A instrumentalidade do Mandado de Segurança Coletivo Ambiental: ensaio sobre a Jurisdição Ambiental Coletiva

0


1. A Inafastabilidade da Jurisdição Ambiental (art. 5º, XXXV, c.c. art. 225, CF/88).


O Estado tomou para si a feitura das leis, e sobremaneira, os julgamentos dos conflitos existentes entre aqueles pertencentes ao seu território. Assim, a função jurisdição é, peremptoriamente, exclusividade estatal, excetuando-se casos em que o Estado permite a transição de direitos. Nesse sentido é o magistério de Enrico Tullio Liebman (2003, p.23), esclarecendo a criação de normas, isto é, “(…) mediante a atividade legislativa, o Estado define a ordem jurídica criando normas organizacionais e de conduta, gerais e abstratas, que devem incidir sobre as situações e as relações jurídicas que derivam da convivência em sociedade”.


Emanada de comando constitucional, a inafastabilidade da prestação jurisdicional é cláusula pétrea (art. 5º, XXXV, CF), e que, portanto não pode ser revogada ou modificada se não pelo poder constituinte.


Decorre do conceito que o direito de ação nada mais é do que a possibilidade da pessoa de adentrar ao Poder Judiciário, com a perspectiva de ver solucionado seu interesse, que é resistido por outrem, isto é, uma lide. Como bem leciona Nelson Nery Junior (2004, p. 130) “o comando constitucional atinge a todos indistintamente, vale dizer, não pode o legislador e ninguém mais impedir que o jurisdicionado vá a juízo deduzir pretensão”.


Em outras palavras, a prestação jurisdicional é fator primordial à consecução do Estado Constitucional de Direito, pois “o Estado, como garantidor da paz social, avocou para si a solução monopolizada dos conflitos intersubjetivos pela transgressão à ordem jurídica, limitando o âmbito da autotutela” (FUX, 2001, p. 41).


Não basta, pois, que o Estado preste a jurisdição, mas que este a preste juridicamente adequada, ou seja, “pelo princípio constitucional do direito de ação, todos têm o direito de obter do Poder Judiciário a tutela jurisdicional adequada. Não é suficiente o direito à tutela jurisdicional. É preciso que essa tutela seja a adequada, sem o que estaria vazio de sentido o princípio” (NERY JR, op. cit., p. 132).


Portanto, o direito de ação somente se encontra consagrado se dele resultar da adequada prestação jurisdicional propiciada pelo Estado, pois se do contrário acontecer os direitos materiais – metaindividuais – estarão à mercê de letras vagas num diploma sem efeitos práticos. Em síntese, logra-se pelo princípio da inafastabilidade da prestação jurisdicional o juiz não pode subtrair-se da função julgadora, ou seja, de apreciar e julgar qualquer caso quedante pertencente ao seu mister, demonstrada pela expressão francesa non liquet.


2. Noções Propedêuticas sobre o Mandado de Segurança Coletivo (art. 5º, LXX, CF/88).


A priori, cabe a nós demonstramos a origem da tutela ora abordada, e sua terminologia atual.


Muitos autores conduzem a existência do mandado de segurança ao surgimento da class action norte-americana (vide Antônio Gidi. A Class Action como Instrumento de Tutela Coletiva dos Direitos. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007). De outra banda, autorizada doutrina processualista brasileira atribui a existência do mandado de segurança ao chamado judicio de amparo do direito mexicano (nesse sentido, Alfredo Buzaid. Estudos e Pareceres de Direito Processual Civil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002).


Corrobora-se, ainda, a proposta do i. Prof. Nelson Nery Junior (2004, p. 94), ensinando que:


“Quer com a evolução das ‘seguranças reais’ do direito reinol, ou com o tratamento dado pela doutrina mais antiga à ‘posse dos direito pessoais’, o fato é que o mandado de segurança tem mesmo origem no antigo direito luso-brasileiro, havendo recebido, contudo, influência do judicio de amparo do direito mexicano e dos writs do direito anglo-saxão” (original).


O mandado de segurança foi criado, preliminarmente, como o instrumento necessário para tutelar os direitos que não são amparados pelo habeas corpus, ou seja, seu caráter é eminentemente subsidiário, destinando-se às causas cíveis. Bem ensina Arruda Alvim (RP, 11:12)


“Pode-se dizer que, na realidade, entre nós constitui-se o Mandado de Segurança num desdobramento operativo e processual da figura do Habeas Corpus, criado que foi como instrumento especificamente destinado à proteção de assuntos não respeitantes ao direito penal.”


Pois bem, o mandado de segurança adveio estampado, com a constatação do eminente jurista, no Texto Magno de 1934, e assim se deu sucessivamente nas Constituições, até a Constituição Federal de 1.988. Acontece que, em todos os textos explicitavam o termo “individual”, ou seja, uma única pessoa em nome próprio poderia exercer a tutela. Somente a partir do texto constitucional da emenda 1/69 é que fora abolido essa terminologia, albergando agora o vocábulo “coletivo” (art. 5º, LXX, CF/88), designando a abertura do sistema processual da legitimidade ativa do writ.


Com bons olhos vislumbramos que a mudança circunstancial foi no aspecto da legitimidade para ajuizá-lo. Pois, legítimo é aquele que tem o direito líquido e certo, não amparado por habeas corpus, em sua individualidade. Já no mandado de segurança coletivo, legítimo são aqueles que a própria lei estabelece como tais, demonstrando que o rol de legitimado não é taxativo, mas sim exemplificativo (numerus apertus). Bem explica a esse respeito Nelson Nery Junior (1994, p.255):


“Quando o intérprete se encontra diante de enumeração de hipóteses na lei, é preciso que se verifique se se trata de elenco exaustivo ou meramente exemplificativo. Se a enumeração for exaustiva, a interpretação é restrita; se houver mera enunciação exemplificativa, a interpretação é estrita; se houver mera enunciação exemplificativa, aquela se faz de maneira mais amplo e genérico. Pois bem. Quando o legislador quer tornar evidente que a enumeração constante de lei é taxativa, utiliza-se de expressão com a finalidade de restringir o limite de abrangência da norma legal. As expressões mais empregadas para indicar que a norma refere hipóteses em numerus clausus são: apenas, unicamente, só e seguinte, entre outras, precedendo o elenco de casos.” (original)


Doravante, podemos nos valer disso se observarmos que a partícula “pode” é a causa amplificativa do rol dos legitimados para a impetração do mandado de segurança coletivo ambiental.


Por fim, no pólo passivo da ação estará somente a autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do Poder Público, quando da ofensa ao direito líquido e certo seja oriunda de sua ilegalidade ou de seu abuso. Não obstante, a esse aspecto carece explicitar que somente o Poder Público pode ser o sujeito passivo da relação processual, posto que o objeto o writ é a ilegalidade e/ou o abuso de direito praticado agente com vestes de autoridade pública, somente.


2.1. A Cognição no Mandado de Segurança Coletivo Ambiental.


No condiz à cognição da ação ambiental, primorosos são os dizeres do Kazuo Watanabe (1987, p. 85), esclarecendo que a cognição é:


“(…) prevalentemente um ato de inteligência, consistente em considerar, analisar e valorar as alegações e as provas produzidas pelas partes, vale dizer, as questões de fato e as de direito que são deduzidas no processo e cujo resultado é o alicerce, o fundamento do judicium, do julgamento do objeto litigioso do processo.”


Portanto, quando se estiver diante de um processo onde se encontra amplo contraditório e instrução de provas, estaremos diante da cognição exauriente (delongada, procrastinada). Doutro lado, versando a prestação jurisdicional estatal sobre tutelas sem a necessária cognição delongada, ou seja, tutelas de urgência, estaremos diante da cognição sumária (mais rápida, célere). Desse modo, o mandado de segurança coletivo ambiental pode encontrar-se diante de uma cognição exauriente (quando a demonstração do direito líquido e certo perfaz necessária para que a fruição do direito se dê), como também é possível se vislumbrar o writ em uma cognição sumária (quando a tutela é de urgência, prescindindo de uma medida liminar).


2.3. Sentença em sede de Mandado de Segurança Coletivo Ambiental


Por se tratar de sentença com efeitos destinados a exaurir ordens de fazer ou não fazer, a sentença em sede de mandado de segurança coletivo ambiental é eminentemente mandamental. Consoante lição de Arruda Alvim (2008, p.660):


“O comando mandamental, em nosso sentir, é significativo de que se agrega ao efeito da decisão uma ordem, categórica, para o destinatário desta, a esse mandamento submeter-se. De certa forma, se na execução, propriamente dita, praticam-se atos materiais substitutivos da vontade do executado, na mandamentalidade a realização do direito depende dessa vontade; ou talvez, mais comumente de vergar e submeter essa vontade. Nessa medida, ou, diante dessa contingência, é necessário quebrar essa vontade do destinatário do mandamento. Pretender-se que alguma coisa se cumpra ou que uma ordem seja obedecida, sem correspondente sanção, ou sem a correspondente possibilidade de sanção, é manifesta ingenuidade.”


Assim, na sentença pode haver todos os outros tipos de efeitos já englobados pela doutrina, quais sejam, declaratória, condenatória, constitutiva, e executiva. Porém, é inerente a sentença o efeito mandamental, posto que a emanação de mandamento do Estado tenha-se por essência um ato de império.


Se procedente o pedido consubstanciado no mandado de segurança coletivo ambiental, ter-se-á coisa julgada material, que de acordo com o mestre maior Enrico Tullio Liebman (p. 54):


“a autoridade da coisa julgada, que se pode definir com precisão, com a imutabilidade do comando emergente de uma sentença. Não se define ela simplesmente com a definitividade e intangibilidade do ato que pronuncia o comando; é, pelo contrário, uma qualidade mais intensa e mais profunda, que reveste o ato também e seu conteúdo e torna assim imutáveis, além do ato em sua existência formal, os efeitos, quaisquer que sejam o próprio ato.”


Mais do que a coisa julgada material (art. 469, CPC), reveste-se a sentença de efeitos erga omnes, isto é, a destinação de toda a ordem emanada do Poder Judiciário é concedida a todos, indistintamente, porque o objeto atingido pelo efeito da sentença não tem determinado número de pessoas, mas sim a universalidade de seres humanos.


 


Referências


ARRUDA ALVIM, José Manoel de. Revogação de medida liminar em mandado de segurança. Revista de Processo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 11:12.


______. Manual de Direito Processual Civil. vol II. 12.ed. São Paulo: RT, 2008.


FUX, Luiz. Curso de Direito Processual Civil. 2ªtir. Rio de Janeiro: Forense, 2001.


LIEBMAN, Enrico Tullio. Manual de Direito Processual Civil. v.1 Tocantins: Intelectus Editora, 2003.


______. Eficácia e Autoridade da Sentença. Rio de Janeiro: Forense.


NERY JR., Nelson. Princípios do Processo Civil na Constituição Federal. 8ª.ed. rev. atual. e ampliada. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004.


______. Código de Processo Civil e legislação processual civil extravagante em vigor. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1994.


WATANABE, Kazuo. Da Cognição no Processo Civil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1987.


 



Informações Sobre o Autor

Lucas Carlos Vieira

Acadêmico de Direito do Centro Universitário Toledo – Unitoledo.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais