Justiça Gratuita: aspectos que motivam a sua utilização de forma abusiva

0

Resumo: Apesar da extrema importância da justiça gratuita brasileira, a facilidade para se ter acesso a esse benefício, consequentemente tem motivado muitas pessoas que contam com abastados recursos financeiras a litigar com essa garantia constitucional destinada aos hipossuficientes.

Palavras-chave: gratuidade da justiça. comparativo. utilização abusiva. abastados.

Resumen: A pesar de la extrema importancia de la asistencia jurídica brasileña, la facilidad para tener acceso a este beneficio, en consecuencia ha motivado a muchas personas que se basan en ricos recursos financieros para litigar con las garantías constitucionales destinadas a los carentes.

Palabras-clave: gratuidad de la justicia. comparativo. utilización abusiva.

Sumário: 1.- Introdução. 2.- Direito brasileiro: assistência judiciária gratuita. 3.- Direito argentino: benefício de litigar sem gastos. 4.- Alguns aspectos que motivam a utilização abusiva da Justiça Gratuita: 4.1.- Concessão do benefício mediante simples apresentação da declaração de pobreza; 4.2.- Isenção dos honorários sucumbenciais; 4.3.- O ônus da prova da insuficiência de recursos. 5.- Considerações Finais. 6.- Referências

1.- Introdução

Muito já foi escrito sobre o benefício da justiça gratuita no âmbito do Direito Brasileiro. Entretanto, quase sempre dá-se ênfase aos aspectos constitucionais e a extrema importância da justiça gratuita para a efetivação do acesso à justiça.

Assim, observando-se a constante utilização desse benefício por pessoas que podem arcar com os custos do processo sem prejuízo próprio ou de sua família, este artigo visa realizar um comparativo entre a gratuidade da justiça prevista na legislação brasileira com a de outros ordenamentos jurídicos, para então serem identificados alguns aspectos que motivam a utilização desse benefício de forma abusiva.

2.- Direito brasileiro: assistência judiciária gratuita

A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, em seu artigo 5o, inciso LXXIV, garante aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no país, que comprovarem insuficiência de recursos, a assistência jurídica integral e gratuita[1].

Em consonância com a Constituição, a lei 1060/50, que estabelece as normas para concessão do “benefício de litigar sem gastos”, elenca um amplo rol de isenções. Essas isenções incluem a assistência judiciária e a justiça gratuita[2]. Por serem dotadas de nomenclaturas parecidas e ambas terem o intuito de proporcionar o amplo acesso à justiça, é constante o equívoco no emprego dessas terminologias. Augusto Tavares Rosa Marcacini explica que esse equívoco tem origem nos textos dos próprios legisladores brasileiros, visto que, por diversas vezes, utilizaram-se da expressão assistência judiciária, onde, na verdade, referem-se à justiça gratuita[3].

No intuito de esclarecer as terminologias utilizadas, Artemio Zanon faz a seguinte diferenciação: a assistência jurídica limita-se ao patrocínio profissional gratuito, enquanto a justiça gratuita refere-se a usufruição das isenções das custas processuais, dos honorários advocatícios e das demais previstas em leis[4].Outros doutrinadores, por sua vez, defendem a ideia de que o benefício de litigar sem gastos está dividido em duas vias diferentes, porém, inter-relacionadas: a) da isenção das custas processuais alcançada através da carta de pobreza e; b) da assistência judiciária gratuita que é desenvolvida pela defesa oficial. No Brasil, as Defensorias Pública, Ordem dos Advogados do Brasil e núcleos jurídicos das universidade do curso Direito[5] são os principais responsáveis em proporcionar essa defesa oficial.

A redação anterior do artigo 4o, §1o da Lei nº 1.060/50, exigia a apresentação de um atestado de pobreza, que era expedido pela autoridade policial ou pelo prefeito municipal para se comprovar a carência de recursos financeiros para arcar com as despesas do processo. Visto que esse procedimento causava constrangimento ao necessitado e, em muitas das vezes, até dificultava o acesso à justiça, a Lei 6.707 de 1979 alterou essa exigência e dispensou o atestado de pobreza, quando fosse apresentado o contrato de trabalho.

No ano de 1986, com a edição da lei 7.510, o benefício da gratuidade da justiça passou a ser concedido mediante simples declaração da parte, afirmando que não está em condições de pagar as custas processuais e os honorários advocatícios, sem prejuízo próprio ou de sua família[6].Essa alteração do procedimento é resultado da mudança de paradigma e desburocratização[7] em que o Brasil viveu entre as décadas de 70 e 80,passando a adotar os princípios de presunção de honestidade e de veracidade do cidadão.Com essa mudança de paradigma, que alcançou o benefício, todo cidadão que se declarar como pobre tem presunção como pobre, até prova em contrário.

Sendo assim, a todos esses que se declararem como pobre, em regra, ser-lhe-ão concedidas as seguintes isenções: I – das taxas judiciárias e dos selos; II – dos emolumentos e custas devidos aos Juízes, órgãos do Ministério Público e serventuários da justiça; III – das despesas com as publicações indispensáveis no jornal encarregado da divulgação dos atos oficiais; IV – das indenizações devidas às testemunhas que, quando empregados, receberão do empregador salário integral, como se em serviço estivessem, ressalvado o direito regressivo contra o poder público federal, no Distrito Federal e nos Territórios; ou contra o poder público estadual, nos Estados; V – dos honorários de advogado e peritos; VI – das despesas com a realização do exame de código genético – DNA que for requisitado pela autoridade judiciária nas ações de investigação de paternidade ou maternidade; VII – dos depósitos previstos em lei para interposição de recurso, ajuizamento de ação e demais atos processuais inerentes ao exercício da ampla defesa e do contraditório[8].

A concessão desse benefício é, em sentido amplo, conforme previsto no artigo 9o da própria Lei 1.060/50. Ou seja, compreende todos os atos até a decisão final do processo e em todas as instâncias. Também alcança os outros gastos do processo, tais como publicações de editais e outros menores como os relativos a expedição e ao diligenciamento de ofícios e mandados. Sendo assim, visto que a isenção não se refere somente às custas do processo, nenhuma despesa pode ser excluída. Ainda sobre a abrangência dessa garantia constitucional, Angelo Maraninchi Giannakos aponta que a Constituição Brasileira, em seu art. 5o, inc. XXXV, não só garante o acesso ao Poder Judiciário, mas de forma ainda mais abarcante, garante “o efetivo acesso a uma Justiça imparcial, a uma Justiça igual, contraditória, dialética, cooperatória, que ponha à disposição das partes todos os instrumentos e os meios necessários que lhes possibilitem defender suas razões, produzir suas provas e influir sobre a formação do convencimento do magistrado”[9].

Além do benefício ter uma ampla e completa abrangência, esse pedido de gratuidade da justiça pode ser realizado a qualquer tempo, inclusive após a sentença. Entretanto, nesse caso, a gratuidade somente alcançará os atos realizados após o seu deferimento, não abrangendo os atos já praticados[10].

3.- Direito argentino: benefício de litigar sem gastos

Na Argentina, a garantia de litigar sem gastos está prevista no artigo 78 e seguintes, do Codigo Procesal Civil y Comercial de la Nacion, alterado em 2001 pela lei 25.488. Essa garantia está prevista também no artigo 12, item 6, da Constitución de la Ciudad Autónoma de Buenos Aires e em constituições de outras províncias. O artigo 15 da Constitución de la Provincia de Buenos Aires também assegura a gratuidade nos trâmites judiciais e a assistência letrada às pessoas que carecem de recursos financeiros[11].

Para obter esse benefício, o requerente deve acumular os seguintes requisitos: a) ter necessidade de reclamar ou defender um direito perante a justiça; b) ser titular do direito a ser defendido, cônjuge ou pai de filho menor titular; c) estar carente de recursos econômicos e impossibilitado de obtê-los; d) demonstrar essa impossibilidade de obter recursos, através da declaração de testemunhas[12].

Concernente à carência de recursos econômicos para ter acesso ao benefício, o artigo 332 do Código de Processo Civil e Comercial da Província de Santa Fé dispõe que: “Será considerado pobre el que acredite no poseer bienes por mayor valor de quince mil pesos ni renta mensual que exceda de dos mil, y el que por cargas de familia u otras circunstancias no pueda sufragar los gastos de su defensa, siempre que esa situación no haya sido creada por actos que verosímilmente lleven a presumir el propósito de eludir las responsabilidades emergentes del proceso. En la estimación del valor de los bienes, no serán incluidos los muebles y enseres que las leyes declaran inembargables”.

Sobre esta previsão legal, Hélio Márcio Campo deduz e aponta ser necessidade que a parte seja indigente para ter acesso ao benefício[13].

Além disso, o artigo 84 do Cod. Proc. Civil y Com. de la Nación estabelece que a vigência do benefício de litigar sem gastos perdura até o momento em que houver melhora de fortuna por parte do beneficiário. Isto ocorre porque a situação econômica do beneficiado tem caráter transitório e pode ser transformada.

Nos mesmos moldes do Direito Brasileiro, a concessão do benefício de litigar sem gastos no âmbito da Argentina abrange a gratuidade total ou parcial das custas processuais, a remuneração dos peritos, publicação de editais, expedição de certidões, podendo, ainda, escolher entre um defensor público ou advogado particular[14].

Uma diferença detectada entre o direito brasileiro e o direito argentino refere-se ao efeito da concessão do benefício. No Brasil o deferimento do benefício alcança apenas os atos realizados a partir do deferimento. Já na Argentina, os carentes de recursos financeiros também poderão solicitar o benefício antes de proporem a demanda ou em qualquer estado do processo. Todavia, no artigo 84 do Cod. Proc. Civil y Com. de la Nación está prevista a retroatividade do benefício à data da promoção da demanda.

Além dos esforços e do caráter protetivo que cada um desses países já destina em proporcionar aos cidadãos o completo acesso à Justiça, como estados partes do Mercosur, firmaram um acordo. Este acordo estabelece que os cidadãos e os residentes permanentes de um dos estados membro gozarão das mesmas condições dos cidadãos e residentes permanentes a outro estado parte[15].

4.- Alguns aspectos que motivam a utilização abusiva da Justiça Gratuita

4.1.- Concessão do benefício mediante simples apresentação da declaração de pobreza

No Brasil, com a desburocratização do instituto passou-se a exigir a mera declaração de pobreza para que o benefício da gratuidade da justiça fosse concedido, entretanto, essa facilidade tem ocasionado o uso abusivo do instituto pelos cidadãos e advogados. A lei 1.060/50 prevê essa facilidade, todavia, a Constituição Federal aponta ser necessária a comprovação da insuficiência de recursos.

No entorno desse conflito, a jurisprudência brasileira ainda diverge em suas decisões: ora decidem pela exigência de comprovação da situação econômica, ora aceitam a mera carta de pobreza como documento suficiente para comprovar a insuficiência de recursos e conceder imoderadamente o benefício. Por exemplo, o Tribunal Superior do Trabalho tem precedentes “no sentido de desobrigar a parte de produzir prova acerca de sua condição econômica, exigindo para tal fim mera declaração nos autos, feita em qualquer momento processual”[16]. Enquanto isso, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro editou a súmula 39: "É facultado ao Juiz exigir que a parte comprove a insuficiência de recursos, para obter concessão do benefício da gratuidade de Justiça (art. 5º, inciso LXXIV, da CF), visto que a afirmação de pobreza goza apenas de presunção relativa de veracidade."

Diferentemente do quanto previsto na legislação brasileira, que exige, em regra, apenas a mera apresentação da carta de pobreza para obtenção do benefício de litigar sem gastos. Na Argentina é necessário apresentar, juntamente com a solicitação que deverá mencionar os fatos que fundam a necessidade de reclamar ou defender judicialmente, a prova da impossibilidade de obter recursos acompanhada da declaração assinada por testemunhas.

4.2.- Isenção dos honorários sucumbenciais

Em regra, no Brasil, quem perde um litígio é condenado ao pagamento das custas processuais que foram antecipadas, bem como aos honorários advocatícios sucumbenciais[17]. Entretanto, se a parte estivesse sob o pálio da justiça gratuita e não houve êxito na ação, mesmo assim, além do não pagamento das custas processuais, apesar de ser condenado no pagamento das custas processuais e honorários advocatícios, este, por ser beneficiário da gratuidade da justiça integral, é presenteado pela dispensa do pagamento dos honorários sucumbenciais e custas processuais.

No âmbito do processo brasileiro, em razão do benefício da justiça gratuita cumular também com a dispensa do pagamento dos honorários sucumbenciais (art. 20 do CPC), desperta e motiva interesse para que mais pessoas venham litigar na justiça e também utilizarem de forma inadequada e irresponsável o acesso à justiça.

Em concordância, Paulo Maximilian W. M. Schonblum cita Rudi Loewenkron que atribui à ausência de riscos e custos como um dos motivadores à prática desses abusos: “Nesse contexto também se observa certo grau de exploração do problema com a chamada ‘indústria do dano moral’ formada por pessoas que vêm a Juízo, geralmente abusando da cobertura constitucional da justiça gratuita, não pagam as custas, não precisam se preocupar com a sucumbência contrária e apresentam pleitos nos quais, quando muito, observa-se que sofreram mero incômodo, um simples inconveniente e desses fatos mínimos procuram extrair um quadro de enorme humilhação para faturarem ‘algum’”[18].

Essa ausência de riscos financeiros à parte litigante – beneficiada pela isenção das despesas processuais que inclui os honorários sucumbenciais- é um motivador e facilitador para a propositura de ações aventureiras e sem fundamentos. Nesse sentido, Bárbara de Landa Gonçalves aponta que esse acesso facilitado à justiça, onde se supera o excesso de formalidades, o obstáculo das despesas processuais e a desnecessidade de advogado para se estar em Juízo, faz com que em maior frequência, litigantes contumazes e aventureiros utilizem da Justiça, por não correrem riscos e não terem nada a perder. Ela ainda destaca que esses litigantes, que podem arcar com as custas do processo, escolhem a via especial pois não implicam em risco à sucumbência e ao pagamento de custos, limitando-se ao tempo perdido ser o único prejuízo no caso do fracasso da demanda[19].

De acordo com Thiago Donassolo: “Inúmeras demandas temerárias são propostas diariamente, muitas vezes eivadas de gritante má-fé, fomentadas unicamente pelo fato do postulante estar protegido pelo beneficio da gratuidade. Em diversos casos, a mesma ação não chegaria às portas do Poder Judiciário caso o demandante tivesse que suportar o custo de sua litigância imprudente”[20]. Afirma ainda que “ao conceder a benesse a gratuidade, equivocadamente, para um litigante capaz de suportas as custas, o julgador estará contribuindo para o retrocesso da efetividade jurisdicional.”. E mais: “Tanto o autor quanto o réu beneficiados pela AJG, geram um custo que o Estado se propõe a suportar. Contudo, na medida em que ocorre a banalização da concessão da gratuidade, o colapso da estrutura judiciária tende a aumentar assombrosamente.”[21] Adicionando ainda: “Contudo, devido a uma série de fatores determinantes, a banalização da concessão de AJG está, de maneira reflexa, inviabilizando a efetividade da prestação jurisdicional para outra parcela da população, na medida em que assoberba o judiciário com demandas temerárias, além de acarretar gastos excessivos e descabidos ao Estado.”[22]

4.3.- O ônus da prova da insuficiência de recursos

Outro aspecto que motiva o uso inadequado da declaração de pobreza é o ônus probante na impugnação ao pedido de assistência judiciária, ou seja, a parte contrária tem o dever de impugnar o pedido de assistência judiciário, bem como o de provar a capacidade econômica da parte em arcar com as despesas do processo. Em regra geral, no processo civil brasileiro, o ônus da prova é da parte que alega. Entretanto, provar a situação econômica do beneficiário da justiça gratuita é uma tarefa nem sempre possível para a parte que alega, visto que, muitas vezes, a parte não tem informações suficientes sobre o beneficiário.

Em um processo julgado no Estado do Paraná, a parte contrária apresentou impugnação ao pedido de assistência judiciária, entretanto o benefício foi concedido e mantido, tendo em vista que o impugnante, não tendo apresentado provas, limitou-se a afirmar que os rendimentos mensais do demandante seriam suficientes para arcar com os custos do processo[23]. No Direito Brasileiro antigo, também estava previsto o benefício da assistência judiciária gratuita. Entretanto, concernente à prova, no título 22, § 2o do Livro III, consignava a dispensa de caução aos pobres, mas exigia-se que esse provasse por meio de testemunhas o estado de pobreza[24].

Em geral, na Argentina, o ônus da prova da insuficiência de recursos para obter o benefício de litigar sem gastos é do Requerente. Esse deve utilizar de testemunhas, limitado ao número máximo de cinco pessoas, estando este trâmite sujeito ao acompanhamento da parte contrária no intuito de fiscalizar e atender ao princípio do contraditório. Vale ainda destacar que essa prova testemunhal tem o condão de demonstrar e convencer o julgador de que o Requerente do benefício não tem recursos suficientes de arcar com os ônus do processo, declarando ainda que ele não possui imóveis, automóveis e nem contas bancarias[25]. Todavia, apesar desse procedimento diferenciado, com a participação inclusive de testemunhas, para impugnar a concessão do benefício de litigar sem gastos, Araken de Assis aponta que: “[…]há imensa dificuldade de se provar que o beneficiário não fazia jus ao benefício ou que cessou o seu estado de necessitado; há aí uma situação claramente desvantajosa, pois dificilmente poderá o impugnante reunir provas acerca de quanto ganha e quanto gasta aquele, de modo que a concessão é irreversível na maioria dos casos”[26].

Essa dificuldade do impugnante em obter informações e provas completas sobre as condições financeiras do beneficiário também incentivam a prática abusiva na utilização do benefício de litigar sem gastos.

5.- Considerações finais

Através desse comparativo entre as previsões legislativas da justiça gratuita no ordenamento jurídico brasileiro e argentino, é possível identificar alguns aspectos que motivam a utilização abusiva da justiça gratuita, em especial a facilidade de o litigante ser favorecido pelo benefício sem a necessidade de comprovar a insuficiência de recursos.

Além disso, tanto na Argentina, quanto no Brasil, existe a dificuldade da parte contrária impugnar a concessão do benefício. Isso ocorre porque, normalmente, o impugnante não tem acesso às informações necessárias para provar que o requerente não necessita do benefício. Outro aspecto que também motiva a utilização abusiva da carta de pobreza é a ausência de riscos para o litigante que fica isento do pagamento dos honorários sucumbenciais à parte beneficiada para litigar sem gastos.

Sendo assim, faz-se necessária a realização de uma alteração legislativa para exigir que todo requerente comprove, através de documentos e testemunhas, a sua hipossuficiência econômica, como previsto no artigo 5o, inciso LXXIV, da Constituição Brasileira de 1988, ou seja, em legislação posterior à Lei 1.060/50.

 

Referências
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado,1998.
BRASIL. Lei 1.060, de 05 de fevereiro de 1950. Estabelece normas para a concessão de assistência judiciária aos necessitados. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L1060.htm>, Acesso em: 26/03/2012.
CAMPO, Hélio Márcio. Assistência Jurídica Gratuita: assistência judiciária e gratuidade judiciária. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira, 2002.
Decisión CMC No 49/00. Acuerdo sobre el beneficio de litigar sin gastos y assistência jurídica gratuita entre los estados partes del Mercosur. Disponível em: <http://www.mercosur.int/msweb/Normas/normas_web/Decisiones/ES/Dec_049_000_Acuerdo_Benef-Justicia_Asist-Jur_Gratuita_Acta%202_00.PDF>. Acesso em 10/02/2012.
DIAZ SOLIMINE, Osmar L., Beneficio de litigar sin gastos. 2a ed. Act. y ampl., Astrea, Buenos Aires, 2003.
DONASSOLO, Thiago. Acesso e decesso à Justiça mediante a concessão da assistência judiciária gratuita no Brasil. Disponível em:<http://www.abdpc.org.br/abdpc/artigos/Thiago%20Donassolo%20%20versão%20final.pdf>. Acesso em: 11/04/2012.
CAMPS, Carlos Enrique. El beneficio de litigar sin gastos. 1a ed. – Buenos Aires: LExisNexis Argentina, 2006.
GIANNAKOS, AngeloMaraninchi. Assistência judiciária no direito brasileiro. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2008.
GONÇALVES, Bárbara de Landa. Acesso e decesso à Justiça, litigância abusiva e a crise da efetividade do Judiciário. Disponível em: <http://portal.estacio.br/media/2476174/bárbara%20de%20landa%20gonçalves.pdf>,Acesso em 22/02/2012.
MARCACINI, Augusto Tavares Rosa. Assistência jurídica, assistência judiciária e justiça gratuita. Rio de Janeiro: Forense, 1996
SCHONBLUM, Paulo Maximilian W. M. A gratuidade de justiça que transforma o Poder Judiciário em “Porta da Esperança”. Focus.Chalfin, Goldberg &Vainboim. nº 6. Novembro/2007. Disponível em: <http://www.cgvadvogados.com.br/html/downloads/focus_06.pdf>. Acesso em :20/02/2012.
STJ. Recurso Especial nº 904.289 – MS (2006/0257290-2). Relator: Ministro Luis Felipe Salomão
TST – RECURSO DE REVISTA: RR 830000720065150013 83000-07.2006.5.15.0013 <http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/20492246/recurso-de-revista-rr-830000720065150013-83000-0720065150013-tst>.Acesso em: 10/03/2012.
TUCCI, José Rogério Cruz e. (Coord.). Garantias Constitucionais do Processo Civil. São Paulo: RT, 1999.
Programa Nacional de Desburocratização instituído pelo Decreto no 83.740/1979. 
ZANON, Artemio. Da assistência jurídica integral e gratuita. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1990.
TJPR – Apelação Cível: AC 1258813 PR Apelação Cível – 0125881-3
 
Notas:
[1] BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil.Brasília,DF:Senado,1998.
[2] BRASIL. Lei1.060, de 05 de fevereiro de 1950. Estabelece normas para a concessão de assistência judiciária aos necessitados. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L1060.htm>, Acesso em: 26/03/2012.
[3] MARCACINI, Augusto Tavares Rosa. Assistência jurídica, assistência judiciária e justiça gratuita. Rio de Janeiro: Forense, 1996, p. 29. "Os conceitos de justiça gratuita e de assistência judiciária são comumente utilizados como sinônimos, sem que, na verdade, o sejam. Como bem anota José Roberto de Castro, o equívoco tem origem nos próprios textos legislativos, que empregam as duas expressões indistintamente, como se tivessem o mesmo significado. A Lei n. 1.060/50 utiliza diversas vezes a expressão assistência judiciária ao referir-se, na verdade, à justiça gratuita."
[4] ZANON, Artemio. Da assistência jurídica integral e gratuita. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1990, p. 26.
[5] CAMPS, Carlos Enrique. El beneficio de litigar sin gastosˆ. 1a ed. – Buenos Aires: LExisNexis Argentina, 2006, p. 22.
[6] Essa expressão sem prejuízo próprio ou de sua família originou-se do §114 da ZPO (Código de Processo Civil alemão) de acordo com ASSIS, Araken de. Garantia de Acesso à Justiça: Benefício da Gratuidade. In: TUCCI, José Rogério Cruz e. (Coord.). Garantias Constitucionais do Processo Civil. São Paulo: RT, 1999, p. 17.
[7] Programa Nacional de Desburocratização instituído pelo Decreto no 83.740/1979. 
[8] Isenções previstas no artigo 3o da Lei 1.060/50.
[9] GIANNAKOS, Angelo Maraninchi. Assistência judiciária no direito brasileiro. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2008, p. 16.
[10] STJ. Recurso Especial nº 904.289 – MS (2006/0257290-2). Relator: Ministro Luis Felipe Salomão
[11] DIAZ SOLIMINE, Osmar L., Beneficio de litigar sin gastos. 2a ed. Act. y ampl., Astrea, Buenos Aires, 2003, p. 59.
[12] Previsão dos artigos78 e 79 do Codigo Procesal Civil y Comercial de la Nacion
[13] CAMPO, Hélio Márcio. Assistência Jurídica Gratuita: assistência judiciária e gratuidade judiciária. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira, 2002, p. 42.
[14] CAMPO, Hélio Márcio. Assistência Jurídica Gratuita: assistência judiciária e gratuidade judiciária. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira, 2002, p. 43.
[15] Decisión CMC No 49/00.Acuerdo sobre el beneficio de litigar sin gastos y assistência jurídica gratuita entre los estados partes del Mercosur. Disponível em: <http://www.mercosur.int/msweb/Normas/normas_web/Decisiones/ES/Dec_049_000_Acuerdo_Benef-Justicia_Asist-Jur_Gratuita_Acta%202_00.PDF>. Acesso em 10/02/2012.
[16] TST – RECURSO DE REVISTA: RR 830000720065150013 83000-07.2006.5.15.0013 <http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/20492246/recurso-de-revista-rr-830000720065150013-83000-0720065150013-tst>.Acesso em: 10/03/2012.
[17] Honorários sucumbenciais são àqueles pagos aos advogados da parte vencedora no processo pela outra parte vencida.
[18] SCHONBLUM, Paulo Maximilian W. M.A gratuidade de justiça que transforma o Poder Judiciário em “Porta da Esperança”. Focus. Chalfin, Goldberg & Vainboim. nº 6. Novembro/2007. Disponível em: <http://www.cgvadvogados.com.br/html/downloads/focus_06.pdf>. Acesso em :20/02/2012.
[19] GONÇALVES, Bárbara de Landa. Acesso e decesso à Justiça, litigância abusiva e a crise da efetividade do Judiciário. Disponível em: <http://portal.estacio.br/media/2476174/bárbara%20de%20landa%20gonçalves.pdf>,Acesso em 22/02/2012.
[20] DONASSOLO, Thiago. Acesso e decesso à Justiça mediante a concessão da assistência judiciária gratuita no Brasil. Disponível em:<http://www.abdpc.org.br/abdpc/artigos/Thiago%20Donassolo%20%20versão%20final.pdf>. Acesso em: 11/04/2012.
[21] DONASSOLO, Thiago. Acesso e decesso à Justiça mediante a concessão da assistência judiciária gratuita no Brasil. Disponível em:<http://www.abdpc.org.br/abdpc/artigos/Thiago%20Donassolo%20%20versão%20final.pdf>. Acesso em: 11/04/2012.
[22] DONASSOLO, Thiago. Acesso e decesso à Justiça mediante a concessão da assistência judiciária gratuita no Brasil. Disponível em:<http://www.abdpc.org.br/abdpc/artigos/Thiago%20Donassolo%20%20versão%20final.pdf>. Acesso em: 11/04/2012.
[23] TJPR – Apelação Cível: AC 1258813 PR Apelação Cível – 0125881-3
[24] CAMPO, Hélio Márcio. Assistência Jurídica Gratuita: assistência judiciária e gratuidade judiciária. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira, 2002, p. 5.
[25] CAMPO, Hélio Márcio. Assistência Jurídica Gratuita: assistência judiciária e gratuidade judiciária. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira, 2002, p. 42. Texto do artigo 332 do Código Procesal Civil y Comercial da Província de Santa Fé: “ARTICULO 332. Será considerado pobre el que acredite no poseerbienes por mayor valor de quince mil pesos ni renta mensual que exceda de dos mil, y el que por cargas de familia u otras circunstancias no pueda sufragar los gastos de su defensa, siempre que esasituación no haya sido creada por actos que verosímilmentelleven a presumir el propósito de eludir las responsabilidades emergentes delproceso. em La estimacióndel valor de losbienes, no seránincluidoslosmuebles y enseres que lasleyesdeclaraninembargables.”
[26] ARAKEN de Assis. Benefício da gratuidade. p. 184 e 177. In. CAMPO, Hélio Márcio. Assistência Jurídica Gratuita: assistência judiciária e gratuidade judiciária. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira, 2002, p. 73.

Informações Sobre o Autor

Márcio Pirôpo Galvão

Doutorando em Ciências Jurídicas na Universidade Católica Argentina. Especialista em Direito Processual Civil pela Universidade Cândido Mendes. Graduado em Direito pelo Centro Universitário Newton Paiva. Advogado e consultor jurídico


Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais