Estupro e Crime Único

0

ESTUPRO


O sujeito, no mesmo contexto fático, que constrange a mesma vítima, mediante grave ameaça, e mantém com ela tanto conjunção carnal como coito anal, pratica (esse contexto fático único, contra a mesma vítima) crime único, conforme previsão do Código Penal, art. 213, com a redação dada pela Lei 12.015/2009.


A partir da referida lei, o legislador uniu os crimes de estupro e atentado violento ao pudor.


Conjunção carnal é a copula vagínica entre um homem e uma mulher. Ato libidinoso são os demais atos carnais capazes de produzir excitação sexual.


O bem jurídico protegido no crime de estupro é a liberdade sexual, ou seja, todos têm o direito de relacionar-se sexualmente com quem e quando quiser.


Antes da alteração legislativa de 2009, apenas o homem poderia ser considerado sujeito ativo (crime próprio), e somente a mulher seria sujeito passivo. A partir da vigência da Lei 12.015/2009 passou a ser crime comum, podendo ser praticado ou sofrido por homem ou mulher.


A primeira figura, constranger à conjunção carnal, era a única definição do crime de estupro. As outras modalidades de coito, que antes seria atentado violento ao pudor, com a nova lei agora configura a segunda figura de estupro (ato libidinoso diverso).


Cesar Roberto Bitencourt leciona que:


“libidinoso é ato lascivo, voluptuoso, que objetiva prazer sexual, aliás, libidinoso é espécie do gênero atos de libidinagem que envolve também a conjunção carnal. Embora a cópula vagínica também seja ato libidinoso, não é, juridicamente, concebida como ato libidinoso diverso, sendo abrangida pela primeira figura. Aliás, as duas figuras, conjunção carnal e ato libidinoso diverso, são espécies do gênero atos de libidinagem”. (BITENCOURT, 2010, p.48)


Para as condutas consumadas antes da vigência da referida Lei, estupro e atentado violento ao pudor são crimes de espécies distintas, logo, não há continuidade delitiva. Devendo-se aplicar, portanto, o concurso material de crimes.


O artigo 69 do Código Penal conceitua que o concurso material ocorre quando o agente, “mediante mais de uma ação ou omissão, pratica dois ou mais crimes, idênticos ou não”.


O artigo 71 do mesmo diploma legal menciona que crime continuado ocorre quando o agente, “mediante mais de uma ação ou omissão, pratica dois ou mais crimes da mesma espécie e, pelas condições de tempo, lugar, maneira de execução e outras semelhantes, devem os subseqüentes ser havidos como continuação do primeiro”


Assim diz Mirabete: “não são crimes da mesma espécie, pois, enquanto neste a lei protege a própria inviolabilidade carnal, naquele o bem jurídico objeto da tutela penal é a liberdade sexual no sentido estrito” (MIRABETE, Julio Fabbrini. Manual de Direito Penal, vol. II. 25ª ed. São Paulo: Atlas, 2007, pág. 411).


Antes da alteração legislativa a pratica de conjunção carnal e outros atos libidinosos eram somadas, sendo apenadas de forma mais grave. Contudo, com a alteração da Lei o crime de estupro passou a ser de ação múltipla e conteúdo variado, unidos em um só tipo penal.


Segundo orientações de Luiz Flavio Gomes trata-se de:


“crime único, mas que deve ser punido mais severamente (porque, em razão da pluralidade de ações, maior é o desvalor do fato). A pena, como já dizia Beccaria (1764), em razão do princípio da proporcionalidade, tem que guardar correspondência com o nível de graduação (reprovação) do fato. Quanto mais reprovável o fato mais sanção se justifica” (GOMES, 2010)


Portanto, quando houver a mesma vítima, mesmo contexto fático e mesmo bem jurídico tutelado, trata-se de crime único, merecendo, no entanto punição mais severa por ser maior o desvalor da ação.


 


Referências bibliográficas:

BITENCOURT, Cesar Roberto. Tratado de Direito Penal: parte especial,dos crimes contra a dignidade sexual até dos crimes contra a fé pública.4.ed.rev.atual.e ampl. São Paulo: Saraiva, 2010.vol.4

GOMES, Luiz Flávio. SOUSA, Áurea Maria Ferraz de. Estupro e atentado violento ao pudor: crime único ou concurso de crimes? Disponível em: << http:// www.lfg.com.br >>01 de julho de 2010.

MIRABETE, Julio Fabbrini. Manual de Direito Penal. 25. ed. São Paulo: Atlas, 2007, pág. 411.vol.2

Informações Sobre o Autor

Lorhainy Ariane Lagassi Martinelli

pós-graduada em Ciências Penais


Julgamento Caso Kiss: para Promotor aposentado não houve dolo no caso da boate Kiss
Clique Aqui e Saiba Mais!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais