida pela Emenda Constitucional (EC) nº 45, e também no Código de Processo Civil (CPC), como a repercussão geral prevista no artigo 543-A, os recursos repetitivos no artigo 543-C e o julgamento liminar definitivo previsto trazido no artigo 285-A. Tais alterações processuais aumentam a influência dos precedentes judiciais, tal como nos países de common law, reforçando a corrente que entende que a jurisprudência deve ser aceita como uma das fontes do direito brasileiro, em contradição com a nossa tradição romanística.


Neste caminho, quando julgado o Recurso Extraordinário (RExt) 571.572/BA, no Supremo Tribunal Federal (STF), de 26 de agosto de 2009, a Ministra Ellen Gracie observou que na Lei 9.099/95 não há previsão de um órgão julgador com a finalidade de uniformizar as decisões em Juizados Especiais Estaduais, tal qual previsto nos Juizados Especiais Federais na Lei 10.259/01, em seu artigo 14, que diz que:


“Caberá pedido de uniformização de interpretação de lei federal quando houver divergência entre decisões sobre questões de direito material proferidas por Turmas Recursais na interpretação da lei.


§ 2o O pedido fundado em divergência entre decisões de turmas de diferentes regiões ou da proferida em contrariedade a súmula ou jurisprudência dominante do STJ será julgado por Turma de Uniformização, integrada por juízes de Turmas Recursais, sob a presidência do Coordenador da Justiça Federal”.


Ou ainda nos novos Juizados Especiais de Fazenda Pública, tutelado pela Lei 12.153/09, no texto do artigo 18, que diz:


Caberá pedido de uniformização de interpretação de lei quando houver divergência entre decisões proferidas por Turmas Recursais sobre questões de direito material.


§ 3o Quando as Turmas de diferentes Estados derem a lei federal interpretações divergentes, ou quando a decisão proferida estiver em contrariedade com súmula do Superior Tribunal de Justiça, o pedido será por este julgado”.


Desta forma, em seu voto, sugeriu que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) deveria avocar essa função uniformizadora até sanada a omissão do legislador, prevalecendo sua jurisprudência a respeito da legislação federal infraconstitucional aplicada nos Juizados Especiais Estaduais, utilizando para tanto a reclamação prevista no artigo 105 da Constituição Federal.


Diante disto e tendo em vista a construção jurisprudencial de nossa Corte Constitucional, o STJ expediu a Resolução nº 12/2009, regulando o processamento das reclamações destinadas a dirimir as divergências entre acórdãos prolatados por Turma Recursais Estaduais e a jurisprudência daquele órgão julgador. Assim, por este novo instrumento, através da Reclamação 3887/PR, distribuída em 18 de janeiro deste ano, que tem como relator o Ministro Aldir Passarinho Junior, a questão está sendo apreciada pelo STJ, como forma de formatar uma orientação há muito tempo pacífica em Juizados Especiais: a impossibilidade de complementação de custas para interposição de recurso no rito da lei 9.099/95.


Este entendimento, aprovado no XI Fórum Permanente de Coordenadores de Juizados Especiais Cíveis e Criminais do Brasil (FONAJE) sediado em Brasília, prevê:


“Enunciado 80 – O recurso inominado será julgado deserto quando não houve o recolhimento integral do preparo e sua respectiva comprovação pela parte, no prazo de 48 horas, não admitida a complementação intempestiva.”


Conforme se verifica no dia a dia da advocacia, a aplicação deste enunciado torna a interposição de Recurso Inominado, em face das sentenças proferidas em Juizados, bastante arriscada para as partes, principalmente nos Estados onde o preenchimento da guia de recolhimento é dificultado por inúmeros valores a serem pagos em diversos campos e contas, principalmente quando a quantia recolhida a menor é insignificante em relação ao total do preparo.


Ocorre que este entendimento aplicado nos Juizados Especiais Estaduais não está em consonância com a legislação processual vigente e, quando efetuada a leitura do artigo 511 do CPC, em especial seu parágrafo 2º, verifica-se que não há conflito deste com os princípios aplicáveis em Juizados Especiais:


“Art. 511 – No ato de interposição do recurso, o recorrente comprovará, quando exigido pela legislação pertinente, o respectivo preparo, inclusive porte de remessa e retorno, sob pena de deserção.


§2º – A insuficiência no valor do preparo implicará deserção, se o recorrente, intimado, não vier a supri-lo no prazo de cinco dias.”


Portanto, verifica-se que o posicionamento do Enunciado 80 do FONAJE nega vigência à parte final deste artigo, deixando indevidamente de reconhecer a eficácia desta norma jurídica.


No Paraná, a Turma Recursal Única, quando do recebimento do Recurso Inominado nº 2009.0005574-6, julgado em 29 de junho de 2009, aplicou a deserção por insuficiência de preparo, obrigando o advogado da recorrente a ingressar com Reclamação (recebida sob nº 3887/PR) junto ao STJ.


Nesse recurso, na inicial, o Reclamante, baseado no artigo 2º, I, da Resolução 12/2009, requereu, liminarmente, a suspensão do processo em instância inferior até julgamento final. A Reclamação de nº 3887/PR foi deferida em 4 de fevereiro de 2010, no STJ, pelo relator Ministro Aldir Passarinho Junior.


Em sua decisão o Ministro diz que: “O preparo do recurso inominado é um dos requisitos objetivos de admissibilidade do recurso. Estando ausente ou incompleto, a peça recursal não deve ser conhecida (…).Com efeito, é jurisprudência pacífica neste Superior Sodalício que o recolhimento do preparo recursal a menor não é causa automática de deserção, regra esta que se estende aos juizados especiais(…). Por isso, em um juízo perfunctório, presentes os requisitos ensejadores do pedido, defiro liminarmente a suspensão do processo que tramita no juizado especial.”


Diante dessa decisão liminar, vê-se que poderá ocorrer alteração do entendimento restritivo do enunciado 80 do FONAJE, possibilitando a complementação de preparo em sede de Juizados Especiais Cíveis e, por sua vez, necessitando ser alterada sua orientação.



Informações Sobre o Autor

Henrique Martins Vidigal

advogado na Siqueira Castro – Advogados no Rio de Janeiro. Especialista em Direito Processual Civil pela PUC-Rio


Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais