Governo Lula em Retrospectiva

0


Enquanto mais um ano se inicia, permeado de esperanças por melhoras, devemos lembrar alguns fatos e nomes que foram marcantes no governo petista em 2003. Uma espécie de balanço do que passou adicionado a certas perspectivas para o ano que se inicia. No começo de 2003 esperávamos pelas supostas mudanças que seriam colocadas em práticas pelo presidente Lula. Durante o ano houve uma pasta elogiada, a da Fazenda, que praticou uma política mais austera que o antigo Malanismo, sempre fortemente criticado pelos petistas de plantão. Houve a expulsão dos autênticos (ou radicais) do PT, que não se curvaram ao partido. Assistimos a mudanças na diplomacia, a tolerância em relação ao MST, o apoio do governo federal aos transgênicos. Enfim, muitos depositavam muita esperança no ano de 2003.


O governo Lula começou com trapalhadas. Ministros realizaram declarações estapafúrdias, frases de efeito e o Fome Zero mostrava-se como a principal bandeira do governo, evidenciando-se uma administração assistencialista. Hoje, vemos que o Fome Zero, acéfalo, não produz os resultados esperados, e pior, a tão propalada “área social” no governo petista transformou-se em decepção, eivado de críticas, inclusive de petistas históricos. O governo federal mobilizou-se para aprovar duas reformas no Congresso Nacional: tributária e da previdência. A primeira não mudará muito a vida das pessoas, nem facilitará a dos empresários, uma vez que pode gerar aumento de tributação, deixando o governo mais rico e o povo mais pobre. A segunda serviu para o governo petista cravar uma estaca nas costas daqueles que sempre os apoiaram, em troca da estabilidade das contas públicas. Ou seja, o PT fez exatamente aquilo que criticava nos governos de outrora.


O presidente montou um corpo administrativo inchado, com mais de 30 ministros, onde, logicamente, com o passar do tempo, evidenciou-se acúmulo de funções em certos órgãos, falta de verbas em outros e ausência de funções claras em outros tantos. Vários ministérios tiveram rendimento pífio, mas aquele que com resultados mais desastrosos foi o Itamaraty, sob a conduta da dupla Celso Amorim e Samuel Pinheiro Guimarães. O Brasil apresentou uma política externa voltada para as pretensões e umbigos dos diplomatas da turma que assumiu o poder, deslocando excelentes quadros de nossa diplomacia para postos de baixa importância. Infelizmente, a ideologia virou a principal credencial no Itamaraty.  Esta atitude levou nosso país a ignorar fortes parceiros comerciais, gerar conflitos diplomáticos com super potências, e se aproximar de projetos de ditaduras, como Hugo Chávez, ou mesmo de assumidas ditaduras, como a de Castro em Cuba, Kadafi na Líbia e Bashar Al Assad na Síria, além de ter oferecido asilo ao carniceiro Saddam Hussein por meio do assessor de relações internacionais do presidente, Marco Aurélio Garcia. É preciso entender que negociações comerciais vantajosas são infinitamente mais importantes para o povo do que um assento no Conselho de Segurança, algo somente para alimentar o ego dos burocratas.


Contudo, o governo Lula apresentou boas notícias de dois lados da Esplanada. O primeiro foi o ministro Luiz Fernando Furlan, que poderia ter negociado, de maneira muito mais efetiva e vantajosa para o País, questões comerciais relativas a Alca, OMC, Mercosul e União Européia. Outro ministro de gestão admirável é Roberto Rodrigues, da Agricultura. Seu pragmatismo é elogiável, sua postura é admirável e suas políticas são objetivas. Ministros assim enobrecem um governo, entretanto, sua permanência, no longo prazo, pode se tornar difícil se o Planalto mostrar-se seduzido pela diplomacia pífia de Celso Amorim e a administração ideológica de Marina Silva.


Enfim, esperamos mudanças para 2004. Porém, não me refiro à entrada do PMDB no governo. Refiro-me a maturidade necessária para governar. Hoje, do parco orçamento liberado pelo Ministério da Fazenda, 75% das verbas seguem para ministérios de petistas, enquanto o resto é divido entre as outras pastas. A realidade da negociação política no Congresso Nacional evidencia que esta conta deve ser revista. Entretanto, a tão propalada reforma ministerial deve servir somente para alojar o PMDB no Executivo. O ministro José Dirceu mostra que o acúmulo de funções que se auto-impôs é uma tarefa impossível de ser executada. Muito deve ser revisto. 2004 é a grande oportunidade de o governo dar uma guinada positiva, retirando o Brasil da estagnação, do crescimento zero. Isto somente depende de Lula, pois tudo começa e termina no presidente, afinal, ele é o responsável direto pelos resultados de sua equipe.


Artigo redigido em 03.01.2004



Informações Sobre o Autor

Márcio C. Coimbra

advogado, sócio da Governale – Políticas Públicas e Relações Institucionais (www.governale.com.br). Habilitado em Direito Mercantil pela Unisinos. Professor de Direito Constitucional e Internacional do UniCEUB – Centro Universitário de Brasília. PIL pela Harvard Law School. MBA em Direito Econômico pela Fundação Getúlio Vargas. Especialista em Direito Internacional pela UFRGS. Mestrando em Relações Internacionais pela UnB.
Vice-Presidente do Conil-Conselho Nacional dos Institutos Liberais pelo Distrito Federal. Sócio do IEE – Instituto de Estudos Empresariais. É editor do site Parlata (www.parlata.com.br) articulista semanal do site www.diegocasagrande.com.br e www.direito.com.br. Tem artigos e entrevistas publicadas em diversos sites nacionais e estrangeiros (www.urgente24.tv) e jornais brasileiros como Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, Zero Hora, Jornal de Brasília, Correio Braziliense, O Estado do Maranhão, Diário Catarinense, Gazeta do Paraná, O Tempo (MG), Hoje em Dia, Jornal do Tocantins, Correio da Paraíba e A Gazeta do Acre. É autor do livro “A Recuperação da Empresa: Regimes Jurídicos brasileiro e norte-americano”, Ed. Síntese – IOB Thomson (www.sintese.com).


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais