Inversão do ônus da prova no CDC

0

Consideramos, desde o início, a estrutura básica da sociedade em seu conjunto como uma forma de cooperação”. (Rawls. Justiça e Democracia. p. 157)


1) A posição do Réu


Na inversão do ônus da prova no direito do consumidor faz-se mister considerar a natureza que a relação de consumo implica pois retém qualificação como matéria de ordem pública.


É importante sopesar os interesses em conflito, os quais não são poucos: o devido processo legal, o contraditório, a proteção constitucional ao consumidor, a ampla defesa, o princípio da função social da empresa e o princípio da busca da justiça.


Se a parte autora, consumidor, não faz pedido de inversão do ônus da prova em sua exordial, e mesmo assim o juízo, de ofício concede, aplica, a dita inversão, estará desse modo acarretando uma surpresa para ambas as partes do processo. É importante ressaltar a vontade das partes, a inversão do ônus da prova está aglutinada no rol de direitos do consumidor na Lei 8.078 de 1990 que é o Código de Defesa do Consumidor. A parte processual do CDC está arrumada no título 3.


Todos os direitos do consumidor devem ser respeitados, porém, ao nosso entender, sem ativismo judicial, uma vez que deve ser observado o princípio da inércia do juízo. Por conseguinte se o juízo não for provocado, se a parte não pleitear, aquele não deve conceder direitos que não foram requeridos.


Por ser matéria de ordem em pública, boa parte dos aplicadores do direito entende que o juiz deve, sempre, uma vez presente uma das hipóteses previstas no artigo 6º inciso 8º do CDC, inverter de ofício o ônus da prova.


O mais preocupante ocorre quando o consumidor não é hipossuficiente técnico, ou seja, tem totais condições de produzir em juízo as provas do que alega em sua inicial, e, mesmo assim, o juízo inverte o ônus da prova de ofício.


Da para sentir o braço do Estado sustentando o autor, consumidor, preterindo o réu, que geralmente é uma pessoa jurídica. Esse comportamento paternalista acaba por resvalar no princípio da função social da empresa (disposto na segunda parte do art. 47 da Lei 11.101 de 2005 – Lei de Falências), ou seja, a fonte produtora, os interesses dos credores, o emprego dos trabalhadores, a função social e o estímulo à atividade econômica.


A parte autora deve requerer a inversão do ônus da prova visto que a mesmo é hipossuficiente diante do poder econômico e a impossibilidade da mesma em apresentar as provas, com fulcro no art. 6º, VIII do CDC, determinando a Reclamada que apresente em Audiência de Instrução e julgamento todas as provas que puder e quiser produzir contra a pretensão autoral.


Foi apresentada, até aqui, a visão da empresa. Agora expomos a visão do consumidor.


2) A visão da parte autora


É explícito que nos casos que se trate de relação de consumo, o ônus da prova é da parte Ré, por conseguinte, cabe a mesma, apresentar prova de que o alegado pelo Autorconsumidor não é realidade ou que existe alguma excludente de responsabilidade.


Antes de tecer quaisquer considerações acerca do art. 6º, VIII da Lei n.º 8.078/90 (CDC), cumpre ressaltar o que dispõe o art. 1˚, o qual transcrevemos in verbis:


Art. 1° O presente código estabelece normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública e interesse social, nos termos dos arts. 5°, inciso XXXII, 170, inciso V, da Constituição Federal e art. 48 de suas Disposições Transitórias.” (grifo nosso)


É certo que o art. 6º, VIII do CDC deverá ser analisado conforme o caso, de ofício, pelo juízo, em qualquer instância, como o próprio dispositivo reza e que se torna aplicável ao caso em concreto.


Neste sentido, a explanação do Ilustre Professor SÉRGIO CAVALIERI FILHO, o qual transcrevemos in verbis:


 “Pode o juiz proceder à inversão do ônus da prova quando verossímil a alegação do consumidor e/ou em face da hipossuficiência. Verossímil á aquilo que é crível ou aceitável em face de uma realidade fática” (in, Programa de Responsabilidade Civil. 3. ed. Malheiros: Rio de Janeiro, 2002, p. 439).


Com efeito, uma vez que presentes a verossimilhança nas alegações autorais e a nítida hipossuficiência técnica em relação à EmpresaRéu, o ônus da prova deve ser invertido.


3) Conclusão


Esse é o cenário que o juiz encontra: argumentos contundentes de ambos os lados. Para acertar a mão, o magistrado deve recorrer à sua experiência foreira e ao princípio da imparcialidade para que, ao final, seja, sempre, a Justiça realizada!


 


Referências bibliográficas   

CAVALIERI FILHO, Sérgio. Programa de Responsabilidade Civil. 3. ed. Malheiros: Rio de Janeiro, 2002.

Rawls, John. Justiça e Democracia. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

Informações Sobre o Autor

Alexandre Fernandes Dantas

Professor de Direito Constitucional da Universidade Estácio de Sá. Pesquisador associado ao CONPEDI. Advogado. Pós-Graduado lato sensu em Direito e Gestão da Segurança Pública pelo PPGD/UGF. Mestre em Direito pelo PPGD/UGF-RJ. Doutorando em Ciência Política e Relações Internacionais pelo IUPERJ/UCAM.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais