Aviso prévio dos domésticos

0

Resumo: O presente artigo através de analise sistemática dos dispositivos da Consolidação das Leis do Trabalho, Lei n°5.859, Lei n°12.506, e da Constituição da República Federativa do Brasil, analisa a possibilidade de ampliação do prazo do aviso prévio aos empregados domésticos.


1. BREVE HISTÓRICO DA LEGISLAÇÃO


A relação empregatícia doméstica sempre esteve à margem dos direitos trabalhistas sendo que o primeiro diploma material que tentou tratar sobre o tema foi o Decreto-lei n°3.078, de 1.941, já garantindo o direito ao aviso prévio ao empregado doméstico, segundo o art. 3º, no entanto, segundo Mauricio Goudinho Delgado, Curso 2009, “Porém impôs, expressamente, para sua efetiva vigência, a necessidade de regulamentação inferior – a qual jamais foi procedida”.


Já na década de 1970, com a promulgação da Lei n°5.859, de 11 de dezembro de 1.972, a referida categoria adquiriu um mínimo de cidadania, pois foram lhe concedidos alguns direitos (férias anuais remuneradas, anotação da Carteira de Trabalho e Previdência Social e inscrição do empregado como segurado obrigatório da previdência social).


Com a promulgação da Constituição da República Federativa do Brasil de 1.988, por muitos considerada como Constituição Cidadã, aumentou o rol de direitos previstos para a categoria dos empregados domésticos (salário mínimo; irredutibilidade salarial; repouso semanal remunerado, preferencialmente aos domingos; gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, um terço à mais do que o salário normal; licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do salário, com duração de cento e vinte dias; licença paternidade, nos termos fixados em lei; aviso prévio, proporcional ao tempo de serviço, sendo no mínimo de 30 (trinta) dias, nos termos da lei; aposentadoria e integração à previdência social).


Em março de 2.000, por ato voluntário do empregador, possibilitou a inscrição do empregado doméstico no Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, através da Medida Provisória n°1.986, de 13 de dezembro de 1.999, convertida na Lei n°10.208, de 23 de março de 2.001, sendo que, em caso de inscrição no FGTS, o empregado passa a ter direito a três parcelas de seguro-desemprego, no importe de um salário mínimo.


 Através da Lei n°11.324, de 20 de julho de 2.006, realizou nova extensão de direitos ao empregado doméstico (descanso remunerado em feriados e garantia de emprego à gestante desde à confirmação da gravidez até cinco meses após o parto), alguns autores ainda incluem como direito estendido pela referida Lei, trinta dias corridos de férias, porém o referido direito fora assegurado pela Constituição Cidadã.


2 – DA INAPLICABILIDADE DA CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO AO DOMÉSTICO


A Consolidação das Leis do Trabalho, expressamente em seu art. 7º, alínea “a”, expressamente excluiu os empregados domésticos do âmbito de sua incidência, sendo somente aplicada quando expressamente determinado: Art. 7º Os preceitos constantes da presente Consolidação salvo quando fôr em cada caso, expressamente determinado em contrário, não se aplicam: a) aos empregados domésticos, assim considerados, de um modo geral, os que prestam serviços de natureza não-econômica à pessoa ou à família, no âmbito residencial destas;”.


Não é outra, a opinião da doutrina, aqui representada pela lições do renomado autor, Mauricio Goudinho Delgado, Curso, 2009, pág. 362: “A CLT excluiu, expressamente, os empregados domésticos do âmbito de suas normas protetivas…”, não sendo outra também a posição jurisprudêncial, que restringe a aplicação da CLT somente nas hipóteses taxativamente previstas.


3 – DO NOVO PRAZO DE AVISO PRÉVIO INSTITUÍDO PELA LEI N°12.506/11


A Lei n°12.506, de 11 de outubro de 2.011, alterando a redação de dispositivos da Consolidação das Leis do Trabalho, conforme definido no caput, do art. 1º, da referida Lei, instituiu que o aviso prévio será concedido na proporção de trinta dias, para os empregados com até um ano de serviço (art. 1º) e que a cada ano de serviço será acrescido o período de três dias, até no máximo de sessenta dias, o que poderá totalizar um período de aviso prévio de noventa dias (Parágrafo Único, do art. 1º).


Apesar do art. 1º, poder gerar uma interpretação dúbia, sendo a primeira de que os empregados com até um ano de serviço poderão ter um aviso prévio proporcional à trinta dias, exemplificando, um empregado com seis meses de serviço, somente teria direito à quinze dias de aviso prévio, e uma segunda interpretação de que os empregados com menos de um ano de serviço terão sempre trinta dias de aviso prévio, independentemente do período trabalhado, a segunda interpretação é a mais correta, explico.


A Constituição da República Federativa do Brasil, de 1.988, em seu art. 7º, inciso XXI, consagra que: “aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo no mínimo de trinta dias, nos termos da lei”, sendo assim, temos que adotar uma interpretação conforme a Constituição, para que a expressão proporcional, contida no art. 1º, da Lei n°12.506/11, seja desconsiderada e que a todos os empregados que possuam o direito ao aviso prévio, seja de no mínimo de trinta dias e não proporcional no primeiro ano de serviço.


4 – DA INAPLICABILIDADE DA LEI N°12.506/11 AOS DOMÉSTICOS


Conforme supra exposto, no item 02, legislação, doutrina e jurisprudência, já consagraram que não se aplica aos domésticos os dispositivos protetivos da Consolidação das Leis do Trabalho, sendo expressamente somente ressalvados os casos em que alguma legislação tipifique a aplicação.


A Lei n°12.506/11, ao ampliar o prazo do aviso prévio, assim somente o fez alterando o texto da Consolidação das Leis do Trabalho, que não possuí nenhum dispositivo legal remetendo aquela aplicação à categoria dos trabalhadores domésticos, bem como, não visualizamos nenhuma disposição contida nas Leis n° 5.859, de 11 de dezembro de 1.972 e 11.324, de 20 de julho de 2.006, bem como, na Constituição Cidadã, que façam expressamente esta ressalva.


Diante disso, chega-se a conclusão de que a ampliação do prazo de aviso prévio para o doméstico não foi concretizado pela Lei n°12.506/11, sendo portanto ainda de trinta dias o prazo de aviso prévio do trabalhador doméstico independentemente do número de anos trabalhados ao mesmo empregador, com a única ressalva, de que no contrato de experiência, desde que inexista a cláusula recíproca de rescisão antecipada, não existirá o aviso prévio.


 


Bibliografia

BRASIL, Decreto-Lei n°3.078, de 27 de fevereiro de 1.941;

MAURÍCIO GOLDINHO DELGADO, Curso de Direito do Trabalho, 9ª Edição, Editora LTr;

BRASIL, Lei n°5.859, de 11 de dezembro de 1.972;

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil, 05 de outubro de 1.988;

BRASIL, Medida Provisória n°1.986, de 13 de dezembro de 1.999;

BRASIL, Lei n°10.208, de 23 de março de 2.001;

BRASIL, Lei n°11.324, de 20 de julho de 2.006;

BRASIL, Consolidação das Leis do Trabalho, Decreto-Lei n°5.452, 1 de maio de 1.943;

BRASIL, Lei n°12.506, de 11 de outubro de 2.011;

Informações Sobre o Autor

Celso Antônio Barbosa Júnior

Advogado; Bacharel em Direito pelo Centro Universitário de Araraquara – UNIARA; Pós-graduado lato sensu em Direito Público, pela Universidade Gama Filho; Pós-graduando lato sensu em Direito Civil, pela Universidade Gama Filho; Pós-graduando em Direito e Processo do Trabalho, pela Universidade Gama Filho; Pós-Graduando lato sensu, pela Faculdade Internacional de Curitiba


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais