Questões práticas envolvendo o ativismo judicial e o papel do Ministério Público na concretização das políticas públicas

0

Resumo: Este trabalho tem como meta analisar questões práticas envolvendo o ativismo judicial e o papel do Ministério Público na concretização das políticas públicas.

Palavras-chave: Ativismo judicial. Políticas públicas. Ministério Público.

Abstract: This work aims to analyze practical issues involving the judicial activism and the role of prosecutors.

Keywords: Judicial activism. Public policy. Public Ministry.

Sumário: 1. Introdução. 2. Análise da legislação aplicável e da jurisprudência. 3. Conclusão. 4. Referências.

Introdução

A tutela coletiva dos direitos metaindividuais (difusos, coletivos stricto sensu e individuais homogêneos) se dá, especialmente, por meio da ação civil pública, disciplina pela Lei n. 7.347/85, tendo o Ministério Público como um de seus principais legitimados para propô-la.

Recentemente, tem ganhado força a discussão em torno sobre a possibilidade de utilização da referida actio como modo de se alargar o espaço de atuação do Poder Judiciário, e assim propiciar o chamado “ativismo judicial”, na via da judicialização de políticas públicas, todas as vezes em que o Estado for omisso, negligente e/ou insuficiente na garantia das prioridades constitucionais de ação.

Nesse ponto, calha lembrar que um dos princípios específicos da tutela coletiva é exatamente o ativismo judicial, juntamente com o princípio do devido processo legal coletivo, da reparação integral do dano, etc.

O jusfilósofo alemão Karl Schmidt foi quem cunhou pela primeira vez a expressão “judicialização das políticas públicas”. Alguns dizem “dimensão política da jurisdição”.

Análise da legislação aplicável e da jurisprudência

O ativismo judicial tem como principal obstáculo o princípio da separação dos Poderes, insculpido no art. 2º da CFRB/88, que assim dispõe:

“Art. 2º São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário.”

De tal modo que para alguns, não haveria como o Poder Judiciário forçar que outro Poder da República fosse obrigado a fazer ou deixar de fazer algo, pensamento esse do qual se discorda, haja vista a necessidade de concretização dos direitos fundamentais, entre eles o da Inafastabilidade da Jurisdição (art. 5º, XXXV da CF) – garantia de acesso à justiça axiologicamente neutra.

Sendo assim, questões de grande repercussão social passaram a ser decididas pelos tribunais.

Para Luís Roberto Barroso[1], não há incompatibilidade entre a judicialização das políticas públicas e o Estado Democrático de Direito. Para ele, a judicialização e o ativismo judicial são “primos”, e tudo isso se deve ao claro declínio da política e do crescimento do jurídico.

Em breves linhas, o ativismo judicial ocorre quando o Poder Judiciário concretiza um direito social. O direito (poder judiciário) deve ser visto como um instrumento de direção e promoção social. A tutela jurisdicional também é um direito fundamental.

Um caso paradigmático sobre o chamado “ativismo judicial” que chegou aos tribunais ocorreu no âmbito da ADPF 45, de relatoria do Ministro Celso de Mello (sobre o direito social fundamental à educação infantil). Nele, o STF reconheceu a possibilidade constitucional de controle e intervenção do Poder Judiciário em tema de implementação de políticas públicas quando configurada hipótese de abuso governamental, bem como deixou assentada a necessidade de preservação do mínimo existencial em confronto com a chamada “reserva do possível”.

Também deixou-se assente que o Poder Judiciário pode anular atos discricionários que violem a Moralidade, a Razoabilidade e a Legalidade. Vale dizer, uma coisa é a chamada “discricionariedade administrativa”, e outra bem diferente é a “arbitrariedade”.

Não há falar em juízo de conveniência e oportunidade a respeito da implementação de uma política pública, mas apenas – e com ressalvas – a respeito do seu conteúdo.

O Poder Judiciário assume importante papel na concretização das políticas públicas ante a inércia/incompetência do Poder Executivo em fazê-lo.

É preciso que o Poder Judiciário aja com razoabilidade, observando-se os demais princípios que regem a Administração Pública e o próprio Estado Democrático de Direito.

Segundo Cássio Casagrande[2], são fatores propulsores da judicialização da política, “todos relacionados à reconstitucionalização do país e ao novo modelo de democracia participativa dela decorrentes’:

a) criação de um modelo constitucional amplamente regulatório dos direitos individuais e sociais, com a prevalência do direito público sobre o direito privado, consagrado na idéia de Constituição Cidadã;

b) a ampliação do sistema de controle de constitucionalidade, especialmente da legitimação plúrima conferida ao Estado e à sociedade para provocar diretamente a atuação do Supremo Tribunal Federal;

c) a independência do Poder Judiciário e do Ministério Público e sua inserção plena no sistema de democracia participativa;

d) amplo acesso ao Judiciário, por meio de novas formas processuais (ações coletivas, ações diretas para controle de constitucionalidade, etc); e da abertura de novos canis do sistema de justiça (Ministério Público, Defensoria Pública, juizados especiais, órgãos de defesa do consumidor e da concorrência, Comissões Parlamentares de Inquérito).”

Por sua vez, a Justiça do Trabalho será materialmente competente para o julgamento da implementação de políticas públicas toda vez que a causa de pedir versar sobre “valor social do trabalho” (art. 1º, IV, CF/88), seja por ato comissivo ou por ato omissivo do Poder Público.

Ademais, frise-se que o art. 114, I, da CF, foi alterado com EC n. 45/2004, pela qual houve a ampliação da competência material da Justiça Laboral.

Outro caso interessante envolvendo o tema “ativismo judicial” (ou “judicialização das políticas públicas”), agora na seara laboral, ocorreu no julgamento da Ação Civil Pública n. 75700-37.2010.5.16.0009.[3]

Por meio da referida ação, o MPT requeria que a Justiça do Trabalho determinasse ao Município de Codó/MA que cumprisse com obrigações constitucionais, implementando programas que levassem à erradicação do trabalho infantil na região sob sua administração. Ao examinar o pedido, o TRT considerou que a questão é de cunho administrativo, e que não haveria previsão legal para a Justiça do Trabalho atuar no caso. Para o Regional, não haveria possibilidade de determinação, pelo Poder Judiciário, de obrigações de fazer e não fazer ao Poder Público.

Veja-se que o TRT se utilizou de argumento “retrógrado” e sem “visão social”, na contramão do neoconstitucionalismo.

A Terceira Turma do TST, porém, afastou a declaração de incompetência proferida pelo Regional. Ao fundamentar seu voto, o ministro Mauricio Godinho Delgado, relator do recurso de revista do MPT, citou precedentes do TST e do Supremo Tribunal Federal em sentido contrário ao acórdão do TRT-MA.

O ministro salientou que, em situações excepcionais, o STF tem entendido que o Poder Judiciário pode determinar que a Administração Pública adote medidas que assegurem direitos constitucionalmente reconhecidos como essenciais, sem que isso configure violação do princípio da separação de poderes. Nesse sentido, listou decisões do Supremo favoráveis a que o Poder Público fosse obrigado a oferecer abrigos para moradores de rua, implementasse políticas públicas de defesa do meio ambiente e matriculasse crianças em escolas perto de sua residência. Segundo o relator, esse entendimento se aplica ao caso, no qual se pretende a tutela da erradicação do trabalho infantil.

Percebe-se que esse julgado é um grande e importante precedente no que tange à judicialização das políticas públicas no Brasil, e o mais interessante é notar que referido posicionamento vem sendo já aplicado pelos tribunais superiores, a exemplo do TST e do STF.

A Câmara de Coordenação e Revisão do MPT, inclusive, possui o seguinte precedente:

“Ementa do processo nº 2839/2011. POLITICAS PÚBLICAS PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL E PROTEÇÃO DO TRABALHO DO ADOLESCENTE. Em vista do projeto da COORDINFÂNCIA para atuação judicial e extrajudicial do MPT junto aos Poderes Públicos visando à implantação de políticas públicas relacionadas ao trabalho infantil não conheço da promoção de arquivamento e devolvo os autos para as providências prevista no artigo 17, Parágrafo Único, da Resolução n. 69/2007.”

Conclusão

Ante o exposto, percebe-se que a CF/88 atribuiu ao MP papel fundamental na concretização das políticas públicas sociais. Nesse sentido, cita-se inclusive o art. 1º, V do Texto Constitucional, que trata do “pluralismo político”, tendo o Parquet como um dos novos atores sociais. O MP age, portanto, como indutor e/ou fiscal de políticas públicas, tendo como principais instrumentos de atuação o inquérito civil, o termo de ajuste de conduta, as audiências públicas e a ação civil pública.

Notas:
[1] Disponível em http://www.plataformademocratica.org/Publicacoes/12685_Cached.pdf
[2] CASAGRANDE, Cássio. Ministério Público e a Judicialização da Política. Estudos de Casos. 1ª ed., Safe-Fabris: 2008
[3] Disponível em http://www.tst.jus.br/noticias/-/asset_publisher/89Dk/content/id/5891897

Informações Sobre o Autor

Vinicius de Freitas Escobar

Pós-graduando em Direito e Processo do Trabalho pela UNIDERP-Anhanguera


Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais