O casamento

0

A humanidade, neste final de século e
início de um novo milênio, vive  momentos de profunda comoção, trauma e
retrocesso moral, com a inversão total dos valores, atentando contra a natureza
e a espécie humana.

Guerras, atos de
terrorismo, crimes hediondos, violência contra seres humanos, velhos, crianças
e mulheres indefesos, torturas, seqüestros, absurdo casamento de duas mulheres,
como também o  seria se fosse entre dois homens, com o consentimento da
oficiala do 2° Subdistrito Civil de Belo Horizonte, que
aceitou a documentação apresentada, para a habilitação, visto que as 
“nubentes,” vêem brechas no Código Civil que autorizaria essa união espúria.

Noticia a
imprensa  –  Jornal de Brasília, de 13 de dezembro de 1998 – que uma
enfermeira e uma psicóloga, com extrema convicção jurídica (poderão ser ótimas
profissionais em sua sede de atuação, mas não na área jurídica), ensinam que o
artigo 183 do Código Civil não exige que a união se realize entre homem e
mulher, nem entre os impedimentos se encontra a proibição de união entre
pessoas do mesmo sexo. Até seu erudito causídico, advoga essa tese estapafúrdia, dando
como certo o consentimento do magistrado e do promotor de justiça, o que, com
certeza, não ocorrerá! Diz, ainda, que, na Holanda, o casamento gay ganha foros
de legalização, mercê do movimento liberal que por lá grassa. Aliás, nada disso
é novidade.

Trata-se, na verdade, de licenciosidade
e não de liberdade, condenada na Bíblia, quando Sodoma e Gomorra
receberam o devido castigo. A vida é  o bem mais  precioso  do
ser  humano. A vida sem liberdade não tem qualquer significado, nem
dignidade. A liberdade, porém, não se confunde com a licenciosidade.

Ao contrário do que professam as cultas
“nubentes,” que certamente não leram o Código nem a Constituição ou não a
entenderam, não há nenhuma brecha na lei civil.

O Código Civil, em todo Título
referente ao casamento, faz expressa e inequívoca referência ao marido e à
mulher – homem e mulher – e não poderia ser diferente, o mesmo ocorrendo, nos
demais títulos e capítulos pertinentes.

O Anteprojeto do Código Civil não
destoa dessa linha, quando indica que a mulher casada assume a condição de
consorte, companheira e colaboradora do marido na direção e nos encargos da
família. Por outro lado, o art. 226 da Carta Magna determina, com ênfase e
precisão cirúrgica, que a família é a base da
sociedade e o casamento é civil e gratuito,  reconhecido ainda o
religioso, e os direitos e deveres referentes à sociedade conjugal são
exercidos igualmente pelo homem e pela mulher, somente recebendo a proteção do
Estado a união estável entre o homem e a mulher, como entidade familiar. Esta é
estendida à comunidade familiar formada por qualquer dos pais e seus
descendentes e nunca pela união entre seres do mesmo sexo.

A Lei 9278, de 10 de maio de 1996,
regulamenta o § 3º do artigo 226 do Código e consagra,
como entidade familiar, a convivência duradoura, pública e contínua, de um
homem e uma mulher, estabelecida com objetivo de constituição de família.

A seu turno, o Projeto de Lei 1115/95,
de autoria da nobre e erudita Deputada Marta Suplicy, peca pela total
incongruência e inconstitucionalidade, pois, por via transversa, pretende
introduzir o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

A Declaração Universal dos Direitos
Humanos garante aos homens e às mulheres de maior idade, sem qualquer restrição
de raça, nacionalidade ou religião, o direito de contrair matrimônio e fundar
uma família, assentando, inequivocamente, ser esta o núcleo fundamental da
sociedade, sob a proteção da sociedade e do Estado. Em nenhum momento autoriza
o casamento de pessoas do mesmo sexo. A proteção individual que lhe és devida,
como a qualquer ser humano, não pode destruir uma instituição que a humanidade
construiu há milhares de anos, a custa de um contínuo aprimoramento.

Qualquer interpretação diversa estará
fraudando o sistema jurídico brasileiro, com afronta aos princípios mais caros
à  humanidade.

Os romanos jamais transigiram com o
instituto do casamento, assim que o definia como  a conjunção do homem e
da mulher que se associam para a vida toda.

Os grandes pensadores sempre viram no casamento a união entre o homem e a mulher, como
meio de se reproduzirem, perpetuando a espécie, e ajudarem-se mutuamente. Sem
dúvida, além desses pressupostos fundamentais, não há que se olvidar a relação
de amor que enlaça os nubentes.

O Novo Dicionário Aurélio também
conceitua o casamento como o ato solene de união entre duas pessoas de sexos
diferentes.

As Escrituras Sagradas, no Gênesis,
aclaram haver Deus criado o homem e o colocado no jardim do Éden, para o cultivar e guardar; contudo disse-lhe que não era bom que
ficasse só, daí ter-lhe tomado uma costela, transformando-a numa mulher, para a
ela se unir, tornando-se os dois uma só carne. E deu Adão o nome de Eva a sua
mulher.

Mesmo os que não acreditam no mistério
da criação, não podem jamais negar que, desde os princípios dos tempos e das
civilizações, o casamento sempre foi a união entre o
homem e a mulher, sendo inconcebível entre pessoas do mesmo sexo.

Noé, quando recebeu a ordem divina para
recolher-se à Arca, devia fazê-lo, levando consigo a sua mulher, além de seus
filhos, e as mulheres de seus filhos.

A sociedade não pode transigir,
absolutamente, com princípios, sob pena de afundar-se irremediavelmente. E,
quando isso acontece, ela sucumbe.

A decadência das grandes civilizações
operou-se com a devassidão moral, com as guerras injustas, que produzem
sofrimento desnecessário e perdas irreparáveis ao ser humano.

A sociedade não pode ficar inerte, sob
pena de perecer, irremediavelmente.

Eis:

“Quão doce é o casamento! Quão doce, a
união entre o homem e a mulher! Que mais querem?”


Informações Sobre o Autor

Leon Frejda Szklarowsky

escritor, poeta, jornalista, advogado, subprocurador-geral da Fazenda Nacional aposentado, especialista em Direito do Estado e metodologia do ensino superior, conselheiro e presidente da Comissão de Arbitragem da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Distrito Federal, juiz arbitral da American Arbitration Association, Nova York, USA, juiz arbitral e presidente do Conselho de Ética e Gestão do Centro de Excelência de Mediação e Arbitragem do Brasil, vice-presidente do Instituto Jurídico Consulex, acadêmico do Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal (diretor-tesoureiro), da Academia de Letras e Música do Brasil, da Academia Maçônica de Letras do Distrito Federal, da Academia de Letras do Distrito Federal, da Associação Nacional dos Escritores, da Academia Brasileira de Direito Tributário e membro dos Institutos dos Advogados Brasileiros, de São Paulo e do Distrito Federal, Entre suas obras, destacam-se: LITERÁRIAS: Hebreus – História de um povo, Orquestra das cigarras, ensaios, contos, poesias e crônicas. Crônicas e poesias premiadas. JURÍDICAS: Responsabilidade Tributária, Execução Fiscal, Medidas Provisórias (esgotadas), Medidas Provisórias – Instrumento de Governabilidade. Ensaios sobre Crimes de Racismo, Contratos Administrativos, arbitragem, religião. Condecorações e medalhas de várias instituições oficiais e privadas.


Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais