Contratação dos serviços de manutenção predial pela administração pública: concorrência ou pregão eletrônico? Aspectos a serem considerados

0

Resumo: Abordagem doutrinária sobre as modalidades de contratação cabíveis para os serviços de manutenção predial preventiva e corretiva com o fornecimento de materiais de contratos com valor superior a R 1.500.00000. Análise da opção pela modalidade de concorrência em detrimento do pregão eletrônico e vice-versa. Debate sobre os precedentes do TCU à luz da legislação em vigor.

Palavras chave: Administrativo. Licitação. Serviços de manutenção predial preventiva e corretiva com o fornecimento de materiais. Contratos de valor superior a R$ 1.500.000,00. Opção pela modalidade de concorrência em detrimento do pregão eletrônico. Possibilidade ou impossibilidade?

Não raras vezes, a administração pública confunde os critérios de enquadramento do procedimento licitatório tendente à contratação dos serviços de manutenção predial. A confusão, geralmente, se dá no âmbito de contratos vultosos (de valores acima de R$ 1.500.000,00), pois, via de regra, o caso engloba serviços de grande monta – que podem ou não ser complexos. E é aí que surge a dúvida: se o caso permite a utilização do pregão eletrônico ou se requer, necessariamente, uma concorrência pública. São sempre os contratos de grandes itens (de alto valor) dotados de complexidade? A magnitude da contratação é critério de decisão para a opção entre pregão eletrônico ou concorrência? Veremos adiante. 

Em primeiro lugar, vale ressaltar que a análise deve ser feita caso a caso e independe da situação abstrata caracterizada pela vontade do gestor. Depende sim dos documentos constantes dos autos. Em alguns casos, os documentos do processo de licitação tratam e caracterizam o objeto da contratação como sendo um “serviço comum”, mas os serviços listados ensejam tamanha especificidade técnica, que acabam por desvirtuar o caráter “comum” dos serviços a serem prestados.

De outro lado, às vezes o gestor trata o objeto da contratação como passível da escolha pela modalidade da concorrência, mas verifica-se a ausência de complexidade dos serviços a serem prestados, gerando a obrigatoriedade do uso do pregão eletrônico no caso concreto.

Mas quando optar pelo pregão eletrônico em detrimento da concorrência e vice-versa?

Medida que se impõe, por parte do parecerista, tem natureza de verdadeira investigação, até mesmo se debruçando em área de conhecimento que não lhe é afeta – no caso, a engenharia.

De início, cumpre esclarecer que tal caracterização (serviço comum ou não) integra a fase de planejamento do processo. A essa é a fase mais importante do certame, pois serve para delimitar todos os demais aspectos a serem analisados no processo de contratação. Assim, vale a pena transcrever o seguinte posicionamento do TCU:

“Súmula do TCU, nº 177: “A definição precisa e suficiente do objeto licitado constitui regra indispensável da competição, até mesmo como pressuposto do postulado de igualdade entre os licitantes, do qual é subsidiário o princípio da publicidade, que envolve o conhecimento, pelos concorrentes potenciais das condições básicas da licitação, constituindo, na hipótese particular da licitação para compra, a quantidade demandada uma das especificações mínimas e essenciais à definição do objeto do pregão”

Uma vez que a administração não delinear com clareza qual o real objetivo da contratação, pode restar caracterizada uma contratação “guarda-chuva”, o que é inteiramente vedado pela jurisprudência do TCU.

Num caso concreto onde, por exemplo, se prevê a contratação de serviços de manutenção predial (manutenção preventiva, corretiva e serviços eventuais, emergenciais ou urgentes), o que, via de regra, por cuidar de serviço comum (com fornecimento de materiais comuns), é feito pelo pregão eletrônico, mas, ao mesmo tempo, há informação da contratação de serviços/materiais como mobilização e desmobilização de equipamentos de sondagem (análise de solo), montagem de barracão de obra, ligação provisória de água e energia, carga e descarga mecanizada de solo, demolição, escavação, reaterro, serviços topográficos, etc., é evidente que o serviço a ser prestado não é comum. É uma verdadeira obra de engenharia.       

Insta lembrar que o gestor deve deixar consignado, de forma clara, qual o real objetivo da contratação, não podendo confundir o serviço de manutenção predial com os serviços que envolvem execução de obras.

Caso a admnistração tenha identificado a necessidade de fazer obras pontuais, levando em conta que se trata de obra de engenharia (artigo 6º, inciso I, da Lei 8.666/93), e não de serviço de engenharia (artigo 6º, inciso II, da Lei 8.666/93), a situação está a denotar a inviabilidade de se processar o objeto por meio da modalidade pregão. Com efeito, assim preceitua a Súmula 257 do TCU, verbis:

O uso do pregão nas contratações de serviços comuns de engenharia encontra amparo na Lei 10.520/2002.” 

A súmula não diz, então, sobre a possibilidade de se contratar obra de engenharia por meio de pregão. Apenas serviços de engenharia, desde que considerados comuns, podem ser contratados mediante pregão. Sobre o assunto, vale ainda citar o artigo 1º da Lei 10.520/2002 e o artigo 6º do Decreto 5.450/2005, verbis:

“Art. 1º Para aquisição de bens e serviços comuns, poderá ser adotada a licitação na modalidade de pregão, que será regida por esta Lei.

Parágrafo único. Consideram-se bens e serviços comuns, para os fins e efeitos deste artigo, aqueles cujos padrões de desempenho e qualidade possam ser objetivamente definidos pelo edital, por meio de especificações usuais no mercado. (…)

Art. 6o A licitação na modalidade de pregão, na forma eletrônica, não se aplica às contratações de obras de engenharia, bem como às locações imobiliárias e alienações em geral.”

Por vias transversas, desde que comuns, a Lei 10.520/2002 autoriza o pregão para compras (aquisição de bens) e serviços. E se não há no seu texto nada sobre contratação de obras, não está autorizado o pregão para este tipo de contratação. Não bastasse, o Decreto 5.450/2005 é expresso em vedar a contratação de obras de engenharia por meio do pregão.

No entanto, caso o que se pretenda seja realmente a contratação dos serviços de manutenção predial, serviços aqueles comuns, com a aquisição de materiais também comuns, seguindo as regras usuais do comércio, a modalidade a ser escolhida é realmente o pregão. Situação diferente do caso de a administração pretender fazer uma obra. Este caso não comporta o pregão. A contratação deve ser por uma das tradicionais modalidades previstas na Lei 8666/93, a devidamente adequada ao valor (no casos dos grandes contrato, geralmente a concorrência).

E, sendo mesmo o caso de contratação de obra na modalidade de concorrência, é necessária a elaboração de projeto básico adequado e atualizado, atendendo ao art. 6º, inciso IX, da Lei nº 8.666/1993, sendo ilegal a sua revisão ou a elaboração de projeto executivo que transfigure o objeto originalmente contratado em outro de natureza e propósito diversos. Assim é o que prevê literalmente a súmula n° 261 do TCU:

“Súmula do TCU, nº 261: “Em licitações de obras e serviços de engenharia, é necessária a elaboração de projeto básico adequado e atualizado, assim considerado aquele aprovado com todos os elementos descritos no art. 6º, inciso IX, da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, constituindo prática ilegal a revisão de projeto básico ou a elaboração de projeto executivo que transfigurem o objeto originalmente contratado em outro de natureza e propósito diversos”.

Já sobre o projeto executivo, vale salientar que o TCU já se manifestou no sentido de que:

“O projeto executivo constitui-se em detalhamento do projeto básico, determinando, de forma minuciosa, as condições de execução. É dizer, trata-se de etapa complementar, não havendo sentido que seja deixada a cargo do projeto executivo a definição de itens essenciais da obra. Com base nesse entendimento, o Plenário fixou prazo para o 4º Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA IV) adotar as medidas necessárias à anulação da Concorrência n.º 001/2009, que tinha por objeto a construção do novo prédio de comando do órgão. A decisão foi tomada em processo de representação formulada ao TCU contra cláusula editalícia que exigia que os licitantes apresentassem, junto com a proposta de preços, o projeto executivo da obra, em afronta ao art. 9º, § 2º, da Lei n.º 8.666/93, o qual faculta a exigência de projeto executivo somente do contratado. Chamados aos autos, os gestores do CINDACTA IV defenderam que a exigência de apresentação do projeto executivo, juntamente com a proposta de preços, justificar-se-ia pelo fato de tratar-se, em verdade, de projeto executivo complementar, a englobar a construção de estruturas (vigas, pilares e fundações) e das instalações de água, esgoto, pára-raios, telefone, contra-incêndio e elétrica. O relator concluiu que os elementos integrantes do chamado projeto executivo complementar deveriam ter constado do projeto básico da obra, por serem itens necessários e suficientes para caracterizar o empreendimento, conforme previsto no art. 6º, IX, da Lei n.º 8.666/1993. Ao final, ressaltou o relator que a apresentação desses elementos posteriormente à licitação poderia provocar significativo incremento de custo, com o risco de tornar o empreendimento inviável do ponto de vista orçamentário-financeiro. Além da anulação do certame, o Plenário também determinou ao CINDACTA IV que caso entenda oportuno lançar novo procedimento licitatório, abstenha-se de deixar para o projeto executivo o papel de identificar os elementos necessários e suficientes à caracterização dos serviços da obra a ser executada, especificando-os de modo que fiquem devidamente caracterizados por meio de um projeto básico adequado. Precedentes citados: Acórdãos n.os 2.640/2007, 628/2008, 1.874/2007, 925/2006, 1.523/2005 e 1.461/2003, todos do Plenário. (Acórdão n.º 80/2010, TC-025.219/2009-7, rel. Min-Subst. Marcos Bemquerer Costa, 27.01.2010).

Assim, o que é essencial para a administração pública é que se esclareça, efetivamente, o que pretende: se contratar uma empresa de manutenção predial (para intervenções emergenciais/eventuais) ou se identificou que está precisando realizar obras/construções e pretende contratar uma empresa para este fim.

Sendo o caso da contratação de serviços de manutenção predial, ela deve abrir um processo específico para este fim, com todos os documentos e requisitos necessários, deixando claro que os serviços/materiais contratados são comuns, bem como deixando evidente que não estão contempladas obras/construções no referido procedimento;

Sendo o caso da contratação de obras, ela deve abrir um processo específico para este fim, com todos os documentos e requisitos necessários – inclusive os respectivos projetos -, com a individualização objetiva das obras que pretende realizar;

Tendo identificado que ambas as situações são necessárias, ele deve instaurar procedimentos específicos para cada situação – um para serviços comuns eventuais e emergenciais de manutenção predial e outro para a contratação das eventuais construções/obras específicas às quais porventura estejam necessitando a administração. 

Ao nosso ver, essas são as conclusões mais seguras a serem seguidas pelo administrador público.

 

Fontes de pesquisa das citações: http://www.tcu.gov.br e http://www.planalto.gov.br.  


Informações Sobre o Autor

Rômulo Gabriel M. Lunelli

Procurador Federal. Especialista em Direito do Estado. Professor de Direito Administrativo


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais