Audiência de Custódia no Processo Penal

Resumo: O artigo elaborado analisa dentro da legislação processual penal brasileira, a audiência de custódia, sua aplicação e os reflexos dentro do ordenamento jurídico brasileiro. Tal estudo foi realizado com base em pesquisa científica, jurisprudencial e doutrinária, considerando as obras de PAIVA (2015), GIACOMOLLI (2015), LOPES JR (2014) e outros, realizando uma análise sobre a sua necessidade como medida de proteção do indivíduo detido, já que a prisão virou regra e muitas vezes ocorre sem fundamento jurídico. Conclui-se que tal medida é uma forma de diminuir as ilegalidades e reduzir a população carcerária, bem como possibilitar o controle judicial de atos de maus tratos e tortura.

Palavras-chave: Audiência de Custódia. Cárcere. Garantias. Constituição Federal. Tratados Internacionais.

Sumário: 1. Introdução. 2. Desenvolvimento. 3. Conclusão. 4. Referências

Introdução

O presente artigo tem como objetivo estudar o instituto Audiência de Custódia, assunto que está sendo discutido no Senado Federal por meio do projeto de lei nº 55/2011, que determina tal audiência como medida necessária no processo penal brasileiro. Conforme se vê:

“Art. 306. (…)

§ 1.º No prazo máximo de vinte e quatro horas após a prisão em flagrante, o preso será conduzido à presença do juiz para ser ouvido, com vistas às medidas previstas no art. 310 e para que se verifique se estão sendo respeitados seus direitos fundamentais, devendo a autoridade judicial tomar as medidas cabíveis para preservá-los e para apurar eventual violação.

§ 2.º A oitiva a que se refere o § 1.º não poderá ser utilizada como meio de prova contra o depoente e versará, exclusivamente, sobre a legalidade e necessidade da prisão; a prevenção da ocorrência de tortura ou de maus-tratos; e os direitos assegurados ao preso e ao acusado.

§ 3.º A apresentação do preso em juízo deverá ser acompanhada do auto de prisão em flagrante e da nota de culpa que lhe foi entregue, mediante recibo, assinada pela autoridade policial, com o motivo da prisão, o nome do condutor e os nomes das testemunhas.

§ 4.º A oitiva do preso em juízo sempre se dará na presença de seu advogado, ou, se não o tiver ou não o indicar, na de Defensor Público, e na do membro do Ministério Público, que poderão inquirir o preso sobre os temas previstos no § 2.º, bem como se manifestar previamente à decisão judicial de que trata o art. 310 deste Código”.

O respaldo jurídico do citado projeto é a Convenção Americana sobre Direitos Humanos (Pacto de San Jose da Costa Rica) que foi ratificada em nosso país, no ano de 1992.

Além da Convenção Americana de Direitos Humanos, há o Pacto de Direitos Civis e Políticos (também ratificado pelo Brasil, desde 1992), no seu art. 9º, item 3, que regulamenta: […] qualquer pessoa presa ou encarcerada em virtude de infração penal deverá ser conduzida, sem demora, à presença do juiz ou de outra autoridade habilitada por lei a exercer funções judiciais e terá o direito de ser julgada em prazo razoável ou de ser posta em liberdade.

Apesar de ainda não estar legalizado no Brasil, o Conselho Nacional de Justiça, por meio da resolução nº 213 de 15/12/15 regulamentou a audiência de custódia.    

O presente trabalho objetiva analisar o conceito e quais são os objetivos da implementação da Audiência de Custódia, bem como as (possíveis) consequências que sua implementação irá trazer.

Desenvolvimento

Para Paiva (2016), o conceito e a finalidade da audiência de custódia seriam:

O conceito de custódia se relaciona com o ato de guardar, de proteger. A audiência de custódia consiste, portanto, na condução do preso, sem demora, à presença de uma autoridade judicial, que deverá, a partir de prévio contraditório estabelecido entre o Ministério Público e a Defesa, exercer um controle imediato da legalidade e da necessidade da prisão, assim como apreciar questões relativas à pessoa do cidadão conduzido, notadamente a presença de maus tratos ou tortura. Assim, a audiência de custódia pode ser considerada como uma relevantíssima hipótese de acesso à jurisdição pena.

A audiência de custódia é o ato que o sujeito preso é apresentado à autoridade judiciária, o juiz.  Não somente é enviado ao juiz o auto de prisão em flagrante, mas também o acusado é apresentado pessoalmente. Tal regra só é válida para as prisões processuais, aquelas que ocorrem antes da sentença penal condenatória.

A apresentação do preso deve ocorrer em, no máximo, 24 horas, e em sua oitiva devem estar presentes o Ministério Público e a Defesa, defensoria pública ou particular. Devem ser analisadas a legalidade da sua prisão, possível hipótese de tortura, bem como se os seus direitos estão sendo assegurados.

Nesse momento ocorrerá somente uma entrevista, não haverá interrogatório, nem será discutido o mérito da prisão.

Com o fim da audiência, o juiz observará o art. 310 do Código de Processo Penal: relaxará a prisão ilegal; converterá a prisão em flagrante em preventiva; ou concederá liberdade provisória com ou sem fiança, sempre fundamentando a sua decisão sob pena de nulidade.

Essa audiência tem como finalidade o Princípio da Excepcionalidade, pelo qual a prisão cautelar deve ser tratada como a última punição atribuível ao caso. Nesse sentido, Lopes Jr :

[…] a excepcionalidade deve ser lida em conjunto com a presunção de inocência, constituindo um princípio fundamental de civilidade, fazendo com que as prisões cautelares sejam (efetivamente) a ultima racio do sistema, reservadas para casos mais graves, tendo em vista o elevadíssimo custo que representam. (LOPES, 2014, P. 817).

Noutro giro, a grande importância da audiência de custódia são os objetivos que ela possui. São eles:  devido cumprimento do Tratado Internacional ratificado pelo Brasil em defesa dos Direitos Humanos: Convenção Americana dos Direitos Humanos, defesa preventiva de atos de tortura, evitar prisões ilegais e diminuir a superlotação nas entidades prisionais.

O devido cumprimento do Tratado Internacional ratificado pelo Brasil em defesa dos Direitos Humanos: Convenção Americana dos Direitos Humanos.  Este, segundo Paiva (2015, p. 34), é o principal objetivo da implementação da Audiência de Custódia. Ora, se o Brasil é signatário do Tratado em questão, deve(ria) ajustar seu ordenamento jurídico para que fique em conformidade com as regras então ratificadas. A grande questão é que o Brasil ratificou tal Tratado há mais de vinte anos atrás e só agora o tema da audiência de custódia, nele contida, vem sendo discutido.

Prevê a Convenção, em seu artigo 7.5:

“Toda pessoa presa, detida ou retida deve ser conduzida, sem demora, à presença de um juiz ou outra autoridade autorizada por lei a exercer funções judiciais e tem o direito de ser julgada em prazo razoável ou de ser posta em liberdade, sem prejuízo de que prossiga o processo. Sua liberdade pode ser condicionada a garantias que assegurem o seu comparecimento em juízo.” (AMERICANOS, Organização dos Estados. PACTO DE SAN JOSÉ DE COSTA RICA. San José: Organização dos Estados Americanos, 1969. Disponível em: https://www.cidh.oas.org/basicos/portugues/c.convencao_americana.htm. Acesso em: 30 de novembro de 2016).

O Comitê de Direitos Humanos da ONU determinou que o atraso entre a prisão de um acusado e o momento em que ele comparece perante o juiz “não deve ultrapassar alguns dias”, nem mesmo durante estado de emergência.

Evidentemente, o Brasil precisa se adequar aos acordos celebrados nos tratados e convenções internacionais, devendo, dessa maneira, assegurar uma leitura convencional e constitucional do processo penal brasileiro.

Da defesa preventiva de atos de tortura: a apresentação do preso ao juiz, no prazo de até 24 horas, previne o tratamento desumano ou degradante contra o cidadão nos interrogatórios policiais. Proporcionando ao detido seus direitos humanos. Nesse sentido, Paiva:

“[…] a medida pode contribuir para a redução da tortura policial num dos momentos mais emblemáticos para a integridade física do cidadão, o qual corresponde às primeiras horas após a prisão, quando o cidadão fica absolutamente fora de custódia, sem proteção alguma diante de (provável) violência policial.” (PAIVA, 2015, p. 37)

O terceiro objetivo da audiência é evitar prisões ilegais. O magistrado deve fazer uma análise detalhada para que o cidadão não sofra constrangimento ilegal. Ao verificar somente o auto de prisão em flagrante, portanto somente a acusação, sem a manifestação de defesa, torna mais complexa a interprestação da legalidade.

Ademais, na presença física do preso ao juiz, a defesa é aumentada, já que o acusado pode se defender pessoalmente e com a presença de seu defensor. Tal idéia é o significado do Princípio da Paridade das Armas, pelo qual ambas as partes devem possuir a mesma chance de ataque e contra-ataque.

Luigi Ferrajoli conceitua:

Para que a disputa se desenvolva lealmente e com paridade de armas, é necessária, (…), a perfeita igualdade entre as partes: em primeiro lugar, que a defesa seja dotada das mesmas capacidades e dos mesmos poderes da acusação; em segundo lugar, que o seu papel contraditor seja admitido em todo estado e grau do procedimento e em relação a cada ato probatório singular, das averiguações judiciárias e das perícias ao interrogatório do imputado, dos reconhecimentos aos testemunhos e às acareações. (Ferrajoli, 2006, p. 565)

Por sua vez, enumeram Luiz Flávio Gomes e Valério de Oliveira Mazzuoli:

Mas a igualdade não pode ser, evidentemente, somente formal: o correto enfoque da 'paridade de armas' leva ao reconhecimento não de uma igualdade estática, senão dinâmica, em que o Estado deve suprir desigualdades para vivificar uma igualdade real. Se o devido processo é a expressão jurisdicional democrática de um determinado modelo de Estado, essa igualdade somente pode ser a substancial, efetiva, real. As oportunidades dentro do processo (de falar, de contraditar, de reperguntar, de opinar, de requerer e de participar das provas etc.) devem ser exatamente simétricas, seja para quem ocupa posição idêntica dentro do processo (dois réus, v.g.), seja para os que ostentam posição contrárias (autor e réu, que devem ter, em princípio, os mesmos direitos, ônus e deveres). (GOMES, MAZZUOLI, 2010, p. 113)

Por fim, o último objetivo, podemos falar da diminuição da superlotação nas entidades prisionais.

Segundo informações do Conselho Nacional de Justiça, O Brasil possui 994.985 pessoas presas, entre as quais 244.034 seriam de pessoas presas provisoriamente. O Brasil ocupa o quarto lugar entre os países com o maior contingente de pessoas presas, atrás de Estados Unidos da América, China e Rússia. Considerando também as prisões domiciliares e em regime aberto, alcançamos o terceiro lugar.

Diante dos dados e da realidade brasileira, é necessário que o Estado promova alterações no sistema carcerário do país. Por essa razão, a audiência de custódia também tem como finalidade diminuir a superlotação nos presídios. Além disso, só será posto em liberdade quem seria vítima de um encarceramento ilegal, pois se a prisão for necessária, o sujeito será mantido preso.

Corroborando o assunto, o Conselho Nacional de Justiça elencou os (possíveis) resultados da realização da Audiência de Custódia:

– O relaxamento de eventual prisão ilegal (art. 310, I, do Código de Processo Penal); 

– A concessão de liberdade provisória, com ou sem fiança (art. 310, III, do Código de Processo Penal); 

– A substituição da prisão em flagrante por medidas cautelares diversas (arts. 310, II, parte final e 319 do Código de Processo Penal);

– A conversão da prisão em flagrante em prisão preventiva (art. 310, II, parte inicial);

– A análise da consideração do cabimento da mediação penal, evitando a judicialização do conflito, corroborando para a instituição de práticas restaurativas;

– Outros encaminhamentos de natureza assistencial.

Conclusão

Conforme o exposto acima, verifica-se que a audiência de custódia é uma ferramenta para a aplicação dos direitos humanos, da dignidade da pessoa humana e dos direitos e garantia fundamentais, já que oferece ao preso o rápido contraditório, evita as prisões sem necessidade, reduz a superlotação carcerária e protege a integridade física do detido contra os atos de tortura.

Por conseguinte, entende-se que o instituto vem ao encontro das garantias individuais, particularmente no que tange à presunção de inocência e devido processo legal, favorecendo não só o indivíduo que ficará livre de uma prisão ilegal, mas também a sociedade que pode encontra nesta, uma providência para iniciar a mudança do costume do encarceramento em massa como forma de solução dos problemas da segurança pública.

 

Referência:
AMERICANOS, Organização dos Estados. PACTO DE SAN JOSÉ DE COSTA RICA. San José: Organização dos Estados Americanos, 1969. Disponível em: https://www.cidh.oas.org/basicos/portugues/c.convencao_americana.htm. Acesso em: 30 de novembro de 2016.
BRASIL. Decreto nº 592 de 06/07/1992. Atos Internacionais. Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos. Promulgação. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/d0592.htm. Acesso em: 16 de novembro de 2016.
Brasil. Decreto Lei 3689/41. Código de Processo Penal. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del3689.htm – Código de Processo penal. Acesso em: 05 de dezembro de 2016.
FEDERAL, Senado. Projeto de Lei do Senado nº 554, de 2011. Disponível em:  https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/102115. Acesso em: 03 de dezembro de 2016.
FERRAJOLI, Luigi. Direito e razão: teoria do garantismo penal. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006, p. 565.
GIACOMOLLI, Nereu José. O devido processo penal: abordagem conforme a Constituição Federal e o Pacto de São José da Costa Rica. São Paulo: Atlas, 2015.
GOMES, Luiz Flávio; MAZZUOLI, Valério de Oliveira. Comentários à convenção americana sobre direitos humanos: Pacto de San José da Costa Rica. 3. Ed. São Paulo: RT, 2010, p. 113.
JUSTIÇA, Conselho Nacional. Resolução 2013. Disponível em: http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/arquivo/2015/12/48d1666d3cfc32e3449857c6f0a0b312.pdf – resolução 213. Acesso em 07 de dezembro de 2016.
LOPES, Aury Jr Direito Processual Penal. São Paulo: Saraiva, 2014.
ONU, Comitê dos Direitos Humanos. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/abc/onu/comites_dh.htm-. Acesso em: 05 de dezembro de 2016.
PAIVA, Caio. Audiência de custódia e o processo penal brasileiro. Florianópolis: Empório do Direito, 2015.
PAIVA, Caio. Na Série “Audiência de Custódia”: conceito, previsão normativa e finalidades. Disponível em: http://justificando.com/2015/03/03/na-serie-audiencia-de-custodia-conceito-previsao-normativa-e-finalidades/ . Acesso em: 06 de dezembro de 2016.

Informações Sobre o Autor

Lívia Mara de Lucas Magalhães

Graduada em Direito pela Pontíficia Universidade Católica de Minas Gerais / BH em 2004. Pós Graduada em Direito Administrativo e Direito Ambiental pela Faculdade Cândido Mendes em 2012. Tecnóloga em Gestão Pública pela faculdade Estácio de Sá em 2016. Analista Judiciária do Ministério Público de Minas Gerais


Esse conteúdo ajudou você? Está precisando comprar um livro?  Clique AQUI e vá direto para Livraria do Âmbito Jurídico!

A Prova do Ilícito Típico Antecedente no Crime de…

THE PROOF OF THE PREDICATE OFFENCE IN MONEY LAUNDERING Antonio Cesar Miranda Aranha de Araujo – Advogado e mestrando em Direito Penal pela Universidade...
MariaEduarda
72 min read

Participação ativa da vítima na fase inquisitorial

Francisco Mailson de Oliveira Silva – Advogado. Pós-graduado em processo penal. autor de livro. e-mail: [email protected] Resumo: Trata-se de artigo em que se explana...
MariaEduarda
17 min read

Estupro de Vulnerável: a Valoração da Palavra da Vítima…

Matheus de Padua Vale Marcos Antônio Duarte Silva Resumo: O presente artigo tem como tema central o Estupro de Vulnerável e a valoração da...
MariaEduarda
45 min read

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *