O diploma como um embuste

0

Resumo: No que
me concerne à memória, não lembro de ter ouvido que Montesquieu era advogado ou
que Adam Smith fosse graduado em ciências econômicas. Tampouco que Karl Marx
era filósofo, sociólogo, economista e/ou cientista político. Poderiam me dizer
se Hegel era bacharel em filosofia? Ou se Winston Churchill tinha formação acadêmica em estratégia militar?
Thomas Mann era formado em letras? Quanto a Orson
Welles, ostentava ele um diploma de cineasta?

Tive a oportunidade de ler, há alguns dias, um artigo do colunista
Diogo Mainardi, em que o mesmo preconiza a idéia de
que a função do intelectual é dizer o indizível e pensar o impensável. No que
tange à sua concepção, não há divergência alguma. Compartilho da opinião de Mainardi em todos os aspectos de sua argumentação. Ocorre
que este que vos escreve, pretensioso que é, resolveu estender a pauta de
análise do colunista retromencionado. Hei, pois, de
expor meu ponto de vista.

Há dois tipos de intelectuais no mundo – o intelectual sábio e
autêntico e o intelectual tacanho e replicante. Como
na vida está-se sujeito a confrontar com tudo quanto é estirpe de homo sapiens-sapiens – ou similar – que
manifeste existência, desfrutei da insossa e desagradável oportunidade de
confrontar-me com um intelectual do segundo tipo: tacanho, replicante
e, não obstante, cético e no limiar da imaturidade.

Dir-se-á, a priori, que não se invoca aqui uma crítica à pessoa, e sim às
idéias arqueadas pela mesma. Que sejam, pois, idéias. Combatamo-nas tanto
quanto pudermos, contanto que disponhamos de argumentos. Sigamos com o fato.

A pauta de discussão in casu aludia à Emenda Constitucional 16, referente à
reeleição de FHC, votada pelo Congresso Nacional no ano de 1997. Divergíamos,
por óbvio, em nossas concepções: ele era contra, eu a favor. Prescindindo dos
detalhes e demais aspectos acerca da pauta, disse-me ele que não respeitava
minha opinião em razão do fato de eu ser acadêmico de Direito, e não de
História, curso em que ele é graduado. Estávamos, obviamente, em um ambiente
constituído maciçamente por acadêmicos de História – três, num total de quatro.
O motivo pelo qual eu me sublevei é concernente ao fato de que sou esmerado
estudioso de tal ciência e, postando a modéstia de lado, tenho uma razoável
base teórico-argumentativa.

Veio-me
à tona  idéias
um tanto deslocadas e que urgiam  uma
argumentação mais concisa para melhor se coadunarem. A razão pela qual ele
alegou desmerecer minha opinião estava vinculada ao fato de eu não ser um
acadêmico de História. O mote da problemática é que, se é imprescindível ser
graduado em determinada ciência para ter sua opinião respeitada e discutida,
far-se-á necessário passar a borracha em pelo menos metade da – suprema
coincidência paradoxal! – História!

No que me concerne à memória, não lembro de ter ouvido que Montesquieu
era advogado ou que Adam Smith fosse graduado em ciências econômicas. Tampouco
que Karl Marx era filósofo, sociólogo, economista e/ou cientista político.
Poderiam me dizer se Hegel era bacharel em filosofia? Ou se Winston
Churchill tinha formação acadêmica em estratégia mlitar? Thomas Mann era formado em letras? Quanto a Orson Welles, ostentava ele um diploma de cineasta?

Longe deste que vos escreve almejar ser comparado às personalidades
eminentes acima mencionadas. Mesmo porque falta-me não
só a genialidade, bem como experiência e maturidade intelectual. Todavia, tais
fatores não prerrogam razões para minha subjugação
enquanto articulador de idéias e conceitos. Não aspiro que minhas opiniões e
pontos de vista sejam assentidos e corroborados por todos que deles tenham
conhecimento. Entretanto, o respeito à idéia alheia é condição sine qua non para o crescimento e simbiose conceitualista do
bojo intelectual de qualquer indivíduo.

Devo, porém, estar equivocado em minhas declarações. Talvez o diploma
realmente constitua ferramenta inalienável para a emissão de uma opinião
concernente à ciência em pauta discursiva. Quando forem discutir quaisquer
aspectos relativos à ciência histórica, devo me abster e permanecer calado. E
devo também ser exonerado de minha função de monitor da disciplina. O meu
desafeto ideológico deve mesmo estar certo. Quem sabe seja eu, e não ele, o intelectualóide. Qualquer imbecil que seja, contanto que
graduado – ou graduando – em História, está mais capacitado para discutir a
ciência do que eu. Ater-me-ei, pois,  tão-somente ao Direito, ciência a que
me propus  aprofundar meus estudos. E se
Montesquieu ainda estivesse vivo e ousasse discutir comigo quaisquer aspectos
atinentes à ciência jurídica, replicar-lhe-ia para que calasse a boca, pois
jamais respeitaria a opinião de um despreparado que não fosse graduado em
Direito.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Lindolpho Cademartori

 

Acadêmico de Direito na Universidade Federal de Goiás e colunista da Revista Autor (www.revistaautor.com.br), do Mídia Sem Máscara (www.midiasemmascara.org), d’O Debatedouro (www.odebatedouro.com.br), do DupliPensar (www.duplipensar.net) e do Jornal Opção.

 


 

Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais