Comerciais da pirataria

0


São vistos no Brasil, corriqueiramente, anúncios de combate à pirataria. Basta o aluguel de um filme ou a ida a um cinema para se constatar o agora afirmado. Dentre as principais questões sensacionalmente combatidas está aquela que afirma ser a pirataria ligada ao crime organizado, não se abrindo qualquer exceção para tanto.


Uma das mais elucidativas propagandas é a de um vendedor ambulante que oferece o troco em “balas” ao comprador de um DVD contrafeito (“pirateado”). Ao abrir suas mãos, vê-se que as “balas” são projéteis de armas. Encerra-se o enunciado: “o dinheiro que circula na pirataria é o mesmo que circula no crime organizado”.


Já em outro comercial é usada uma criança com seu olhar inocente, assustada ao começar a ver o DVD pirata comprado pela mãe. Nele aparecem alguns criminosos agradecendo os compradores do disco por terem os ajudado na aquisição do armamento ilegal. “Comprar DVD pirata é patrocinar o crime”, são as palavras finais do anúncio. O olhar da criança é de medo, o meu de indignação.


Com palavras também sensacionalistas já posso afirmar: boa parte dos apaixonados por cinema já descobriu, em algum pacato dia, que participa do crime organizado.


Sabido é que na criminalidade econômica em âmbito global se encontram entranhadas as atividades de contrafação de produtos. Segundo dados da Interpol, trazidos pelo Conselho Nacional de Combate à Pirataria, essa atividade envolve um lucro de quinhentos bilhões de dólares por ano, mais que o tráfico de drogas internacional, independentemente de esse lucro ser ou não consequência da própria criminalização.


Misha Glenny (McMáfia: o crime organizado sem fronteiras), Moisés Naím (Ilícito: o ataque da pirataria, da lavagem de dinheiro e do tráfico à economia global) e até mesmo Roberto Saviano (Gomorra) trazem dados, fatos e experiências que comprovam a relação das diversas “criminalidades” em âmbito global. Assim, é possível entender que se queira enfrentar tais problemas. Mas devemos enfrentá-los com que armas? A da mentira, hipocrisia ou com a totalmente carregada de ideologias?


A forma como foram feitos os comerciais evidencia um interesse econômico das grandes gravadoras de CD’s e DVD’s e, também, do governo na arrecadação de impostos. Mentiram (ou manipularam, como quiserem) ao se opinar de forma tão generalizada.


A ideia que se passa é: 1) quem compra um disco por R$5,00 (três por R$10,00) com certeza compraria o original por R$15,00, R$25,00, R$45,00 ou R$125,00; 2) todo vendedor ambulante colabora com o crime organizado (e também quem está comprando). A ideia que não se vê é a seguinte: 1) o argumento de que “quem compra o ‘pirata’ compraria o original” tem sua fundamentação baseada no achismo (lembre-se de quanto vale o salário mínimo); 2) em forma de pergunta: o vendedor ambulante que faz desse meio o sustento de sua família (um gravador de discos é comprado em qualquer loja) tem que tipo de relação com a compra de armamentos pesados?


Penso que um artigo do psicólogo Alvino Augusto de Sá (GDUCC – Grupo de Diálogo Universidade, Cárcere, Sociedade: uma experiência que está dando certo), respeitadas as suas peculiaridades, pode ser aqui utilizado. Baseia-se o autor naquilo que o marxismo chama de “estado de alienação”, transportando tal pensamento para o campo criminológico: a alienação faz crer ser a marginalização social do criminoso uma consequência de sua conduta ilegal, quando na verdade, em grande maioria dos casos, a aderência à vida criminosa é consequência da sua (anterior ou primeira) condição de exclusão e marginalização.


Ao serem assistidos os comerciais percebe-se o agora aludido pelo psicólogo: “eles são do mal, nós somos do bem”, como se não tivéssemos qualquer responsabilidade pela situação em que “eles” se encontram. A escolha dos atores revela mais claramente isso. A mãe e a filha que começam a assistir o filme são lindas, pessoas de bem (ou seria ainda “de bens”?). O rapaz que compra tem a cara de bom moço. Já os vendedores… Não são “de bens”, quase todos pardos ou negros, “malandros” que devem ser excluídos.


Ressalta-se que não se duvida da boa intenção de tais comerciais. Que não se duvida estarem eles de acordo com a ideologia predominante e que por isso “deve-se” fazer tal combate. A apreensão dos produtos pirateados feita de forma constante me parece, contudo, uma saída mais proporcional e adequada para o fim que se almeja. Se o intuito do autor da contrafação é o lucro e, sendo seu produto apreendido constantemente, não trará aquela atividade mais benefício para si. Dessa forma, não haveria mais motivos para piratear. Entre isso e levar um sujeito ao cárcere por causa da venda de uns discos – que provavelmente ocorreu porque não lhe foram asseguradas condições mínimas de vida – há um caminho de princípios penais básicos que não devem ser desconsiderados em nome de quaisquer interesses econômicos.


Tomemos muito cuidado para não nos tornarmos também alienados.



Informações Sobre o Autor

Marcel Figueiredo Gonçalves

Advogado criminalista e Professor de Direito Penal em São Paulo. Mestre em Ciências Jurídico-Criminais pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais