A abertura do mercado na falência

Luiz Roberto Ayoub e Vanderson Maçullo

O novo marco regulatório da falência (Substitutivo ao Projeto de Lei nº 6.229/2005), em fase final de gestação no Congresso Nacional, é uma forma eficaz de salvar empresas tidas como à beira da morte, sendo um importante passo em uma economia, principalmente em situações de crise. A permanência de uma companhia no mercado evita o encerramento de postos de trabalho diretos e indiretos, mantém a circulação e a geração de riquezas e permite que o Estado ainda recolha tributos daquela empresa.

Pelo novo regulamento, se uma atividade, que não seja maléfica à sociedade, não anda bem nas mãos de um empresário e a pessoa jurídica que a agasalha está falida, deverá ter a sua condução, rapidamente, transferida às mãos de outro empresário.

Por isso, o conjunto de ativos de uma empresa falida – preferencialmente em bloco, incluindo a própria marca –, deve ser vendido, depressa, em leilão público, logo no começo do processo judicial de falência; e, preferivelmente, sem a interrupção da atividade do falido, para permitir o aumento da cobiça pelos investidores – e, consequentemente, refletindo a maior no preço dos ativos –, já que os bens serão comprados enquanto a atividade empresária, ainda que com dificuldades, estiver viva e operando.

Esse conjunto de ativos será recebido pelo comprador livre de qualquer ônus e sem haver sucessão nas dívidas trabalhista, fiscal, cível e nas eventuais penalidades da lei anticorrupção, também para maximizar o valor a ser pago pelo investidor e para garantir segurança jurídica. Do contrário, na presença de incertezas quanto à regra aplicável às relações comerciais, deve-se esperar um subinvestimento nas ofertas dos investidores nacionais e dos estrangeiros – os distressed funds.

Nesse passo, a nova legislação falimentar irá inaugurar e fomentar um novo mercado econômico e de oportunidade para investimentos no país – o de compra de ativos em processos judiciais de falência; além de induzir o início de uma mudança cultural – a da transferência célere da atividade de uma pessoa jurídica falida a outro empresário.

A abertura do mercado na falência representa uma situação de “ganha-ganha”, em que todos os participantes, indiscriminadamente, ganham, sem nada perder. O dinheiro arrecadado em decorrência da venda, maximizado pela rapidez da operação para se alcançar a atividade ainda viva, servirá para a satisfação de um maior número de credores do falido, obedecendo à ordem de pagamento fixada na lei, sejam eles trabalhadores, fazenda pública e fornecedores.

Nesse cenário de benefícios conjuntos, também se favorecem a comunidade em que a atividade se encontra inserida e, similarmente, o produto interno bruto nacional.

Esse conteúdo ajudou você? Está precisando comprar um livro?  Clique AQUI e vá direto para Livraria do Âmbito Jurídico!

Ausência de leito para todos e a escolha sobre…

Por Fernando Bianchi, Sócio Miglioli e Bianchi Advogados, Especialista em Direito da Saúde – Universidade de Coimbra – PT, Membro da Comissão de Direito...
MariaEduarda
3 min read

Para que serve o pacto antenupcial?

Conheça a importância do documento e o que ele abrange O casamento é uma decisão importantíssima, que pode mudar sua rotina e questões com...
MariaEduarda
1 min read

Com aumento do ITCMD todas as transmissões por sucessão…

Estratégias com reorganização patrimonial, como Planejamento Sucessório, podem mitigar os custos com aumento de impostos, inclusive a incidência do Imposto sobre Grandes Fortunas que...
MariaEduarda
1 min read

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *