A responsabilidade civil do Estado no tocante aos presos

0


Ao contrário do que muitos acreditam, o Estado não é o segurador universal. Sua função não é arcar com todos os prejuízos que as pessoas possam sofrer no exercício de suas atividades cotidianas. O motivo é simples: mesmo no mais seguro dos países, não há como garantir de forma absoluta a segurança. Sempre haverá uma taxa de criminalidade, mesmo que a polícia seja extremamente eficaz. Não se pode responsabilizar o Estado pelo que ele não pode fazer, ou seja, evitar os crimes.


Assim, uma pessoa que foi assaltada não tem o direito de pedir indenização ao Estado, a despeito de o art. 144 da Constituição prever que a segurança é um direito de todos e um dever do Estado.


Há, também, o caso de investidores que sofrem prejuízos em operações de risco e que, com freqüência, processam o Banco Central para serem indenizados. Seu desejo é viverem em uma sociedade na qual tudo esteja garantido pelo Estado, o que equivale a um capitalismo sem riscos. É inevitável lembrar o conhecido jargão, pelo qual, no Brasil, privatizam-se os lucros e socializam-se os prejuízos!


A situação muda radicalmente de figura quando a pessoa lesada está sob custódia do Estado. Sua vida é transferida da sociedade civil, em que impera a liberdade, para uma instituição total, concebida e mantida pelo Estado, na qual ele deve se submeter a rígida disciplina, com o objetivo formal de ser “reeducado”.


A Administração Pública torna-se responsável por manter intactos todo os direitos do preso que não foram restritos ou eliminados pela pena (cf. art. 3° da Lei de Execução Penal – Lei 7.210/84). Porém, sabe-se que, mais do que a liberdade, o preso perde sua dignidade. Tratado de forma absolutamente desumana na maioria dos casos, o preso é submetido a constante degradação física e mental. Aliás, a maioria das penas privativas de liberdade pode ser considerada como uma situação inconstitucional, pois viola a proibição de penas cruéis (cf. Constituição Federal, art. 5°, XVLII, e).


Assim, qualquer dano causado ao preso, mesmo que não tenha origem em conduta de agente público, deve ser indenizado pelo Estado. Ressalte-se que a responsabilidade civil da Administração Pública por condutas omissivas é regida pela teoria da falta do serviço, ou seja, o Estado é responsável se o serviço público funcionou mal, não funcionou ou funcionou atrasado. Ora, qualquer dano sofrido pelo preso no interior do presídio demonstra claramente que o serviço penitenciário não funcionou de maneira adequada.


Para o filho de M.V.P.R., o serviço penitenciário falhou miseravelmente. Em 2003, ele foi torturado e enforcado durante uma rebelião em Ponte Nova, município localizado a 180 km de Belo Horizonte. Não se pode dizer que o fato foi imprevisível, pois as condições carcerárias brasileiras sempre tornam previsíveis as ocorrências de rebeliões. Assim, depois de quatro anos, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais considerou presente a responsabilidade civil do Estado, condenando o governo estadual a indenizar a mãe da vítima, por danos morais, no valor de R$ 20.000,00. Sabe-se há muito que a dor não pode ser quantificada, quanto mais a dor de perder um filho. Porém, a indenização por danos morais é a compensação possível nesses casos.


A utilização dessas ações de indenização é uma forma de desestimular o comportamento que, de alguma forma, causou o dano, além de ser uma maneira, mesmo que microscópica, de a população mostrar seu repúdio ao sistema carcerário como ele se encontra e, assim, exigir sua reforma.



Informações Sobre o Autor

Alexandre Magno Fernandes Moreira Aguiar

Procurador do banco Central em Brasília e professor de Direito Penal e Processual Penal na Universidade Paulista


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais