O controle de constitucionalidade e a interpretação conforme a Constituição

0

A Justiça e a Eqüidade surgem onde existe uma certa equivalência de forças, como bem observou Tucídides. Onde a superioridade de uma das partes não é clara, e onde o combate traria apenas inúteis lesões recíprocas, aí surge a idéia de uma composição. A troca é o caráter originário da Justiça. Friedrich Nietzsche


Resumo: A interpretação conforme a Constituição é um método hermenêutico e de controle de constitucionalidade, que tem como fim garantir a compatibilidade da norma ao ordenamento constitucional, devendo ser utilizada, sempre para dar a lei o sentido adequado da Constituição Federal. Deve a interpretação conforme a Constituição ser utilizada quando houver espaço para a decisão, ou seja, quando for possível interpretar de diferentes formas, mas nunca de forma contrária aos princípios constitucionais, quando deverá ser declarada inconstitucional e, assim, portanto, ser expurgada do ordenamento.


INTRODUÇÃO


O ser humano constitui seu conhecimento basicamente pela linguagem, a forma mais utilizada é a interpretação, seja de gestos, idéias ou textos, constituindo uma concepção ou acepção sobre determinado fato.


Na seara do Direito, o estudo da interpretação é fundamental, tornando-se uma forma própria de encarar a doutrina positivista, que tem como princípio basilar a interpretação conforme a Constituição, baseada no fundamento de que nenhuma norma do ordenamento pode ir de encontro aos princípios constitucionais.


O presente estudo faz um paralelo da interpretação conforme da Constituição como forma de controle de constitucionalidade.


O CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE E A INTERPRETAÇÃO CONFORME A CONSTITUIÇÃO


A interpretação conforme a Constituição é uma das modernas formas de hermenêutica, que visa impedir a retirada precoce do ordenamento jurídico de normas infraconstitucionais que se revelam, num primeiro momento, incompatíveis com o Texto Maior.


A interpretação deixou de ser vista como apenas um procedimento de descoberta da vontade da lei ou do legislador, para ser uma atividade criadora do Direito. O intérprete deixa de ser mero aplicador de regras, construindo a inteligência das normas, respeitando a sua “moldura”.


Por esta interpretação, o intérprete pode alargar ou restringir o sentido da norma supostamente inconstitucional para adequá-la ao ordenamento,  evitando a decretação de nulidade e a conseqüente exclusão do cenário jurídico, configurando-se como uma técnica de salvamento da norma.


Justifica-se a legitimidade desta forma de interpretação pela própria supremacia da Constituição, o que garante a segurança jurídica, evitando a retirada da norma do ordenamento jurídico, o que geraria um vazio normativo.


Não é dado ao intérprete a discricionariedade para subverter o sentido da lei, onde a interpretação conforme a Constituição enfrenta os limites do próprio texto legal. Portanto, se a norma for inevitavelmente incompatível com a Constituição deve ser declarada inconstitucional.


A interpretação conforme a Constituição só é viável em face de normas polissêmicas, com sentido plurissignificativo, onde ao menos um se revele compatível com a Carta Magna, configurando-se, também, como forma de controle de constitucionalidade.


Esta forma de interpretação é prevista legalmente no parágrafo único, do artigo 28, da Lei n.º 9.868/99, juntamente com outras formas de controle da constitucionalidade, referindo ainda que a interpretação realizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) terá efeito vinculante em relação aos demais órgãos do Poder Judiciário e a Administração Pública. O Supremo ao dar interpretação compatível com a Constituição à norma afasta a possibilidade de qualquer outra interpretação que o dispositivo eventualmente comporte.


Na concepção moderna afasta-se a existência de uma única interpretação correta, configurando-se a interpretação conforme a Constituição como o estudo das normas constitucionais em si mesmas e perante o conjunto normativo e não no cotejo das normas inferiores, mas tal interpretação não se revela inadequada, eis que verifica se a norma infraconstitucional é compatível com a Carta Magna.


O caráter da interpretação é polissêmico, cognoscitivista, ligado ao positivismo jurídico e a verdade da norma; e o voluntarista, relacionado ao realismo e a interpretação evolutiva do Direito.


O positivismo jurídico vem sofrendo um declínio, eis que confere ao intérprete o papel de construção das normas jurídicas, para adaptá-las à constante evolução social. O realismo jurídico propõe uma interação do Direito com a realidade social e a evolução operada, ofertando ao intérprete um papel significativo, para adaptar e atualizar as normas jurídicas. Sendo o papel da interpretação constitucional um meio ou processo de transformação, não formal, levando à superação do desajuste entre a realidade social e os textos constitucionais.


A interpretação deixou de ser entendida como um mero ato mecanicista dos fatos à norma, possibilitando alargar ou restringir os sentidos das normas infraconstitucionais para torná-las compatíveis com a Constituição.


A interpretação conforme a Constituição assume uma condição privilegiada no plano hermenêutico, tornando-se um mecanismo de “depuração de inconstitucionalidade”, conforme Béguin (apud ANJOS, 2006).


Apresentam-se como métodos clássicos de interpretação jurídica, a forma gramatical, sistemática, histórica e teleológica, próprias do positivismo jurídico, que não permitem qualquer flexibilização de sentido nas normas, mas procura averiguar a vontade (objetiva) da norma ou à vontade (subjetiva) do legislador, segundo Hesse (apud ANJOS, 2006).


As modernas formas de interpretação se inserem na interpretação evolutiva, na qual se atualiza o sentido das normas constitucionais e infraconstitucionais em face do desenvolvimento da sociedade.


A interpretação conforme a Constituição contrapõe-se a interpretação juspositivista, pois as técnicas modernas de interpretação são fundamentadas pela segurança jurídica, a supremacia da Constituição e a presunção de constitucionalidade das leis.


A segurança jurídica é a necessidade de se evitar a retirada do ordenamento jurídico de uma lei ou ato normativo, o que ocasionaria um vazio, buscando a interpretação compatibilizada a norma tida como inconstitucional com a Lei Maior, eis que a inconstitucionalidade da norma vai dar lugar a um vazio legislativo, que produziria sérios danos ao ordenamento jurídico.


A supremacia da Constituição por não estar sujeita a nenhuma limitação de natureza jurídica, eis que esta delimita a estrutura da organização político-administrativa do Estado, não é somente um objeto, mas também um critério de interpretação que deve ser sempre observado na construção da inteligência das normas.


A presunção de constitucionalidade das leis impede a concentração dos poderes estatais em apenas um único órgão, o que geraria o arbítrio e o excesso.


A lei deve ser preservada ao máximo, devendo ser expulsa do âmbito normativo, apenas, quando não houver como harmonizá-la com a Constituição.


O princípio da presunção de constitucionalidade possui duas regras, a primeira reporta que não sendo evidente a inconstitucionalidade, deve o órgão competente abster-se da declaração de inconstitucionalidade; a segunda, havendo interpretação possível que permita afirmar-se a compatibilidade da norma com a Constituição, deve-se optar pela interpretação legitimadora, mantendo o preceito em vigor.


Não é possível uma interpretação sem critérios e limites que subverta o sentido da lei, existem limites formais e substanciais para que se dê vida socialmente adequada à ordem jurídica, com a máxima cautela.


O apego excessivo e incondicional a literalidade da lei pode inviabilizar a operacionalização do Direito, mas a total indiferença à norma pode importar em ofensa ao próprio Direito.


A interpretação conforme a Constituição é um método de salvamento da norma infraconstitucional, pela qual o intérprete alarga ou restringe o sentido dela, para colocá-la em consonância com a Constituição, evitando o descompasso com os preceitos da Carta Maior e a sua conseqüente decretação de nulidade.


Conforme Canotilho (apud ANJOS, 2006), a finalidade da interpretação conforme a Constituição é descobrir o “o conteúdo intrínseco da lei”.


Atualmente não se compreende mais a interpretação sem aplicação, não se pode interpretar uma norma sem se ter em vista um fato concreto, eis que não se consegue interpretar em abstrato.


O Poder Judiciário condiciona a validade da lei a uma determinada interpretação ou declara que certas aplicações não são compatíveis com a Constituição, declarando a inconstitucionalidade de outras possibilidades de interpretação.


A Corte Constitucional não pôde proferir decisão sobre todas as possíveis interpretações, pois a aplicação da norma é variável, os casos serão sempre diferenciados; entrando no processo interpretativo, o que faz variar as possibilidades de interpretação da norma.


O efeito vinculante das decisões proferidas fere diversos princípios constitucionais, como o devido processo legal, o contraditório, a ampla defesa, a dupla instância, o livre acesso do cidadão ao Judiciário, o princípio da inafastabilidade da jurisdição, a separação de Poderes, sendo considerado um instituto inconstitucional, impedindo a evolução da interpretação na compreensão da norma.


Denota Hesse (apud ANJOS, 2006) que a interpretação constitucional é a sua concretização, proporcionando a atualização das normas jurídicas e colocando o Direito em sintonia com a realidade social que regula. A interpretação faz a ordem jurídica funcionar, tornando o Direito operativo.


As regras jurídicas são feitas para regular a vida em sociedade, também devem acompanhar a evolução nela ocorrida. Havendo uma mutação constitucional informal, sem alterar o texto.


A interpretação conforme a Constituição é uma técnica de julgamento e uma via concentrada de controle de constitucionalidade, realizado pelo Supremo Tribunal Federal, o guardião da Constituição.


O jurista Luis Henrique Martins dos Anjos (2006) aponta para os requisitos da aplicação da interpretação conforme a Constituição:


1) Deve ser respeitado o instituto jurídico que está em questão. Normalmente, o ato questionado vai estar envolvido com alguma matéria de um instituto jurídico, e os princípios deste instituto jurídico devem ser respeitados. Se for uma lei sobre tributos, por exemplo, o instituto dos tributos tem toda uma principiologia, implicando o respeito à natureza do instituto que está em discussão.


2) Deve ser respeitado o Princípio da Razoabilidade, isto é, há que ser uma interpretação razoável, não se podendo forçar uma interpretação. Deve ser uma interpretação auto-sustentada e sem artificialismos.


3) Também há que se respeitar o Princípio da Aplicação Restritiva, ou seja, quando houver dúvidas, não se faz à interpretação conforme a Constituição. Se houver dúvidas, o Supremo deve declarar a inconstitucionalidade.


O Supremo Tribunal Federal utiliza a interpretação conforme a Constituição quando existe certeza de que trata-se de matéria constitucional; entendendo o Supremo, que não precisa ser declarada a inconstitucionalidade da norma, na medida em que se possa dar uma interpretação adequada com o que está estabelecido na Magna Carta.


Denota, Gilmar Ferreira Mendes (apud ANJOS, 2006) que: “oportunidade para interpretação conforme a Constituição existe sempre que determinada disposição legal oferece diferentes possibilidades de interpretação, sendo algumas delas incompatíveis com a própria Constituição.”. Assim, dada a presunção de constitucionalidade das normas, deve prevalecer a interpretação constitucional.


Reporta, ainda, o Ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Ferreira Mendes (1996, p.196) que a declaração parcial de inconstitucionalidade sem redução de texto “refere-se, normalmente, a casos não mencionados no texto, que, por estar formulado de forma ampla ou geral, contém, em verdade, um complexo de normas.”.


A doutrina de Dworkin (apud ANJOS, 2006) denota o esforço em legitimar a atividade jurisdicional e a tentativa de dar uma interpretação coerente ao Direito; o que, na esfera do Direito Constitucional, torna-se mais difícil em razão da abstração de seus princípios. A interpretação dos princípios varia a cada época, oportunizando maior legitimidade nas decisões judiciais e a garantia da proteção dos direitos morais.


Entende-se que a interpretação conforme a Constituição é uma declaração de nulidade sem redução do texto, na medida em que restringe as possibilidades de interpretação, reconhecendo a validade da lei com a exclusão da interpretação considerada inconstitucional.


Trabalha-se, assim, conforme o pensamento “favor legis” (SUXBERGER, 2000), no qual o legislador não pode ter pretendido votar lei inconstitucional, havendo uma presunção de constitucionalidade, como resultado de seu controle.


A interpretação conforme a Constituição vai além da escolha dos vários sentidos possíveis e normais de qualquer preceito, para distender-se até o limite da inconstitucionalidade.


Segundo Alexandre de Moraes (MAFRA FILHO, 2006), controlar a constitucionalidade é verificar a compatibilidade de uma lei ou de um ato normativo à Constituição, examinar seus requisitos formais e materiais. Assim, no sistema constitucional Brasileiro, somente as normas constitucionais positivadas podem ser utilizadas como paradigma para a análise da constitucionalidade de leis ou atos normativos estatais (bloco de constitucionalidade).


CONSIDERAÇÕES FINAIS


O operador do Direito trata da constitucionalidade da norma ou do texto legal, constantemente, devendo ser auferida analisando-se as possibilidades de interpretação e aplicação, tornando-se, a interpretação, inerente à própria atividade jurisdicional.


Para tanto, a interpretação conforme a Constituição caracteriza-se como uma forma flexível de concretização e aplicação das normas, pois renuncia ao formalismo jurídico, tornando-se mais próxima dos ideais da Justiça, em sua concepção material e de segurança jurídica.


A interpretação conforme se constitui num mecanismo de controle, pois a principal função é assegurar razoável grau de constitucionalidade das normas no exercício da interpretação.


Interpretar conforme a Constituição, entretanto, não significa alterar o conteúdo da lei, eis que todo intérprete está obrigado a interpretar segundo os princípios fundamentais da Constituição.


 


Referências bibliográficas

AMARAL JÚNIOR, José Levi Mello do. Da necessária distinção entre a interpretação conforme a Constituição e a declaração parcial de inconstitucionalidade sem redução de texto. Jus Navigandi. Teresina. Ano 2. N.º 24. Abril. 1998. Disponível em: <http://jus2.uol.co m.br/doutrina/texto.asp?id=132>. Acesso em: 29 ago. 2006.

ANJOS, Luís Henrique Martins dos. A Interpretação conforme a Constituição enquanto técnica de julgamento do Supremo Tribunal Federal. Porto Alegre. Disponível em: <http://www.direito.ufrgs.br/processoeconstituicao/cursos/arquivosdocurso/InterpretaCfConst.doc>. Acesso em: 29 ago. 2006.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 05 de outubro de 1988. Obra coletiva de autoria da Editora Saraiva com a colaboração de Antônio Luiz de Toledo Pinto, Márcia Cristina Vaz dos Santos Windt e Luiz Eduardo Alves de Siqueira. 25. ed. atual. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2000.

MACIEL, Silvio Luiz.Controle de Constitucionalidade e a Interpretação conforme a Constituição. Revista de Direito Constitucional e Internacional. N.º 53. Ano 13. Outubro/Dezembro de 2005. São Paulo: Instituto Brasileiro de Direito Constitucional, 2005.

MAFRA FILHO, Francisco de Salles Almeida. O Controle de Constitucionalidade: Conceito. Pressupostos. Requisitos. Espécies. Efeitos. Juristas. João Pessoa. Ano 3. N.º 63.  28/02/2006. Disponível em: <http://www.juristas.com.br/revista/coluna.jsp?idColuna=1376>. Acesso em: 29 ago. 2006.

MENDES, Gilmar Ferreira. Jurisdição Constitucional. São Paulo: Saraiva, 1996.

SUXBERGER, Antonio Henrique Graciano. Interpretação conforme a Constituição. Jus Navigandi. Teresina. Ano 4. N.º 39. Fevereiro. 2000. Disponível em: <http://jus2.uol.com.br/ doutrina/texto.asp?id=133>. Acesso em: 29 ago. 2006.

Informações Sobre o Autor

Tatiana Poltosi Dorneles

advogada. Graduada em Direito pela Universidade Regional Integrada (URI – Santiago); Mestranda em Educação na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM); Especializanda em Direito de Família e Sucessões na ULBRA – Santa Maria.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais