O Regime Fiscal Privilegiado: tendência internacional para controle

0


A conversão da Medida Provisória nº 413/08 na Lei nº 11.727, no último dia 23, contou com a inclusão de um dispositivo em particular que traduz a preocupação mundial de combater a concorrência fiscal “prejudicial” (“harmful tax practices”). Trata-se da extensão das regras de controle dos preços de transferência às operações realizadas em “regime fiscal privilegiado”. A introdução deste conceito no novo art. 24-A da Lei nº 9.430/96, apesar de apresentar algumas distorções em relação à experiência internacional sobre o assunto, demonstra a tendência cada vez maior de controle de operações e estruturas específicas, ainda que praticadas em países não classificados como de tributação favorecida – “paraísos fiscais”.


De acordo com os incisos I a IV do novo art. 24-A, considera-se regime fiscal privilegiado aquele (i) que tributa a renda à alíquota máxima de 20%; (ii) que tributa os rendimentos auferidos fora de seu território à alíquota máxima de 20%; (iii) que concede vantagem fiscal a um não residente sem exigir a realização de atividade econômica substantiva ou condicionando esse benefício ao não exercício de atividade econômica substantiva; e (iv) que mantenha sigilo quanto à composição societária das pessoas jurídicas, à titularidade de bens ou direitos ou às operações econômicas realizadas.


A primeira observação que se faz é que o conceito de regime fiscal privilegiado passou a coexistir com aquele de país com tributação favorecida (“paraísos fiscais”). Isso porque o conceito de país com tributação favorecida está relacionado a um determinado país, ao passo que o de regime fiscal privilegiado pode alcançar regiões de um país, pessoas, estruturas e / ou operações específicas ali praticadas, os quais não necessariamente implicariam na classificação de todo o território como “paraíso fiscal”.


Essa divisão, aliás, já está presente nos estudos da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE (conforme Relatório publicado em 1998 e intitulado “Harmful Tax Competition: An Emerging Global Issue”), que, admitindo que todos os países são, de certo modo, “paraísos fiscais” quanto a uma determinada operação, estrutura societária, rendimento etc., procuram inibir a realização de uma certa operação ou estrutura sem necessariamente enquadrar o respectivo país no conceito de “paraíso fiscal”.


Importante notar, contudo, que alguns dos elementos listados pelo novo art. 24-A da Lei nº 9.430/96 para a caracterização dos regimes fiscais privilegiados já foram considerados inócuos e de difícil aplicação em estudos específicos da OCDE. Exemplo disso é a ausência de obrigação de exercício de uma atividade econômica substancial. O Relatório da OCDE, de 14 de novembro de 2001 (denominado “The OECD’s Project on Harmful Tax Practices: the 2001 Progress Report”), sugeriu que os países não mais utilizassem o critério da obrigatoriedade de exercício de uma atividade econômica substancial na caracterização de um regime fiscal privilegiado, e que passassem a dispensar maior atenção à transparência dos atos e à disponibilidade dos países fornecerem informações.


No contexto, portanto, dos estudos já elaborados sobre o tema, o recém-editado art. 24-A da Lei nº 9.430/96 tem a finalidade de adequar a legislação brasileira ao modelo internacional de combate à concorrência fiscal prejudicial, empenhando esforços para fiscalizar “as operações favorecidas ou as dependências em que se pratique regime fiscal privilegiado, sem a necessidade de se classificar todo o país no conceito de paraíso fiscal” (conforme discussões da Câmara dos Deputados sobre a conversão em Lei da Medida Provisória nº 413/08).


No entanto, a tarefa de identificação desses regimes fiscais privilegiados não seria fácil, e, caso deixada sob a responsabilidade dos contribuintes, poderia levar a constantes confrontos com a administração tributária, que poderia não concordar com os critérios utilizados para a identificação ou afastamento das operações sujeitas a controle. Afinal, a legislação brasileira conceitua genericamente os regimes fiscais privilegiados, assim como faz com os países com tributação favorecida. Nesse contexto, atribuir ao contribuinte o ônus de conhecer em detalhes o regime fiscal sob o qual operam todos os seus fornecedores e clientes domiciliados no exterior seria impor-lhe um ônus desmedido e sem muita segurança, uma vez que o critério eventualmente utilizado pelo contribuinte poderia ser questionado pela Receita Federal do Brasil.


Por esse motivo é que entendemos que, à semelhança do que ocorre com os países com tributação favorecida, a aplicação da nova regra requer a centralização das informações pertinentes, produzindo efeitos para os regimes fiscais que sejam objeto de lista específica a ser publicada pela Receita Federal do Brasil. Tal lista deveria, ainda, se submeter a periódicos processos de revisão e atualização (tal como ocorre no contexto dos estudos publicados pela OCDE sobre o tema).



Informações Sobre o Autor

Juliana Nunes

Advogada do KLA – Koury Lopes Advogados – especializada em Direito Tributário


Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais