A liberdade assistida como alternativa a ressocialização do adolescente

1- Exposição

A doutrina perfilhada no Estatuto, de
Proteção Integral, em conformidade aliás, com a
Convenção sobre os direitos da criança, adotada pela ONU e subscrita pelo
Governo Brasileiro em 26 de janeiro de 1990 ( texto aprovado pelo Decreto
Legislativo nº 28 14.09.90 e promulgado pelo Decreto
Executivo nº 99.710, de 20.1190), nos traduz que a
criança e o adolescente sempre terão a prioridade.

Criança e adolescente sempre uma
prioridade, é sem dúvida alguma um tema sempre atual.

O espírito norteador do Estatuto da
Criança e do Adolescente, pulverizou a malfadada
‘doutrina da situação irregular’. Como muitos fazem a
analogia, o Estatuto da Criança e do adolescente está para o século XXI como a
lei Áurea esteve para o século atual. Não deixa de ser uma lei civilizatória.

Entretanto, aos 13 dias do mês de julho
próximo passado o Estatuto fez 10 anos, restando a
reflexão: O que mudou? Será que cada um de nós, membros do Ministério Público,
da Magistratura, advogados, ONGs.
e sociedade em geral, temos cumprido o nosso papel? Em nossa Comarca já
podemos contar com os Conselhos de Direitos e Tutelar?
Temos estabelecimentos adequados para cumprimento de medida sócio educativa?

Devemos manter acesa em todos nós a
chama que deu vida ao Estatuto. A luta dos movimentos populares, de juristas e
técnicos de várias instituições não foi em vão, pois através desta lei,
crianças e adolescentes conquistaram a condição de sujeitos de direito, de
pessoa em desenvolvimento e de prioridade absoluta.

Parece que a exemplo da lei Áurea, cujo
impulso abolicionista parou na libertação jurídica dos escravos, já que à
imensa maioria deles e de seus descendentes não foram garantidos os meios
indispensáveis ao exercício da cidadania: o acesso à
terra, à educação, à profissionalização, à moradia digna, à cultura etc, o quadro atual de nossos adolescentes empobrecidos,
tem muito a ver com essa “abolição incompleta”. Os rostos dos meninos jogados
nas ruas de nossas cidades, nos internatos-prisões,
nas jaulas das Delegacias, nas prisões para meninos e nas
penitenciária e prostíbulos de todo o país.

É evidente a clareza da ruptura do
Estatuto com toda a tradição legislativa latino-americana sobre a matéria.

Mas será que progredimos? Onde
progredimos?

Quem pretende transitar com segurança
pela seara da criança e do adolescente deverá ter sempre presente o princípio
maior insculpido no dispositivo 1º da Lei nº
8.069/90, pois no aludido dispositivo floresce toda a doutrina de proteção integral- concepção do Estatuto da Criança e do Adolescente.

A Carta Magna assegurou. E está expresso no Art. 227 da Constituição Federal.

O “caput” do Art. 227 concretiza
e expressa essa postura do movimento social e do legislador constituinte,
quando estabelece que:

“É dever da família, da sociedade e do
Estado assegurar à criança e ao adolescente, com ABSOLUTA PRIORIDADE, o
direito:

– à vida,

– à saúde,

– à alimentação

– à educação

– ao lazer

– à profissionalização

– à cultura

– à dignidade

– ao respeito

– à liberdade

– à convivência familiar e comunitária

Além de colocá-los à
salvo de toda forma de:

DEFESA DE DIREITOS ( Proteção
especial)

– negligência

– discriminação

– exploração

– violência

– crueldade

– e opressão”

O § 3º do supra
citado artigo ainda assegura:

“O direito a
proteção especial abrangerá os seguintes aspectos:

omissis

obediência aos princípios de brevidade, excepcionalidade e respeito à condição peculiar de pessoa
em desenvolvimento, quando da aplicação de qualquer medida privativa de
liberdade

Vemos que mais de dez anos depois, após
revogar o velho paradigma, representado pelas leis nº
4.513/64 ( Política Nacional de Bem- Estar do Menor) e
nº 6.697/79 ( Código de Menores) o Estatuto, que
criou condições legais para que se desencadeasse uma verdadeira revolução,
tanto na formulação das políticas públicas para a infância e juventude como na
estrutura e funcionamento dos organismo que atuam na área, deixa muito a
desejar.

Ao início de mais um milênio,
observa-se que o homem pouco avançou no conhecimento de suas origens e de seu
destino, não evitando o desencadeamento de uma violência e de uma insegurança
nunca dantes conhecidas.

Vê-se um abalo constante dos padrões da
justiça, revelado na atual realidade penitenciária, tipicamente criminalizante, no contexto de um sistema arcaico propício
para a internalização dos apodrecidos valores da vida
carcerária, sempre a fomentar, dia a dia, malefícios que, na teoria se propõe a
evitar.

É chegado o início do novo século e
nenhum país pôde mostrar, com clareza, que conseguiu resolver os problemas da
prisão, com ou sem ela. Sair da prisão é sempre encontrar a possibilidade de
abandonar um processo de morte por outro de vida.

Se a ciência penal não souber recuperar
o seu prestígio, ela jamais conseguirá eficiência para atingir o ideal expresso
na bela lição de Nelson Hungria, que bradou por um “Direito Penal caminhando
para o chão do átrio, onde ecoa o rumor das ruas, o vozeio da multidão, o
estrépito da vida, o fragor do mundo, o bramido da tragédia humana”.

Infelizmente mesmo ao final de mais um
século ainda não é possível afirmar com tranqüilidade se algum dia a humanidade
chegará à perfeição que lhe permita abolir a prisão. De qualquer modo, o fato é
que não podemos passar sem ela. A quem pretenda infringir a lei é preciso
oferecer um contra estímulo, um motivo para não fazê-lo.

O espetáculo é deprimente, pois enviuva a esposa de marido combalido, orfana
filhos de pai vivo, desadapta o encarcerado à
sociedade, suscita graves conflitos sexuais; onera o Estado; amontoa seres
humanos em jaulas sujas úmidas, onde vegetam em olímpica promiscuidade.

É a realidade. O fato é que não há
privação de liberdade feliz. Ela não permite nenhuma modificação interior, não
permite equilíbrio entre corpo e espírito, em ambiente de intensa carga
negativa onde as pessoas estão sempre mostrando dor e sofrimento, na batalha
diária da sobrevivência.

A privação de liberdade continua a
procurar um futuro novo capaz de viabilizar medidas práticas na sua execução
penal que correspondam aos anseios da reinserção
social e moral. Tamanhas dificuldades indicam ser imprescindível a determinação de se levar a termo a execução de medidas
sócio educativa, reservando a privação de liberdade aos casos em que o infrator
represente perigo concreto e contínuo à tranqüilidade social.

O propósito maior deve ser o banimento
da promiscuidade, a fim de que o adolescente tenha suporte para alimentar o
amor à sua própria dignidade, preparando o futuro para, em liberdade, prover
com honradez e autonomia sua subsistência.

É necessário que arregacemos as mangas
e partamos à luta. É necessário que todos nós, que trabalhamos diretamente com
os jovens, possamos dar nossa parcela de contribuição e façamos assegurar pelo
menos à garantia à convivência familiar e comunitária.

É necessário que haja a mudança de
mentalidade e possamos incentivar a aplicação de outras
medidas sócio educativas,  priorizando as de regime aberto.

A medida de Privação de Liberdade é a última das medidas sócio educativas previstas no Estatuto.
Devemos priorizar as demais.

1.1 – Doutrina da proteção integral

O Povo brasileiro consciente de que a criança e o adolescente constitui-se seu maior patrimônio
garantiu-lhe a proteção integral.

A solução para os problemas da infância
e da juventude deixou de ser tarefa exclusiva dos poderes públicos e passou a
ser responsabilidade da família, da sociedade e por fim do Estado.

1.2 – Prioridade absoluta

O Art. 4º do estatuto
praticamente transcreve o Art. 227 da Constituição Federal, que determina que
primeiro a família e, supletivamente o estado e a sociedade, têm o dever de
assegurar, por todos os meios, de todas as formas e com absoluta prioridade,
todos os direitos inerentes à constituição de um ser humano.

Por absoluta prioridade, devemos
entender que a criança e o adolescente deverão estar em primeiro lugar na
escala de preocupação dos governantes; devemos entender que, primeiro devem ser
atendidos todas as necessidades das crianças e adolescentes, por serem o maior
patrimônio de um povo.

Por absoluta prioridade, entende-se que
na área administrativa, enquanto não existirem creches, escolas, postos de
saúde, atendimento preventivo e emergencial às gestantes, dignas moradias e
trabalho, não se deveria asfaltar ruas, construir
praças, sambódromos, monumentos artísticos etc. porque a vida, a saúde, o lar,
a prevenção de doenças são mais importantes do que as obras de concreto que
ficam para demonstrar o poder dos governantes”( Wilson Donizete Liberati,
1991).

1.3 – Mecanismos de Exigibilidade

O Estatuto também indica os mecanismos
de sua exigibilidade. Desta feita a “garantia de prioridade” compreendida no
parágrafo único do Art. 4º será promovida e fiscalizada pelo Ministério
Público, nos termos de suas funções institucionais, gravadas no inciso II do
artigo 129 da Constituição Federal.

Não se pode restringir o empenho dos
Representantes do Ministério Público em defesa dessa proteção universal a
determinadas situações.

O Ilustrado Hugo Nigri
Mazilli adverte:

 “Cumpre deixar claro, posto
óbvio, não é apenas o Promotor da Justiça da Infância e da Juventude o único
Órgão do Ministério Público que zela direitos e
interesses ligados à proteção dos menores. O Promotor criminal, o Curador de
família, o curador dos incapazes, o Procurador de justiça, enfim, toda a
Instituição, na forma e nos limites da lei local de organização do Ministério
Público, está investida na proteção da infância e juventude”( in revista de
Informação legislativa- Senado Federal, Brasília, 1997, n.114, pag. 176) .

1.4 – Cometimento de ato infracional

Não obstante o Estatuto prevê a
doutrina de proteção de integral, isto não quer dizer que o adolescente autor
de um ato antijurídico não será responsabilizado.

O Estatuto considera ato infracional a
conduta descrita como crime ou contravenção penal (Art. 103)

Ao cometimento de tais infrações,
descritas no Estatuto como Ato Infracional,
corresponde a aplicação da competente medida sócio
educativa, previstas no Art. 112 do Estatuto.

Assim temos as
seguintes medidas sócio educativas:

– Advertência;

– obrigação de reparar o dano;

– prestação de serviços à comunidade

– liberdade assistida

– inserção em regime de semiliberdade;

– internação em estabelecimento
educacional;

– qualquer uma das previstas no Art.
101, I a VI.

A medida a ser aplicada ao adolescente
levará em conta a sua capacidade de cumpri-la, as circunstâncias e a gravidade
da infração.

A medida sócio educativa além de proteger o infrator, com a
assistência psicológica e social tem por objetivo reverter o seu potencial criminógeno para que venha a se tornar um cidadão útil e
integrado à sociedade.

O Estatuto impõe o período máximo de
internação de três anos, aos adolescentes autores de infração penal, só podendo
ser aplicado no entanto, quando tratar-se de ato infracional cometido mediante grave ameaça ou violência a
pessoa, por reiteração no cometimento de outras infrações graves, ou por
descumprimento reiterado e injustificável da medida anteriormente imposta.

Entretanto, não é o que se observa.
Temos uma tendência muito grande a aplicar unicamente a
última medida prevista, a de privação de liberdade.

E o resultado é o que nossos jornais e
televisão mostram todos os dias. Fugas e motins tornaram-se fatos corriqueiros
do cotidiano.

Muitos adolescentes, que praticam ato infracional sem graves conseqüências estão misturados com
outros mais perigosos e “escolados”, favorecendo assim, uma maior troca de
experiências negativas.

A situação é mais preocupante ainda,
quando se vê que nestes estabelecimentos, que deveriam zelar pelo
desenvolvimento potencial do adolescente, observa-se um sem número de
adolescentes aglomerados, num mesmo ambiente, sem qualquer divisão em razão do
ato infracional cometido.

Por essa razão é que defendemos a tese,
de que devemos disseminar e propagar, que os adolescentes respondem sim por
seus atos, e que verificada a prática de ato infracional,
poderão ser aplicadas qualquer uma das medidas sócio
educativas previstas no Art. 112, na proporção em que são colocadas,
preferindo-se as em regime aberto.

É necessário que
comecemos a tratar o adolescente no próprio meio natural, evitando a
internação, condenada pelos males que acarreta, como o hospitalismo,
a avitaminose efetiva e a propensão para a delinqüência.

1.5 – A  liberdade assistida como proposta

A liberdade assistida proveio da probation, instituto anglo- americano,
cuja aplicação é enfaticamente preconizada pela ONU, e já plenamente aceita
pela legislação comparada, inclusive pelo Estatuto da Criança e do Adolescente,
no artigo 118.

O instituto foi disciplinado pelo
Código Melo Matos, com a denominação de liberdade vigiada, nos artigos 92 a 100. O Código de 1979 a denominou liberdade
assistida, no artigo 38. Previu a aplicação da medida nos casos do menor com
desvio de conduta e autor de infração penal.

No Estatuto da Criança e do Adolescente
em vigor foi mantida a mesma denominação. Trata-se da medida sócio-educativa
prevista no artigo 112, item IV.

O artigo 118 do ECA
dispõe:

“A liberdade assistida será adotada
sempre que se afigurar a medida mais adequada para o fim de acompanhar,
auxiliar e orientar o adolescente”.

A Liberdade assistida é uma das
modalidades de tratamento em meio livre e consiste na colocação do adolescente
no seu meio natural, sem afastá-lo do lar, da escola e do trabalho, sob a
supervisão do orientador qualificado.

Trata-se de medida aplicada na decisão
final, após rigoroso contraditório, assegurando-se a ampla defesa. Pode da mesma forma ser aplicada, quando ao adolescente for
concedida a remissão.

É considerada como peça fundamental na
reeducação do adolescente autor de ato infracional.

1.5.1 – Objetivos da liberdade assistida

O objetivo da liberdade assistida é a
reeducação do adolescente e sua reinserção social.
Visando o bem estar do adolescente, como uma alternativa do regime fechado, proteção
da comunidade e contribuição para o aprimoramento da administração de proteção
integral consagrada pelo Estatuto.

Permite assim, que o adolescente,
durante o cumprimento da medida sócio educativa de liberdade assistida
permaneça na comunidade, sem se afastar da família, do trabalho e da escola.

Outro objetivo fundamental, o da
prevenção especial, consiste em eliminar ou reduzir as possibilidades da
reincidência, procurando-se impedir a repetição da conduta anti-social.

Entretanto, a fim de que o valor seja
frutífero deve-se levar em conta o pessoal especializado, que seleciona e
assiste o adolescente. A medida terá que ser precedida de observação. Para seu
sucesso, dependerá de serviço especializado para o estudo do caso; metodologia
de supervisão; organização técnica do mecanismo de aplicação; e designação do
agente de prova devidamente qualificado.

Na liberdade assistida o adolescente é
posto sob o controle e seguimento de “Pessoa capacitada para acompanhar o caso,
a qual poderá ser recomendada por entidade ou programa de atendimento” (art.
118, § 1º do ECA), ou seja, por assistente
social, educador especializado, pessoa ligada a um dos conselhos previstos pelo
Estatuto ou pessoa da comunidade, com formação qualificada, investida da
particular função de educação ou reeducação, mas sob a autoridade do Juiz da
Infância e da Juventude.

2. Conclusão 

No plano científico cabe à regra
jurídica disciplinar o processo de reeducação e reinserção
social, para garantia dos direitos da pessoa humana do adolescente, da família
e da comunidade. Na dimensão organizacional, incumbe-lhe
regular, além da metodologia da aplicação da liberdade assistida, a seleção do
pessoal, sua admissão, carreira e realização de cursos de formação contínua,
desde o ingresso até a promoção ou ascensão funcional.

É imperioso concluir:

Em face dos princípios norteadores do
Estatuto da criança e do adolescente, assegurados na Constituição Federal, o
Membro do Ministério Público, o Magistrado, advogados, Defensores Públicos e a
sociedade, devem zelar para que seja assegurado ao adolescente infrator o
direito a convivência familiar e comunitária;

Dentre as medidas previstas no ECA, por ter sido demonstrada na prática a mais eficiente
à ressocialização do adolescente autor de ato infracional o Promotor da Infância e da Juventude deve dar
ênfase a aplicação da medida sócio educativa de liberdade assistida.

O Membro do Ministério Público, como
fiscal da Lei, deve zelar pelo cumprimento de todos os direitos assegurados ao
adolescente e impostos como obrigação do estado, a fim de que possa propiciar o
sucesso da medida sócio educativa.

 

Bibliografia

BRASIL. Constituição (1988).
Constituição [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal.
1988

BRASIL criança urgente: a lei. São
Paulo: Columbus, 1990

CURY, Amaral e Silva, MANOEL ( coord.) Estatuto da Criança e do
Adolescente Comentado.- São Paulo: Malheiros. 1992

MANCUSO, Rodolfo de Camargo. Ação Civil
Pública- 3. ed. São Paulo: RT, 1994.

MAZZILLI, Hugo Nigro. O Ministério
Público na Constituição de 1988. 1ª   ed. São Paulo:
Saraiva. 1989.

MILARÉ, Edis. A ação civil Pública na
nova ordem constitucional. São Paulo: Saraiva. 1989.

OLIVEIRA, Edmundo-
Política Criminal e alternativas à Prisão- Rio de Janeiro: Forense.
1996 

RODRIGUES, Moacir e GONÇALVES, Níveo Geraldo,- Conselho Tutelar Justiça da Infância e da
Juventude e Liberdade Assistida- Del Rey- 1990.

TAVARES, José de Farias-
Comentários ao Estatuto da Criança e do Adolescente- 2ª Ed..
Forense: Rio de Janeiro. 1992

 

Notas

1 Trabalho acerca do tema foi
apresentado pela autora, na oficina de teses, durante o 18º Congresso
da Associação Brasileira de Magistrados e Promotores da Infância e da Juventude
realizado em Gramado


Informações Sobre o Autor

Elaine Castelo Branco Souza

Promotor de Justiça da Infância e da Juventude de Marabá/PA


Proteção Integral de Crianças e Adolescentes: Alimentos e Pandemia

José Roberto Alves de Santana Júnior – Acadêmico de Direito no Centro Universitário AGES. (E-mail: [email protected]) Maria Estela Rabelo Fontes – Acadêmica de Direito...
MariaEduarda
23 min read

Uma análise panorâmica sobre as medidas socioeducativas

Eder Perfoll Marcelino, Gabriela Enelis Rengel Cota, Lucas Fachini, Luiza de Oliveira Burigo, Lucemar José Urbanek Resumo: O presente artigo científico tem como objeto...
MariaEduarda
19 min read

A Legislação Brasileira e a Responsabilização Civil Pela Conotação…

Fernanda Lemos Ferreira; Sânia Maria Campos; Resumo: Uma nova modalidade de pornografia infantil tem sido propagada no YouTube pelo algoritmo de recomendação, com o...
MariaEduarda
28 min read

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *