RECLAMATÓRIA TRABALHISTA – DANOS MORAIS

0

Clique aqui para personalizar este documento e baixe em word e PDF.


EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) DOUTOR(A) JUIZ(A) DO TRABALHO DA MERITÍSSIMA ____ VARA DO TRABALHO DA CIDADE DE ____________________[1]

 

 

 

 

 

 

 

(RECLAMANTE), (nacionalidade), (estado civil), (profissão), inscrito no CPF sob nº (nº do CPF) e portador do RG nº (nº do RG), PIS nº (nº do PIS), CTPS nº (número da CTPS), residente e domiciliado à (endereço completo, com cidade, estado e CEP), com endereço eletrônico (e-mail) e telefone (nº do telefone), por intermédio do seu advogado, (nome do advogado), inscrito na OAB/(UF) sob n° (nº da OAB), com domicílio profissional na cidade de (nome da Cidade), (endereço completo), que recebe intimações pelo e-mail (e-mail do advogado) e telefone (telefone do advogado),  vem respeitosamente perante Vossa Excelência, propor, pelo rito (indicar o rito[2]), a presente

 

AÇÃO RECLAMATÓRIA TRABALHISTA com pedido de DANOS MORAIS (EXTRAPATRIMONIAIS), em face de

 

(RECLAMADO)[3], (nacionalidade), (estado civil), inscrito no CPF sob nº (nº do CPF) e portador do RG nº (nº do RG), residente e domiciliado à (endereço completo, com cidade, estado e CEP), com endereço eletrônico (e-mail) e telefone (nº do telefone) [se pessoa física] ou (NOME DA RÉ), pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob o n° (nº do CNPJ), estabelecida nesta cidade de (nome da cidade) (endereço completo) [se pessoa jurídica], pelos motivos e fundamentos a seguir alinhados:

DA PRELIMINAR[4]

 

DOS FATOS

                                                                                                      

(Descrever as condições da contratualidade com a Ré, demonstrando a relação de emprego, dando ênfase, por fim, a situação geradora do pedido de danos extrapatrimoniais).

 

DOS FUNDAMENTOS JURÍDICOS[1]

 

DOS DANOS MORAIS (EXTRAPATRIMONIAIS)

 

Os incisos V e X, do artigo 5º, da Constituição Federal, asseguram a todo cidadão o direito à reparação dos danos morais porventura sofridos, assim entendidos aqueles que dizem respeito à esfera de personalidade do sujeito, mais especificadamente, os decorrentes de ofensa à sua honra, imagem e intimidade.

Na seara laboral, o instituto se encontra regulado na CLT no Título II-A, no âmbito do artigo 223-A.

O dano moral é in re ipsa, ou seja, é evidenciado pela simples verificação da ofensa ao bem jurídico. O dispositivo 223-B da CLT dispõe que causa dano de natureza extrapatrimonial a ação ou omissão que ofenda a esfera moral ou existencial da pessoa física ou jurídica, na sequência, completa o artigo 223-C da mesma normativa que a honra, a imagem, a intimidade, a liberdade de ação, a autoestima, a sexualidade, a saúde, o lazer e a integridade física são os bens juridicamente tutelados inerentes à pessoa física.

No caso em tela, evidencia-se o dano moral experimentado pelo Autor quando (descrever a situação geradora do dano moral), por culpa exclusiva da Ré[2].

Em suma, cabe ao Juiz, frente aos fatos e elementos trazidos aos autos, fazer análise e avaliação sobre a extensão do dano a ser reparado.

Desta forma, requer a Vossa Excelência que arbitre valor digno a condenação, capaz de efetivamente ressarcir o Autor pelos danos morais sofridos, nos termos do que estabelece o artigo 223-G da CLT, capaz de reparar a vítima pelo dano sofrido e evitar que tais práticas voltem a ocorrer no ambiente de trabalho, evitando indenizações pífias que, por vezes, até ofendem o atingido e encorajam o ofensor a perpetrar as mesmas práticas.

 

DOS PEDIDOS

 

Diante ao exposto, requer a Vossa Excelência:

 

  1. a) seja julgada totalmente procedente a presente Reclamatória, condenando a Ré ao pagamento de indenização por danos morais (extrapatrimoniais) em decorrência (indicar de forma breve o fato gerador do pedido), cuja quantificação é encargo do Juízo, a luz do que disciplina o artigo 223-G da CLT.

 

  1. b) Juros e correção monetária até a data do efetivo pagamento;

 

  1. c) Honorário de advogado – (AJG), estando cumpridos os requisitos do artigo 14 e seguintes da Lei nº 5584/70;

 

Requer, ainda:

 

A citação da Ré no endereço referido de início, para, querendo, contestar a presente ação no prazo legal, assim como, o depoimento pessoal de seus representantes legais, tudo sob pena de revelia e confissão;

 

Poder provar o alegado por todos os meios de prova em direito admitidas, tais como: testemunhas, documentos, perícias e outras.

 

Produzir cálculos definitivos em liquidação de sentença.

 

Dá-se a causa, para efeitos fiscais e legais, o valor de R$ ____ (escrever o valor por extenso).

 

Termos em que, pede e espera deferimento.

 

(cidade), (data)

 

___________________________________

Nome do advogado(a) por extenso

(nº da OAB)/(UF da OAB)

 

[1] Quando se tratar de servidor público que tenha uma relação estatutária com a administração pública, a competência para julgar a causa é da Justiça comum, inobstante as verbas requeridas sejam de natureza trabalhista e relativas ao período anterior à alteração do regime de trabalho.

[2] Utiliza-se o rito sumário para causas de até dois salários mínimos; o rito será o sumaríssimo nas causas que pleiteiam um valor entre dois e quarenta salários mínimos; e o rito será ordinário nas causas com o valor acima de quarenta salários mínimos.

[3] Caso não se tenha conhecimento da qualificação civil completa da parte Ré, é possível ajuizar a ação indicando apenas o seu nome e endereço.

[4] Em sede preliminar, podemos requerer a assistência judiciária gratuita (em conformidade com o artigo 14, caput, §1º da Lei 5.584/70 e da Lei 1.060/50, artigo 3º); ainda, tratando-se de pessoa idosa, a tramitação prioritária (consoante está expresso no artigo 71, Lei 10741/03 e artigo 1.211-A, do CPC); se Portador de Doença Grave, a tramitação prioritária (conforme exposto no artigo 1.211-a, CPC); Se o dissídio que versar exclusivamente sobre salário ou empregador falido, (art. 652, p. único, CLT).

[5] Nesse tópico deverá ser abordada a fundamentação legal de cada pedido. Mais uma vez, o uso de tópicos ajudará na redação, já que em matéria trabalhista são inúmeros os direitos abordados.

[6] Artigo 223-E.  São responsáveis pelo dano extrapatrimonial todos os que tenham colaborado para a ofensa ao bem jurídico tutelado, na proporção da ação ou da omissão.

Julgamento Caso Kiss: para Promotor aposentado não houve dolo no caso da boate Kiss
Clique Aqui e Saiba Mais!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais